Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mark Smith abandona Sauber

16 de Março, 2016

Sauber anunciou a saída do engenheiro inglês Mark Smith sem muitas explicações

Fotografia: AFP

Em comunicado curto e divulgado na segunda-feira a equipa suíça Sauber anunciou o desligamento do director -técnico Mark Smith, a menos de um ano no cargo. Smith decidiu  viver na Inglaterra por questões familiares que não são conhecidas, de acordo com a equipa de Hinwil.
MArk Smith assumiu o cargo que já ocupava  antes na Red Bull e na Caterham, no último mês de Julho. Como a Sauber tem as instalações na Suíça, aparentemente afectou a vida do engenheiro inglês.

"O director -técnico da Sauber Mark Smith decidiu voltar ao Reino Unido por razões de família. Já deixou a companhia. Gostaríamos de agradecer ao Mark pelos seus esforços e desejar-lhe todo o melhor para o futuro", disse.Depois do atraso para apresentar o C35, o seu carro de 2016, e utilizá-lo apenas na segunda série de testes colectivos de pré-época em Barcelona, a Sauber espera momentos complicados no início da época para Felipe Nasr e Marcus Ericsson.

A situação financeira também não é boa, já que os salários do mês passado demoraram vários dias para aparecer na conta de cerca de 300 funcionários. O substituto de Smith também ainda não é conhecido.O Mundial de F1 começa no final de semana, dia 20 de Março, com o GP da Austrália.

FORCE INDIA
Perez promete pódio na primeira prova


Depois da Ferrari, a Force India foi a equipa que mais evoluiu na F1 na época passada e encerrou com o melhor resultado da história da equipa.Conquistou o quinto lugar no Campeonato Mundial de Construtores. Agora em 2016 começa com uma perspectiva de voos mais altos para a equipa de Silverstone. Contudo, a menos no que diz respeito à etapa de abertura do Mundial neste fim de semana com o Grande Prémio da Austrália, Sergio Pérez é cauteloso no seu discurso e entende que a Force India não tem as condições de lutar por um lugar no pódio.

Durante o evento realizado ontem em Melbourne, palco da corrida que abre a época'2016, Pérez aclarou que não acredita em pódio.“Não estou tão confiante. Estamos longe disso, agora. Mas estou confiante de que podemos somar alguns bons pontos para a equipa”, disse.Para Sergio Perez "as actualizações parecem promissoras, mas uma vez que estejam na pista a história é outra". O mexicano disse que espera começar o ano a somar bons pontos .

Quanto aos testes de pré-época, Sergio Perez deu a entender que não ficou satisfeito com o seu desempenho.“Os testes não foram tão bons para mim, mas estou confiante de que podemos lutar por pontos ”, reforçou.‘Checo’, como é conhecido, foi questionado também se na F1 é possível acontecer uma zebra, por exemplo, do tamanho da protagonizada neste momento pelo incrível Leicester City, apontado no começo da época do campeonato inglês como grande candidato à descida, mas que lidera a tabela após 30 jogos disputados. Sergio Pérez lamentou por não ver a F1 com a mesma capacidade para surpreender.

“Infelizmente, a F1 é muito estranha quando é comparada ao futebol. Enquanto no futebol há uma série de forças humanas, na F1 há um certo limite do que o carro pode fazer e apenas nos números. Não é possível vencer a Mercedes, por exemplo. Mas pode haver certas circunstâncias que podem dar-nos uma oportunidade de  facturar uma vitória. Espero que possamos lutar por pódios”, disse, resignado.

A ideia de Pérez para começo de 2016 remete um pouco ao ano passado, quando a Force India teve de lidar com dificuldades com a primeira versão do VJM08, mas somou pontos. O reforço técnico veio quando a especificação B do carro estreou no GP Inglaterra e desde então mostrou-se mais forte e foi ao pódio com o próprio Pérez, em Sóchi, e terminou o Mundial em quinto.

“Estamos muito próximos da posição que deixamos no ano passado. Se tivermos um bom começo e somarmos alguns pontos, vamos ter uma boa época”, acrescentou.Pérez aproveitou para defender o patrão, Vijay Mallya. O empresário enfrenta problemas com a justiça indiana por conta de uma dívida de quase 1,2 mil milhões de dólares norte-americanos e refugiou-se em Londres. Ao falar do chefe, o mexicano fez elogios.

“Vijay é um homem gigante! Tem feito muito para o desporto, não só para a nossa equipa. A F1 precisa de pessoas como Vijay. Provavelmente esteja a passar por alguns momentos difíceis, mas tem todo o apoio da equipa, de todos nós, e estamos ansiosos para vê-lo em breve nas pistas”, concluiu.