Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Massa arranca na pole position

22 de Junho, 2014

Felipe Massa pode festejar hoje o pódio com o filho ao colo se suportar a pressão de Nico Rosberg e de Fernando Alonso

Fotografia: AFP

O piloto Felipe Massa arranca hoje na pole position do Grande Prémio da Áustria, cinco anos depois de o ter feito com a Ferrari no Grande Prémio do Brasil, em 2008, encerrando o jejum pessoal e da equipa de Frank Williams. A primeira pole da Williams na presente época resulta de 1m08s759 no circuito Red Bull Ring.

A última vez que a equipa de Frank Williams partiu com a liderança aconteceu em 2012 no Grande Prémio de Espanha, quando Pastor Maldonado beneficiou de uma subida na grelha (graças a uma punição contra Lewis Hamilton, então pole) e venceu a corrida.
A qualificativa foi marcada por uma série de decepções entre os favoritos. Lewis Hamilton (Mercedes) larga apenas na nona posição e Sebastian Vettel, pouco competitivo, sai em 13.º lugar.

Atrás da dupla da Williams, ficaram Nico Rosberg (Mercedes) e Fernando Alonso (Ferrari) na segunda fila. Daniel Ricciardo (Red Bull), Kevin Magnussen (McLaren), Daniil Kvyat (Toro Rosso), Kimi Raikkonen (Ferrari), Lewis Hamilton (Mercedes) e Nico Hulkenberg (Force India) completaram as dez primeiras posições em Spielberg.

O início do treino foi burocrática nas primeiras e nas últimas posições. A primeira posição da classificação ficou com Hamilton, que marcou 1m09s514, à frente de Daniil Kvyat e Nico Rosberg. Felipe Massa ficou em oitavo, à frente do seu companheiro de Williams, Valtteri Bottas.

A knockout zone do Q1 teve os pilotos das três piores equipas da época, Sauber, Marussia e Caterham. Adrian Sutil (17.º), Esteban Gutierrez (18.º), Jules Bianchi (19.º), Kamui Kobayashi (20.º), Max Chilton (21.º) e Marcus Ericsson (22.º) ficaram fora do Q2, sem surpresas.

Na segunda parte do treino, Rosberg foi o primeiro piloto do final de semana a andar abaixo de 1m09s, ao marcar 1m08s974. Tranquilo, deixou Hamilton em segundo, Bottas em terceiro e Massa em quarto, todos na casa de 1m09s. Kevin Magnussen, Fernando Alonso, Daniil Kvyat, Nico Hulkenberg, Daniel Riccciardo e Kimi Raikkonen também sobreviveram à linha de corte.

A decepção da eliminação foi Sebastian Vettel, que ficou apenas com o 13.º lugar. Disseram adeus também Sergio Perez (Force India, 11.º), Jenson Button (McLaren, 12.º), Pastor Maldonado (Lotus, 14.º), Jean-Eric Vergne (Toro Rosso, 15.º) e Romain Grosjean (Lotus, 17.º).

No Q3, Bottas superou a marca de Rosberg no Q2, ao marcar 1m08s846 e assumiu a primeira posição. Rosberg, Massa e Alonso vinham logo atrás. O brasileiro e o espanhol estavam na casa de 1m09s. O finlandês ainda tentou baixar, mas escapou da pista e precisou abortar a volta.

Hamilton, que vinha em volta rápida, rodou e abortou a volta. No fim, Massa voou baixo e registou 1m08s759, conquistando a pole position, com Bottas em segundo. A dupla da Williams larga nas duas primeiras posições da corrida.


DEDICATÓRIA
Felipe dedica
pole ao filho

Emocionado, assim como a esposa, Rafaela, e o filho, Felipinho, Felipe Massa, da Williams-Mercedes, disse à imprensa que o filho nunca o viu em primeiro lugar.
"É a primeira vez e Felipinho é parte da minha motivação; espero ter uma grande corrida amanhã (hoje)", disse.

Felipinho completou quatro anos de idade no dia 30 de Novembro do ano passado e a última pole do pai foi no GP do Brasil de 2008, disputado no dia 2 de Novembro. Seria também a sua última vitória até agora na F-1, resultado que lhe deu o vice-campeonato.

Felipinho surge de novo no comentário do pai, visivelmente sensibilizado com a conquista. Antes de entrar no carro e sair para a sessão que definiu a grelha no Circuito Red Bull Ring, em Spielberg, Massa encontrou-se com o filho: "Ele deu-me o bonequinho, o Neymarzinho, e guardei comigo".

Coincidência ou não, Massa volta a largar em primeiro seis anos depois da pole em São Paulo. A sua equipa não estabelecia a pole desde o GP da Espanha de 2012, com Pastor Maldonado. Se em Barcelona o venezuelano venceu, o desafio de Massa e o seu companheirio, Valtteri Bottas, vai ser maior. Em terceiro na grelha está o líder do Mundial, Nico Rosberg, da Mercedes.

"Estou muito feliz com o resultado. O meu momento é o mesmo da minha equipa. Tivemos sucesso no passado, passamos por um momento difícil e juntos desejamos voltar a conquistar poles, vitórias", disse Massa.

O brasileiro conquistou a 16.ª pole position da carreira e espera que venham outras tantas.
"Fazia muito tempo que não vinha aqui (entrevista como pole), lógico, sinto-me aliviado. É uma sensação única tanto para mim quanto para os integrantes da Williams", disse.

Apesar do bom ritmo demonstrado nos treinos livres de sexta e de sábado pela manhã, Massa admitiu não esperar o resultado.
"De jeito nenhum. O Rob Smedley (director da Williams) falou para a imprensa italiana que largaríamos com os dois carros na primeira fila e não acreditamos, como ele também não, apesar da declaração", disse.

Durante a última parte do treino de classificação, as indicações não eram positivas. "Eu não fiz um primeiro sector (estava três centésimos mais lento), mas depois consegui fazer tudo perfeito", acrescentou.

Nico Rosberg tem a nova oportunidade de ampliar a diferença na liderança do campeonato. Bottas também estava em festa, com a melhor posição na grelha da carreira.

"Tudo está diferente na nossa organização, da área de projecto ao pessoal de pista, passando pela metodologia na fábrica. E o contacto do pessoal de pista com o do projecto funciona. A cada componente novo que trazemos para a pista, o carro torna-se melhor e melhor", disse Rosberg.

Tanto Massa quanto Bottas sabem que se chegar em primeiro no fim das 71 voltas no desafiador traçado de 4.226 metros vai ser muito difícil. "A Mercedes tem ainda o melhor carro, mais que o nosso. Se acontecer de a gente chegar atrás da Mercedes não vai ser ruim", afirmou Massa.

Um pódio, porém, representa uma realidade. Rosberg atribuiu às condições dos dois últimos eventos o facto de a Mercedes não vencer o GP do Canadá, há duas semanas (ganhou Daniel Ricciardo, da Red Bull, quinto na grelha na Áustria) e na primeira competição a seguir, de novo não ser a melhor.

"Temos ainda o melhor carro e espero tê-lo por bem mais tempo. O que aconteceu hoje é que privilegiei o acerto de corrida e, assim, não tinha muito equilíbrio na classificação", disse o filho de Keke Rosberg, campeão do mundo de 1982, com Williams.
"Tenho a certeza de que terei um grande carro e largar em terceiro é uma boa posição para tentar a vitória numa pista onde não é difícil ultrapassar", complementou Rosberg.

O GP da Áustria tem elevadas possibilidades de ser uma prova semelhante a de Montreal, cheia de mudanças na classificação da corrida. Em nenhum outro autódromo da época, houve tantos erros de pilotos nos treinos como no Circuito Red Bull Ring.

PERDA DE LIDERANÇA
Nico Rosberg culpa Lewis Hamilton


Terceiro colocado na grelha de largada do Grande Prémio da Áustria, marcado para as 13h00 de hoje, Nico Rosberg lamentou a falta de sorte nos minutos finais da terceira fase, a última do treino de classificação. Apesar de apontar que o seu desempenho esteve abaixo do de Felipe Massa e Valtteri Bottas, da Williams, o líder da Fórmula 1 nesta época apontou um erro do companheiro Lewis Hamilton como decisivo para o resultado final da sessão.

Os pilotos da Mercedes andaram à frente na maior parte dos treinos livres, mas acabaram surpreendidos. Massa fez o melhor tempo (1m08s759) e foi seguido por Bottas, que partiu na primeira fila.

Lewis Hamilton tentou a pole. O inglês errou e saiu da pista. Os comissários do circuito de Spielberg levantaram as bandeiras amarelas e atrapalharam Nico Rosberg.

"A minha volta não era perfeita, para ser honesto, mas também a perdi por causa da rodada de Lewis Hamilton. Não seria possível melhorar o meu tempo. Isso definitivamente me atrapalhou, mas as coisas são assim", complementou Rosberg.

O alemão admitiu que não esperava uma desempenho tão bom do Massa e Bottas na Áustria. "Dedefinitivamente não esperava a Williams à minha frente. O terceiro lugar é bom para começar amanhã. Estou a olhar para a frente", ressaltou.

ALONSO ENALTECE
POLE DE MASSA


Antigo companheiro dos tempos de Ferrari, Fernando Alonso fez questão de enaltecer a pole position obtida por Felipe Massa, para o Grande Prémio da Áustria. O espanhol fiel à equipa italiana abraçou o brasileiro no fim da disputa, mas depois fez a ressalva de que vai ter de o superar na corrida de hoje.

"O Felipe foi bravo, mas vamos ter de vencê-lo na corrida. Ele merece dias como este, mas no domingo (hoje), vamos atacar, embora seja difícil. Cometi erros, mas esta é a melhor qualificação do ano", disse ao jornal italiano "La Gazzetta dello Sport".

Fernando Alonso relembrou o período de Ferrari que viveu junto com Felipe Massa e destacou a felicidade pelo novo momento do brasileiro na Fórmula-1.

"Vivemos juntos quatro anos na equipa. Foram quatro anos de problemas, porque não podíamos lutar pela pole. Felipe agora tem um carro rápido. Estou feliz por ele, mas esperamos cortar a meta à sua frente, porque precisamos de pontos durante a corrida", disse.
O espanhol larga na quarta posição no GP da Áustria.