Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Massa revela desejo de abandonar

06 de Novembro, 2015

Felipe Massa afirmou que não teme pelo fim da sua carreira

Fotografia: AFP

Aos 34 anos, Felipe Massa é o terceiro piloto mais velho da Fórmula 1 em actividade, superado por Kimi Raikkonen, de 36, e Jenson Button, de 35. Assim como o finlandês e o britânico, o brasileiro sabe que está se aproximar do momento de parar na Fórmula 1 e colocou a próxima temporada como fundamental para o seu futuro.

Afinal, 2016 será o seu último ano do actual contrato com a Williams. E, se entender que não terá um carro competitivo depois disso, a sua escolha é clara.

"Ano que vem será o último do meu contrato, então acho que será a temporada mais importante para entender se eu continuarei ou não. Se eu tiver a chance de continuar numa equipa competitiva, eu fico. Caso contrário, eu paro", afirmou, ouvido pelo UOL Esporte.

"Vou ficar na F-1 se eu tiver uma equipe como a Williams, para quem eu estou muito feliz em pilotar e eles também estão felizes em me ter. Quando você ama trabalhar e se sente querido, é isso que dá motivação para continuar."

Falando sobre a dificuldade de entender qual o momento de parar, Massa afirmou que lidará bem com isso quando a hora chegar. "Não acredito que terei medo de parar, acho que vou ficar bem. Porque eu sei que todos terão de parar em algum momento - mas eu não acho que esse momento chegou ainda."

Hoje em dia, contudo, Massa sequer sabe como será a sua vida sem a Fórmula 1. "Nem sei se vou mudar de volta para o Brasil, se vou continuar em Mónaco. Amo Miami, então talvez vá morar lá. Tenho tempo para pensar. Perguntado se a Nascar seria uma possibilidade, Massa disse que não.  "Eles correm demais. Se eu corresse todo final de semana minha família me mataria".

NAKAJIMA CONSEGUE
VOLTA MAIS RÁPIDA

O japonês Satoru Nakajima cravou, debaixo de chuva no GP da Austrália de 1989, a única volta mais rápida da sua carreira de 74 largadas na F1. Foi há exactos 26 anos

Satoru Nakajima nunca venceu, nunca fez uma pole nem nunca foi ao pódio na F1. Foram 80 GPs e 74 largadas, cinco não-classificações e uma prova abandonada por motivo de doença.

Essa volta mais rápida foi cravada há exactos 26 anos, a 5 de Novembro de 1989, no GP da Austrália.

Na prova que encerrou a polémica temporada, um dilúvio encharcou o traçado urbano de Adelaide. A prova foi vencida pelo belga Thierry Boutsen, segundo triunfo do piloto na F1, e o pódio foi completado por Alessandro Nannini e Riccardo Patrese.

Nakajima largou em 23º depois de marcar um tempo de 1min20s066 na classificação, 3s401 mais lento que o pole-position Ayrton Senna, ex-companheiro de Lotus.

 Em meio à confusão e ao caos que se instaurou, o nipónico foi escalando o pelotão até chegar ao quarto lugar na hora da bandeirada, dada na 70ª volta, terminando assim o GP dentro do limite de tempo de duas horas. Foi a segunda e última vez que Nakajima concluiu uma prova em quarto lugar, seu melhor resultado na F1. A outra havia sido dois anos antes, na Inglaterra, em 1987, também com a Lotus.

 No caminho para este quarto lugar, Nakajima anotou contornou a 64ª volta em 1min38s480. A segunda volta mais rápida da prova foi de Patrese, 1min38s685.Satoru se mudou para a Tyrrell no ano seguinte e correu na F1 até o fim de 1991. O melhor resultado na nova casa foi o quinto lugar no GP dos EUA de 1991, em Phoenix.