Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Marc Mrquez quer ajustes na Honda

17 de Fevereiro, 2017

Mais veloz no primeiro dia da bateria de testes de pr-temporada Marc Mrquez ainda no est totalmente satisfeito

Fotografia: AFP

Apesar de terminar no topo da tabela de tempos no primeiro dia em Phillip Island, Marc Márquez diz que a equipa japonesa precisa acertar alguns detalhes da eletrónica que ainda não funcionam correctamente. Mais veloz no primeiro dia da bateria de testes de pré-temporada da MotoGP em Phillip Island, Marc Márquez ainda não está totalmente satisfeito com o ajuste da electrónica da Honda.

Após os trabalhos de quarta-feira (15), o actual campeão da categoria revelou que a equipa ainda não encontrou a configuração ideal e falta harmonia entre motor e electrónica, o que não permite que ele se sinta confortável na pilotagem. "Falta-nos algo em algumas áreas da electrónica, especialmente com o motor. Não conseguimos fazer eles funcionarem em harmonia, é difícil de entender", disse.

"Eu ainda não me sinto confortável, mas isso parece acontecer porque estávamos acostumados com um tipo de motor por anos e com o novo você precisa mudar o estilo de pilotagem um pouco. A conexão com o acelerador, com o motor, com a roda traseira - estamos trabalhar duro para entender melhor esses aspectos. O curioso é que os tempos de volta estão bons. Podemos melhorar, talvez não em termos de velocidade, mas para ficarmos mais confortáveis."

Márquez contou ainda que continua preocupado com as dificuldades de aceleração da moto, pois as características de Phillip Island mascaram tal deficiência. "Aqui não temos problemas com a aceleração, que é nosso maior problema. No ano passado fomos rápidos aqui também, então ainda precisamos trabalhar."

Apesar das dificuldades, o espanhol procura conforto no facto de que os problemas têm características definidas, o que dá à Honda melhores possibilidades de encontrar soluções antes da abertura do campeonato, no Catar. "Se você tem um problema numa curva e na seguinte outra totalmente diferente, você fica confuso. Mas temos os mesmos problemas em todas as curvas, o que vejo como positivo."

Continuando: "sei que precisamos ter paciência, pois temos muitas partes novas e leva tempo para ajustar.

Por isso, estou concentrado em pilotar e tentar passar o máximo de informações para os engenheiros. O mais importante é que eu consiga dar 100% no Catar", completou.

Para Valentino Rossi, o favorito para a temporada por enquanto é Marc Márquez.

O piloto da Yamaha disse após o primeiro dia de testes em Phillip Island que o piloto da moto 93 fez tempos mais significativos que os de seu companheiro, Maverick Viñales, que liderou os dois primeiros testes de pré-temporada.

"Viñales foi muito forte em Valência e em Sepang, mas se você verificar os tempos mais a fundo, Márquez foi mais rápido em Valência (em Novembro), na Malásia e hoje. Então, eu acho que ele é o homem a ser batido. Em ritmo ele é sempre muito constante e eles trabalham muito para a corrida com pneus usados. Acho que ele é a referência." Perguntado se ele achava que os comentários negativos de Márquez sobre a Honda eram subavaliação deliberada, Rossi sugeriu que o actual campeão está a tentar esconder o seu ritmo pelas declarações."Ele está fazer um eufemismo", disse Rossi.

"Você sempre tenta dizer um pouco menos ou tornar as coisas mais negativas, porque você sempre quer ser a surpresa no Catar. Sério é que eu já sei que ele é o mais rápido."