Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Manuel Caleia dá lugar a Agostinho Carvalho

27 de Março, 2016

Manuel Caleia cedeu o cargo de presidente de direcção a seu vice-presidente

Fotografia: José Soares

Com 53 votos a favor, cinco contra e duas abstenções, Agostinho de Carvalho conquistou a vitória perante 60 sócios, num processo conduzido pela Comissão Eleitoral coordenada por Miguel Arsénio e coadjuvada por Francisco Arsénio e Indira Silva Cardoso, vice-presidente e secretária, respectivamente.

Com a renovação dos corpos gerentes, a equipa fundada a 12 de Abril de 1996 tem o terceiro presidente da sua história. Até 2003, Henriques Buca dirigiu a agremiação e Calei assumiu ao cargo em 2004.

Para levar avante os programas de desenvolvimento, Agostinho de Carvalho conta com um elenco de 15 membros, empossados ainda ontem, no mesmo espaço. Na Mesa da Assembleia Geral, o ex-presidente de direcção, Manuel Caleia, coordena o órgão e vai ser coadjuvado por Organtina Gonçalves (vice-presidente) e Esperança Teixeira (Secretária).

Na direcção, Agostinho de Carvalho é o presidente, Ana Maria Caleia é a primeira vice-presidente, Osvaldo Neto é o segundo vice-presidente e os vogais Jerson da Costa Martins, Maria de Sousa e António Gonçalves.

O Conselho Fiscal é presidido por Sebastiana Dias da Conceição e conta com apoios do Frederico de Almeida e Orlanda Dala, primeiro e segundos vogais.

O Conselho Disciplinar é dirigido por Luís Adão Silva (presidente), Joana Francisco e Fátima Guelengue foram eleitas primeira e segunda vogais.

Com a  tomada de posse, a direcção vai dar prosseguimento à revitalização das modalidades de futebol onze e de salão e xadrez. O desporto-rei congrega em todos os escalões 70 atletas e o futebol de salão, 20. O departamento de xadrez controla 40 atletas, dos quais 10 infanto-juvenis, 12 juvenis, oito juniores e 10 seniores.


Presidente eleito
pede a cooperação


O presidente do Polivalentes Futebol Clube, Agostinho de Carvalho, eleito e empossado ontem, na sede social localizada no bairro Palanca, pediu maior cooperação dos sócios na sua primeira intervenção pública.

\"Tenho fé no clube. Acredito, vamos ter muitas alegrias, mas tudo vai ser possível, se houver  um trabalho aturado e primarmos na disciplina. Espero que haja a cooperação dos sectores. A presença de todos vai ser imprescindível, porque junto vamos ter um Polivalentes glorioso\", acreditou.

O novo líder do Polivalentes do Palanca escusou falar dos projectos em carteiras.

\"Vamos primar na contenção de gastos. As finanças não ajudam a pensar em sonhos altos. Não vamos ter equipa senior de futebol. O projecto vai estar direccionado à massificação das modalidades que o clube movimenta. Vamos continuar a lutar para melhorar as condições do campo de futebol e proporcionar aos nossos técnicos as oportunidades de superação profissional. Vamos transformar a qualidade preparatória dos atletas numa acção para servir de fonte de receita para o clube\", objectivou.                    ÁLVARO ALEXANDRE


OBJECTIVO
Equipa Polivalentes
aposta na expansão


No domínio da expansão e diversificação da actividade desportiva, o presidente cessante do Polivalentes Futebol Clube, Manuel Caleia, revelou que deixou uma direcção em crescimento.

\"O clube denota um crescimento no aspecto da infra-estrutura, modalidades desportivas e humanamente. A expansão da colectividade é uma realidade. A formação, que tem a sua sede social no bairro Palanca, pretende estender a sua participação social. Para além de Luanda, onde aglutina as atenções, acertou passos certeiros nas províncias de Cuanza Sul e de Benguela, onde passa a contar com as equipas satélites\", disse.

A passagem de competência à Agostinho de Carvalho, para conduzir o destino do Polivalentes Futebol Clube, mereceu uma justificação do actual presidente da Mesa da Assembleia, Manuel Caleia.

\"Dediquei-me durante três mandatos para edificar o clube. Agora, encontro-me indisponível para me dedicar na mesma proporção, por uma razão tão simples: a saúde recomenda cuidados extremos e a actividade profissional vai exigir muito de mim. Nestas condições, o desporto vai ficar com pouco espaço\", justificou.       ÁLVARO ALEXANDRE