Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Liga pode suspender atletas

07 de Junho, 2013

Alex Rodriguez também está envolvido na polêmica sobre o uso de doping

Fotografia: AFP

Questões relacionadas com o uso de doping ameaçam “manchar” um dos campeonatos desportivos mais importantes nos Estados Unidos.

Os responsáveis da Major League Baseball (MLB), a liga principal de basebol dos EUA, preparam-se para suspender, dentro de duas semanas, cerca de 20 jogadores por causa do recurso a substâncias proibidas.

A informação foi revelada quarta-feira pela ESPN, que prevê que este é o caso mais grave de sempre na modalidade.

O motivo é o envolvimento com a clínica Biogenesis, situada na Flórida, que é acusada de participar num esquema de produção de substâncias dopantes para os jogadores da liga de basebol. O período das suspensões pode ser o dobro do previsto pelas regras, já que os jogadores em causa, além do uso de doping, também mentiram quando questionados.

O caso torna-se mais mediático, já que um dos jogadores alegadamente envolvido é Alex Rodriguez, atleta dos New York Yankees, que é o mais bem pago na liga e considerado um dos melhores da história do basebol.

Entre os clientes de Anthony Bosch, dono da clínica, constam ainda Ryan Braun, Nelson Cruz e Melky Cabrera, que devem ser afastados, caso se confirmem as suspeitas.
Este não é o primeiro escândalo de doping em que Rodriguez se envolve. No começo da década passada, o jogador admitiu ter feito uso de esteróides no período em que actuava no Texas Rangers.

Na época conseguiu assinar com os Yankees o maior contrato da história do basebol, válido por dez anos, e que lhe rende 275 milhões de dólares.
Em declarações à CNN, um porta-voz da MLB recusou comentar o assunto, mas admitiu que está a decorrer uma investigação.


Antidoping

Tribunal espanhol
aprova nova lei


O Supremo Tribunal de Espanha aprovou quarta-feira a proposta de lei do governo de José Zapatero que permite a realização de testes antidoping entre as 23h00 e as 6h00.

O tribunal considerou válidas as condições que permitem a realização de controlos entre as horas normalmente destinadas ao descanso dos desportistas, sem que seja necessária a existência de situações de emergência.

A Associação de Ciclistas Profissionais Espanhóis (ACP) já se opôs aos termos impostos pela lei aprovada esta quarta-feira em Madrid, considerando que o Governo espanhol submeteu a norma “sem passar por todas as formalidades necessárias” e que esta foi motivada por uma urgência “não justificada”.

Esta é mais uma tentativa do governo espanhol de apaziguar as polémicas em relação ao uso de doping no desporto espanhol, nomeadamente depois de terem sido divulgadas, nos últimos meses, as informações relativas ao processo “Operação Puerto”, o maior caso de utilização de substâncias dopantes na história do ciclismo espanhol.