Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Márquez mantém invencibilidade

11 de Agosto, 2015

Marc Márquez mostrou, que sabe o que faz nos Estados Unidos.

Fotografia: AFP

Marc Márquez conquistou a sétima vitória, nos Estados Unidos da América, perante o olhar dos pilotos da Yamaha, Jorge Lorenzo e Valentino Rossi. O piloto da Honda lembrou vários rappers e muitas trilhas sonoras, que soaram em Indianápolis.

O piloto Marc Márquez, que esteve na pole - position na lendária pista de Indiana, perdeu a liderança para Jorge Lorenzo na largada, mas recusou-se a entregar a vitória e pressionou o piloto da Yamaha por quase todas as 27 voltas. Nas voltas finais, o campeão vigente lançou um ataque certeiro e disparou na liderança para manter a invencibilidade nos Estados Unidos.

Além de manter as vitórias, em território norte-americano, Márquez também entra para a história como o piloto que conquistou a 700ª vitória da Honda, no Mundial de Motociclismo.

A sofrer com o ritmo da YZR-M1 ao longo de todo o fim de semana, Valentino Rossi, manteve a tendência de aparecer mais forte na hora da corrida, depois de se livrar de uma legião de adversários, instalou-se na quarta posição e pressionou Dani Pedrosa.

A dupla inverteu as posições, algumas vezes, mas Rossi conseguiu garantir o terceiro lugar na volta final e recebeu a bandeirada com 0s181 de vantagem sobre Dani.

Mais atrás, Andrea Iannone não tardou a isolar-se na quinta posição e não teve grandes adversários durante toda a corrida. Bradley Smith ainda tentou alcançar o piloto da Ducati, mas recebeu a bandeirada em sexto, a 0s223 atrás do vencedor.

Pol Espargaró venceu um duelo com Cal Crutchlow e ficou com o sétimo posto. Andrea Dovizioso aparece em nono e Danilo Petrucci fechou o top-10.
Com o resultado, Valentino Rossi chegou aos 195 pontos, agora, tem nove de vantagem sobre Jorge Lorenzo. Márquez chegou aos 139 e assumiu a terceira posição, à frente de Iannone e Smith.

CORRIDA COMPLICADA
Mais uma vez, Marc Márquez mostrou, que sabe o que faz nos Estados Unidos. O espanhol da Honda mais uma vez garantiu a vitória em Indianápolis, sem surpresas.

Ao avaliar o desempenho na prova, Márquez não deixou de notar o ritmo de Jorge Lorenzo. Ao ver que o adversário melhorava o tempo durante a prova, pensou que ia ter de apertar na fase final da corrida.

“No warm-up e na classificação, estava a virar 1min32 alto ou 1min33 baixo, enquanto Lorenzo fazia 1min33 baixo. Porém, durante a corrida, começou a melhorar e chegou a 1min32 baixo”, explicou.

“Desde o início vi, que as coisas iriam apertar nas voltas finais. Então, pensei na melhor estratégia e perto do fim da prova, dei o máximo da minha moto e saí-me bem”, completou.

O bicampeão tem 56 pontos de desvantagem  sobre o líder da competição, Valentino Rossi. Com o resultado, o italiano perdeu nove pontos, em relação ao titular da Honda. Apesar de reconhecer essa aproximação de novo pontos, Márquez mantém-se realista ao afirmar que ainda há muito a recuperar na época.

“Falta muito, pois são nove pontos a menos”, disse.
Márquez assegura, que não estão no mesmo nível do ano passado, para ganhar todas as corridas consecutivas. Contudo, a prova em Brno vai ser “complicada”.


YAMAHA
Lorenzo reconhece
ritmo de Marc Márquez


Jorge Lorenzo celebrou “uma das melhores corridas” que já fez, no final da prova de Indianápolis. Mesmo a terminar atrás do bicampeão, Lorenzo disse estar satisfeito com o que mostrou dentro da pista, principalmente, pelo ritmo que apresentou durante a corrida.

“Fiz uma das minhas melhores corridas, em termos de ritmo, pois o nosso estava muito bom, melhor do que fiz nos treinos. Gastei muita energia a tentar escapar de  Márquez, já que estava um ou dois décimos mais veloz e não consegui escapar”, frisou. O piloto da Yamanha ressaltou que “os pneus desgastaram-se muito, principalmente do lado direito”.

Lorenzo “roubou” a liderança ao Marc Marquez, no arranque da prova. O espanhol da Yamaha manteve-se no comando por boa parte da disputa, até que nas voltas finais sentiu-se ultrapassado, quando o piloto da Honda acelerou até o máximo da sua moto. Para quem largou na terceira posição, o segundo lugar na final é motivo de satisfação.