Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mayweather vence Pacquiao aos pontos

04 de Maio, 2015

Mayweather vence Pacquiao aos pontos

Fotografia: AFP

Floyd Mayweather e Manny Pacquiao, estiveram finalmente no ringue de boxe, na madrugada de ontem, no MGM Hotel, em Las Vegas. Numa luta equilibrada, os dois pugilistas alternaram o domínio dos assaltos, mas o norte-americano levou à melhor aos pontos, segundo os juízes que lhe deram a vitória por unanimidade. Enquanto dois árbitros marcaram 116 x 112,  o terceiro anotou 118 x 110. Mas a decisão causou polémica.

Com a vitória do “Combate do Século”, Mayweather continua imbatível na carreira. O rei da ostentação tem o cartel de 48 lutas e 48 vitórias e mira o recorde de Rock Marciano, que deixou o boxe invicto após 49 combates. Agora, Manny Pacquiao tem um histórico de 57 vitórias, seis derrotas e dois empates.

Com a vitória, Floyd Mayweather detém três cinturões de campeão mundial. O de meio-médio da Organização Mundial de Boxe (que pertencia a Manny Pacquiao), o de meio-médio do Conselho Mundial de Boxe e o de médio-ligeiro da Associação Mundial de Boxe (que permanecem com Mayweather).

O “Combate do Século”, que circulou quase mil milhões de dólares e foi transmitida para 150 países, contou com a presença de celebridades de primeira linha. Michael Jordan, Andre Agassi, Mike Tyson, Denzel Washingotn, Justin Bieber, Evander Holyfield, Clint Eastwood e Beyoncé estiveram entre as figuras ilustres na plateia em Las Vegas. Além disso, Jamie Foxx interpretou o hino norte-americano antes do tão aguardado combate.

A SUPER LUTA
O combate começou como esperado, com Manny Pacquiao a tomar a iniciativa e Floyd Mayweather a procurar encaixar os contra-golpes. Mas houve pouco contacto entre os lutadores no primeiro round.

O segundo assalto já foi mais movimentado, com o filipino a acertar alguns golpes ao norte-americano. Pressionado por Manny Pacquiao na maior parte do round, Floyd Mayweather usou os jabs para manter a distância do oponente.

No round seguinte, foi Floyd Mayweather que voltou melhor. “The Money” acertou alguns socos em “PacMan”, que reclamou de golpe abaixo da cintura num deles.

No quarto assalto, a luta “acendeu” de vez. Manny Pacquiao acertou uma sequência impressionante de golpes em Floyd Mayweather, que segurou o rival mais de uma vez para conter o ímpeto do filipino. O norte-americano repetia a estratégia mais de uma vez durante a luta, pelo que chegou a ser vaiado.

O quinto round voltou com o norte-americano a impor-se mais no ringue. Mas a luta continuou  equilibrada. No assalto seguinte, Mayweather e Pacquiao chegaram a estranhar-se, com norte-americano a provocar o filipino, que encaixou bons golpes à meia altura, mas não conseguiu acertar em cheio no rival.

Até à metade do duelo, os dois pugilistas alternaram-se na superioridade: ora Pacquiao a encaixar o canhoto cortante, ora Mayweather a responder à altura nos contra-ataques.

Os sétimo e oitavo “rounds” repetiram o roteiro da primeira metade da luta. Um para Mayweather, outro para Pacquiao. Enquanto o norte-americano foi melhor pela maior envergadura, a soltar com facilidade os jabs de esquerda, o filipino voltou a repetir sequência veloz de golpes, a encurralar o rival no canto do ringue, mas já dava sinais de cansaço.

Nos assaltos finais, os dois pugilistas já não mostraram mais a mesma intensidade e começaram a guardar a posição no ringue. Tanto Mayweather como Pacquiao procuraram defender-se primeiro para depois tentar encaixar contra-golpes.

No penúltimo round, Mayweather foi levemente superior a Pacquiao, após acertar três bons golpes, que  deixou o ringue de braços levantados, a insinuar a vitória.

No assalto final, a tensão tomou conta da MGM Arena. Mas os dois pugilistas não conseguiram encaixar grandes golpes, que levou a luta para a decisão aos pontos.


MANY PACQUIAO
“Ele fugiu do combate”


Floyd Mayweather venceu Manny Pacquiao na decisão aos pontos, na madrugada de ontem, no MGM Hotel, em Las Vegas. Mas o filipino não concorda nem um pouco com o voto dos juízes.

“Foi uma boa luta. Acho que ganhei. Ele não fez nada. Só saiu, fugiu do combate. Atirei golpes desde o início. Só se mexia para os lados. Senti-me bem na luta, por isso, não ataquei tanto nos dois últimos rounds. O tamanho dele não me atrapalhou. Não é muito maior do que eu. Mas ganhei”, afirmou Manny Pacquiao.

Após garantir a invencibilidade na carreira, em que tem 48 lutas e 48 vitórias, Mayweather fugiu da polémica e preferiu agradecer o oponente.

“Quero agradecer a Deus e aos fãs que vieram a Las Vegas. Tiro o meu chapéu para o Manny Pacquiao. É um dos maiores da história do boxe. Não vou aqui dar palpites. Ele interessou-se mais pela luta, fez a luta inteligente. Não ia para cima até ter a certeza. Na curta distância, tirei os golpes e fui feliz em fazer essa luta. Calculei muito. Ele é muito duro”, disse Mayweather.

Após o "Combate do Século", astros do boxe e do MMA posicionaram-se publicamente a favor da vitória de Manny Pacquiao.

“Isso é uma loucura, não sei como diabos eles contaram isso. Manny Pacquiao fez uma grande luta, soltou muitos golpes e movimentou-se bastante. Manny controlou a luta”, comentou Evander Holyfield pelo do Twitter da ESPN.

“Ainda acho que Manny Pacquiao venceu”, escreveu no seu Twitter Cat Zingano, lutadores de MMA.

A polémica continuou nas redes sociais, com a maioria dos internautas a contestar a vitória de Floyd Mayweather. Apesar disso, a decisão dos juízes foi unânime a favor do norte-americano. Dois árbitros contaram 116 x 112 e o terceiro marcou 118 x 110 para o rei da ostentação.


 PERFIL
Lutador descoberto pela avó na infância


Floyd Mayweather Jr. nasceu com o nome Floyd Joy Sinclair, na cidade de Grand Rapids a 24 de Fevereiro de 1977. É pugilista norte-americano invicto, foi campeão mundial oito vezes, de super-pena a médio-ligeiro, e actualmente exibe cinturões nos meios-médios e médios-ligeiros.

Mayweather foi duas vezes nomeado pela revista Ring como Lutador do ano (1998 e 2007) e venceu o prémio ESPY Awards (Melhor lutador do ano) em 2007, 2008, 2010, 2012 e 2013. Floyd permanece com um cartel de 48 vitórias, nenhum empate e nenhuma derrota.

Floyd Mayweather é conhecido por “Money” por ser o atleta mais bem pago do mundo, de qualquer modalidade desportiva. É ainda considerado o melhor peso por peso do Mundo pela Ring Magazine, Sport Illustrated, ESPN, BoxRec, Fox Sports e Yahoo!Aports.

Floyd Mayweather Jr é filho do pugilista Floyd Mayweather e sobrinho do pugilista campeão do Mundo Roger “Black Mamba” Mayweather. Por conta da família, o boxe sempre fez parte da vida de Floyd. Desde criança, nunca pensou em ter outra profissão.

“A minha avó foi a primeira a ver o meu potencial. Quando era pequeno, disse-me para não arrumar outro emprego, continuar a lutar”, disse.

Apesar da família ser bem sucedida no desporto, Floyd viveu uma infância pobre e sofrida em Nova Jersey. Às vezes, não tinha electricidade e era comum encontrar viciados em heroína no seu quintal. Todo o tempo que passava com o pai, era na academia de boxe. Floyd diz que não se lembra de ir a outro lugar com o pai, senão na academia.

“Sempre pensei que gostava mais da minha meia-irmã do que de mim, porque nunca foi chicoteada e eu era chicoteado por ele toda hora”, revela.
O pai nega as acusações de bater no filho, mas assume ter vendido drogas para sustentá-lo. “Se não fosse por mim, não estaria onde está hoje”, assegura.

Floyd discorda do pai e argumenta que conseguiu tudo com os próprios braços.

“A minha mãe era viciada em crack. Meu pai foi para a prisão. Tudo o que precisava de fazer era lutar, ser mais forte. O meu pai foi para a prisão, quando eu tinha 16 anos. Então, estava sozinho. Quando voltou, eu já tinha 21 anos, com casa e carro. Já era um homem feito. Consegui isso aos 19 anos. Doeu quando foi para a prisão, porque não gosto de ver ninguém perder a liberdade. Mas fui muito mal tratado por ele. Quando era criança, tudo que eu fizesse,  batia-me de cinto ou com uma corda. Podemos nunca esquecer, mas podemos perdoar, foi o que eu fiz”.

O antigo apelido de Mayweather “Pretty Boy”, ou em português, “Homem Bonito”, foi dado pelos parceiros de boxe amador, pela ausência de cicatrizes no rosto de Floyd. As poucas marcas no rosto são reflexos da apuradíssima técnica defensiva ensinada pelo seu tio, Roger. Mayweather desenvolveu um estilo praticamente impenetrável no sistema defensivo baseado na rotação de ombro, a sua principal característica.


PERFIL
Político e cantor das Filipinas


Emmanuel “Manny” Dapidran Pacquiao nasceu em Kibawe a 17 de Dezembro de 1978. É um pugilista e político filipino. Foi o primeiro campeão mundial em oito categorias de peso diferentes e conquistou seis títulos mundiais. Também foi o primeiro a vencer o campeonato principal em quatro categorias de pesos diferentes, foi nomeado o lutador da década de 2000 pela Associação de Escritores de Boxe da América (BWAA). Ele inclusive foi três vezes lutador do ano pela The Ring e BWAA, ganhou o prémio em 2006, 2007 e 2009.

Manny é cristão fervoroso e é o atleta mais bem pago do mundo, por desempenho (ganha em torno de 25 milhões de dólares por luta, sendo duas por ano).

Actualmente, Pacquiao é o campeão mundial da WBO (super campeão). Também é avaliado como o segundo melhor lutador peso-por-peso no mundo pela maioria dos noticiários desportivos e sites de boxe, incluindo o The Ring, BoxRec.com, Sports Illustrated, ESPN, NBC Sports, entre outros.

Fora do boxe, Manny Pacquiao tem participado em actuações, gravações de música e política. Em Maio de 2010, Pacquiao foi eleito para a Casa dos Representantes no 15° Congresso das Filipinas, em representação da província de Sarangani.

O combate entre Mayweather e Pacquiao começou a ser fortemente demandada em 2009. Na ocasião, Floyd regressou de uma breve aposentação e derrotou Juan Manuel Márquez. Dois meses depois de Floyd bater Juan Manuel, Manny subiu para a mesma divisão dos meios-médios e derrotou Miguel Cotto. Quando esse cenário se deu, o público achou que o único adversário para Mayweather era Pacquiao – e vice-versa.

Em 2010, “as tentações e o não acordo da luta histórica” ganhou o “prémio” de evento do ano da revista Ring Magazine.

No dia 20 de Fevereiro de 2015, o confronto foi confirmado.