Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mclaren ambiciona a quarta posio

26 de Agosto, 2019

McLaren est entre as equipas mais tradicionais do campeonato de Frmula 1

Fotografia: AFP

A McLaren, tal como a Williams e a Ferrari, está entre as equipas mais tradicionais do campeonato de Fórmula 1. A escuderia continua a ser uma das mais icónicas da grelha, superada apenas pela grande Ferrari e a Williams em termos de títulos de equipas e atrás da Ferrari em termos de vitórias em corridas.
Os seus anteriores pilotos fazem parte de uma elite de campeões mundiais, incluindo os ingleses James Hunt, Nigel Mansell, Lewis Hamilton e Jeson Button, Niki Lauda (austríaco), o único que triunfou pela equipa e sua principal rival, a Ferrari, Alain Prost (francês),  Emerson Fittipaldi, Nelson Piquete e Ayrton Senna (brasileiros), Mika Hakkinen e Kimi Raikkonen (finlandeses) e Fernando Alonso (espanhol). James Hunt foi o primeiro campeão em 1976 e Lewis Hamilton o último (2008).
Em 1988 e 1989, a equipa de Woking teve como dupla Alain Prost e Ayrton Senna, que formaram a rivalidade mais amarga da história da Fórmula 1. Os grandes prémios do  Japão, em Suzuka foram os maiores palcos desta rivalidade.
Mesmo depois de Prost deixar a McLaren e rumar para a Ferrari, aquela dominou o final da década 80 e princípio de 90. Há mais de dez anos que a segunda não vence um campeonato tanto de equipa como de pilotos.
Em 2016, 2017 e 2018, a equipa foi um “desastre” e viveu um dos piores momentos da era do motor híbrido. O seu carro parecia de uma categoria inferior ao da Fórmula 1, o que levou Alonso a fazer duras críticas ao motor da Honda. As  trocas dos motores Mercedes para Honda, e de Honda para Renault pareciam” não estar a surtir efeitos. Mas em 2019, a saída de Alonso e Stoffel Vandoorne e a entrada de Carlos Sainz Jr e de Lando Norris marcaram o início de uma nova era, sendo a sua primeira temporada desde 2007 com uma dupla totalmente nova e de jovens. A escuderia entrou numa posição forte, tendo superado os desastres das temporadas anteriores.
Os resultados estão aí, subiu a fasquia e está a superar equipas como a Renault (de fábrica) e a Haas Racing que no último ano se qualificavam sempre à frente (da McLaren). Agora, a onda de superação da Mclaren está em alta com a nova dupla e não é por acaso que estenderam o contrato com Sainz e Norris até 2020.    
A equipa de Woking está a ter uma época muito melhor que as anteriores. Os seus dois pilotos, Norris e Sainz, não se estão a privar do equipamento e estão a espremer o máximo que podem o carro. A confiança melhorou substancialmente com a nova dupla. Sainz está a aumentar a sua maturidade e Norris é o mais destacado “caloiro” da presente temporada, à frente de Alex Albon, da Toro Rosso, e George Russel, da Williams. Estes últimos formam o trio que ocupou o primeiro, segundo e terceiro lugares do campeonato de Fórmula 2 de 2018, com Russel como campeão, Norris vice e Albon em terceiro.
Com a chegada do fim das férias de Verão, vamos ver como ficará a equipa até ao Grande Prémio de Abu Dahbi, já que além de ambicionar o quarto lugar, em termos de construtoras da temporada de 2019, ambiciona subir a fasquia em 2020 e lutar por poles, pódios e vitórias e reduzir a diferença em relação à Mercedes, à Ferrari e a Red Bull e, quem sabe, lutar pelo título mundial.