Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mclaren muda nome do carro

05 de Fevereiro, 2017

A mudança tem uma representação muito simbólica

Fotografia: AFP

O tradicional MP4 não vai ser mais o nome dos carros da McLaren. Depois de 36 anos de tradição, a construtura inglesa anunciou na sexta-feira, a mudança da nomeação do chassis, que passa a chamar-se MCL32.

A mudança tem uma representação muito simbólica, devido à saída de Ron Dennis do comando da equipa. Logo que se tornou director da McLaren, em 1981, o dirigente britânico foi o responsável por nomear o carro de Malrboro Project Four, que foi utilizado até o ano passado, na sua versão MP4-31.

O primeiro carro a ter o nome dado por Dennis foi o MP4 de John Watson, e teve a sua estreia no Grande Prémio da Argentina. Naquela temporada, o brasileiro Nelson Piquet, da Brabham de Bernie Ecclestone, foi o campeão mundial e Watson terminou o ano na sexta posição.

Além da mudança do nome, a McLaren confirmou alterações na coloração do carro. Sem a divulgação oficial, porém, é esperado que a equipa volte a adoptar a tradicional combinação vermelho e branca.

Por seu turno, o chefe da Mercedes, Toto Wolff, acredita que excluir Bernie Ecclestone, ex-chefe da Fórmula 1, do futuro da categoria era um grande erro. Após a compra da F1 feita pelo grupo norte-americano Liberty Media, Chase Carey, Ross Brawn e Sean Bratches assumiram o lugar do britânico, e vão ser os responsáveis por comandar o futuro da principal atracção do automobilismo mundial.

“Há o risco de que muito conhecimento seja perdido. Bernie desenvolveu a categoria e a transformou numa das maiores companhias do desporto do mundo, nos últimos 40 anos. Ele fez negócios incríveis, temos longos contratos de TV, e conseguimos grande alcance porque aparecemos em TV aberta. Fazer parte disso não é fácil, porque muito do que existe hoje, foi construído através das relações pessoais que Bernie possui”, disse o austríaco. Actual tricampeão da Fórmula 1 com a Mercedes, Toto Wolff, no entanto, reconhece que a Fórmula 1 precisa de mudanças. O grande domínio da equipa alemã nas últimas temporadas gerou insatisfação dos concorrentes, e também do público, que passou a acompanhar disputas previsíveis.

“Em contrapartida, há uma série de pontos que precisamos de melhorar. Nós não temos o suficiente nas médias digitais. Isso, é algo que ainda não foi monetizado, mas como uma ferramenta de marketing é de imensa importância atrair o público alvo”, completou Wolff.


Filipe Massa experimenta
novo carro


Felipe Massa estava prestes a rumar para uma outra categoria de automobilismo, quando Nico Rosberg anunciou  a aposentação, após ser campeão mundial, abriu uma nova vaga na Fórmula 1. A precisar de um novo piloto, a Mercedes optou por contratar Valtteri Bottas, ex-companheiro de Massa, na Williams, e com isso, a ex -equipa do brasileiro decidiu trazê-lo de volta à F1.

Apesar de ter assegurada a permanência na Fórmula 1 em 2017,  Felipe Massa decidiu testar um carro de Fórmula E, que funciona à base de energia elétrica. Indo para a sua 16ª temporada na principal categoria do automobilismo mundial, o brasileiro descreveu as suas primeiras impressões a guiar um carro “completamente diferente”.

“Gostava de agradecer à Jaguar, pela oportunidade. Foi bom experimentar um carro de Fórmula E, o que é algo completamente diferente de qualquer outra coisa que dirigí. A diferença de motor, travões, pneus e estabilidade exige que se pilote de maneira diferente. Estou feliz com a experiência, e com o que aprendi, sobretudo,", comentou.

Aos 35 anos, Massa pode servir como tutor do seu companheiro da Williams, o canadiano Lance Stroll, de 18 anos. Filho de um bilionário, o piloto foi campeão da Fórmula 3 europeia, e agora, chega à equipa britânica na tentativa de firmar-se na Fórmula 1.

A nova temporada da Fórmula 1 começa no dia 26 de Março, quando acontece o Grande Prémio da Austrália, em Melbourne.