Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lisboa alberga Europeus de Crosse

07 de Dezembro, 2019

Fotografia: DR

Mariana Machado, uma jovem bracarense de 19 anos, é o grande destaque a nível de portugueses para os Europeus de corta-mato, que se disputam amanhã, domingo, no Parque da Bela Vista, em Lisboa.
Portugal, que apresenta equipas em seniores, sub-23 e juniores, tanto em masculinos como em femininos, e ainda uma estafeta mista, tem maiores expectativas nas corridas dos mais novos, já que Etson Barros também é candidato às medalhas, mesmo com a presença do norueguês Jakob Ingerbritsen.
Filha da fundista olímpica Albertina Machado e treinada pela experiente Sameiro Araújo, Mariana ‘explodiu’ como atleta este ano, num percurso em que se destaca a ‘prata’ nos 3.000 metros dos Europeus de juniores, no mesmo dia em que foi quarta nos 1.500.
Já no Outono, surpreendeu ao aparecer num patamar ainda mais elevado, correndo entre a elite e lutando com as africanas nos exigentes crosses disputados em Espanha, vencendo mesmo em uma dessas provas.
Há dois anos, com 17 anos, foi 24.ª e no ano passado melhorou para 15.ª. Agora, com um apuro de forma notável e confiança ao máximo, é favorita.
Já Etson Barros, ainda com 18 anos - tem mais um ano como júnior -, chega ao nível dos melhores no primeiro ano em que corre pelo Benfica. Antes, competia pelo algarvio Pechão, de Ana Cabecinha, tendo-se iniciado como marchador.
O pupilo de Paulo Murta também evoluiu muito na última época e não parou de mostrar grande potencial na época de crosse, também em Espanha.
Dificilmente será aposta para vencer, dada a presença de Jakob Ingerbritsen, mas poderá chegar ao pódio.
Na Bela Vista, Portugal vai ter 37 em 40 atletas possíveis e só não faz o pleno, como estava delineado, porque o seleccionador nacional, António Sousa, decidiu não preencher todas as vagas das seleccionadas e pré-seleccionadas que declinaram o convite, por lesão ou opção de época.
Uma decisão com alguma polémica e contestação, por parte de atletas que até apareceram numa prova de observação, há duas semanas, de que apenas saiu Susana Francisco, que assim se junta às muito experientes Salomé Rocha e Dulce Félix.
Para pontuar colectivamente não há margem de erro, numa selecção que seria candidata ao pódio, com Jessica Augusto, Inês Monteiro, Sara Moreira e Catarina Ribeiro.
Dulce Félix, medalhada quatro vezes entre 2010 e 2013 (duas pratas e dois bronzes), e Salomé Rocha, a melhor portuguesa em quatro das cinco últimas edições, são nomes incontornáveis do meio-fundo português.
Salomé Rocha vai para a 12.ª presença e Dulce para a nona e mesmo que os seus melhores momentos como especialistas de corta-mato já tenham passado (agora são essencialmente maratonistas), é com alguma expectativa que se aguardam os resultados das suas provas.
A equipa masculina de seniores, também sem vários dos melhores e com o campeão nacional, Rui Teixeira, vindo de uma maratona, tem aspirações naturalmente limitadas.
Há um ano, foi 12.ª entre 16 equipas classificadas, pelo que fazer melhor do que isso é a primeira meta.