Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Luanda receptiva à meia-maratona

Silva Cacuti - 16 de Julho, 2015

A terceira meia-maratona de Luanda é prova certificada pela Associação Internacional de provas de estrada

Fotografia: AFP

A adesão, que os luandenses registam nos primeiros dias de inscrições, para a III edição da meia maratona de Luanda, mostra que a cidade está receptiva à este grande movimento, considerou Domingos Castro da MRD, empresa promotora do evento.“Temos entre 50 ou 60 inscritos em três dias, desde que começamos a inscrever e isso é positivo, mostra que Luanda está receptiva a prova. Cada ano trabalhamos mais para que a prova seja melhor e esta, é uma resposta excelente que estamos a ter”, considerou.

A prova prevê inscrever cerca de dez mil corredores e está prevista para 7 de Setembro, conta com grandes nomes de “fundo” mundial, conforme assegurou o nosso interlocutor."Vai ser uma prova com mais qualidade, atletas mais fortes. Temos nomes assegurados, mas não divulgamos ainda, porque existem cláusulas nos contratos com esses atletas, que não nos permitem avançar nomes, mas vamos ter atletas muito fortes”, comentou.

A III meia -maratona de Luanda é uma prova certificada pela Associação internacional de provas de estrada e para a meia -maratona vai correr o mesmo percurso da edição anterior, com  partida às 8h00, em frente ao Ministério do Interior (sentido porto – Ilha), Marginal, retorno no Ponto Final, passa no regresso no Porto de Luanda e tem a meta marcada na Praça dos Eventos na Baía de Luanda.

A edição anterior foi conquistada pelos quenianos Kitwara Sammy (masculino), com o tempo de 1h21 segundos, enquanto Eunice Jepkirui ganhou no sector feminino com o seguinte registo (1:08 e 31 seg). Além da prova maior vai haver, no mesmo dia, uma segunda prova com percurso de seis Km, designada prova da família.

NACIONAIS CORREM
NOS COQUEIROS

A Federação Angolana de Atletismo realiza no  fim-de-semana, dias 18 e 19, o Campeonato Nacional Absoluto de pista, no Estádio dos Coqueiros, em Luanda. Conforme  uma nota chegada à nossa redacção, a prova vai ter a participação de clubes de várias províncias.A prova marca o encerramento do calendário de competições da Federação. Entre os favoritos, como sempre, o 1º de Agosto, Interclube e Petro de Luanda agigantam-se. Aliás, na edição passada,  a prova contou apenas com  participação de equipas luandenses.

Em masculino, o 1º de Agosto ocupou o primeiro posto com 20 medalhas, a saber, sete de ouro, nove de prata e quatro de bronze, secundado pelo Petro Atlético de Luanda com 13 medalhas. Os “petrolíferos” arrebataram quatro medalhas de ouro, o mesmo número de prata e cinco de bronze, enquanto o Interclube quedou-se no terceiro lugar com nove medalhas  (quatro de ouro e cinco de bronze).Na prova feminina o Interclube foi dominante, ocupou a primeira posição com 12 medalhas, das quais sete de ouro, três de prata e duas de bronze, seguido do 1º de Agosto com seis de (ouro, oito de prata e seis de bronze).

JOGOS ESCOLARES
Província da Huíla apura representantes


Uma maratona desportiva com a finalidade de apurar os representantes huílanos aos Jogos Regionais Sul Escolares, a decorrer na província do Cunene ou do Cuando Cubango, em Agosto, na segunda pausa pedagógica, é realizada sábado e domingo no Lubango, com a participação de mais de 700 alunos de sub-16, em representação de instituições de ensino públicos e privados.Durante a disputa da fase final, vão estar em evidência as modalidades de basquetebol, futebol, atletismo, voleibol, ginástica, ténis de campo e de mesa, xadrez, karaté e andebol em ambos os sexos.

Juka Fernandes, da secção de Educação Física e Desportos Escolares da Direcção Provincial de Educação da Huíla, disse, ontem, ao Jornal dos Desportos, que a maratona desportiva é o culminar de vários jogos realizados em todas as modalidades com vista a seleccionar as melhores equipas que vão representar a província da Huíla no regional sul escolar.

 Assegurou, estarem criadas todas condições técnicas, para que a actividade decorra com êxito. “Temos estado a interagir com todos os professores de educação física, que farão parte da organização, sobretudo, na arbitragem, juízes cronometristas, de mesa, entre outros. Por isso, foram mobilizados mais de 90 por cento dos professores de educação física, para assegurar o certame. Todo o aparato está engajado”, confirmou.Juka Fernandes referiu, que desta vez a grande inovação nesta competição, consiste em as equipas dos professores de educação física ganhadores, é que vão representar a província no regional sul escolar, o que não acontecia, anteriormente.

O pavilhão do Sporting Clube do Lubango, as antigas instalações do Caminho de Ferro de Moçâmedes (CFM), o campo pelado adjacente a Universidade Mandume Ya Ndemufayo e os recintos de jogos do Instituto Superior de Ciências de Educação (ISCED), são entre outros locais escolhidos, pela organização, para albergar as provas em várias modalidades nos escalões de sub12,13,14,15 e 16, garantiu Juka Fernandes.

Indicou que o desporto escolar a nível da província, actualmente, está atravessar bons momentos. Acrescentou, que muito recentemente os professores de educação física, beneficiaram de uma acção formativa, que contribui na melhoria da sua condição de transmitir o ABC de educação física aos alunos. “Desta vez, vamos conseguir ensinar melhor o ABC de educação física em relação à outros tempos e muita coisa já começou a mudar. Face a isso, temos estado constantemente a aconselhar os colegas a pautar por treinos científicos, pois o desporto escolar é o pilar para o desporto de alto rendimentos em todas modalidades”, sublinhou.

 Juka Fernandes garantiu, que ao longo deste ano, os professores de educação física já tiveram três fases de seminário de capacitação e ainda foram programados mais de três antes do fim do ano. “Tem havido muita melhoria nesta cadeira de educação física porque há muito interesse por parte dos professores em leccionar a matéria”, sustentou.

O dinamizador do desporto escolar na província, lamentou o facto de não existirem salas específicas para ministrar aulas de educação física, tal como acontece com outras disciplinas curriculares. Daí, pontualizou, “temos estado a encetar contactos e a solicitar aos nossos dirigentes das Direcções de Educação e Juventude e Desportos para não esquecerem de que essas aulas decorram nos campos desportivos”,  Avançou que por essa razão, há necessidade de se construir infra-estruturas desportivas, nas diferenças instituições de ensino, para melhor trabalhar na descoberta de talentos para o desporto de alto rendimento.
Gaudêncio Hamelay - Lubango