Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Meias-finais "arrancam" amanhã

JUSCELINO DA SILVA - 14 de Maio, 2018

Vice-presidente enaltece qualidades do ex-treinador

Fotografia: Jornal dos Desportos

Quais foram as razões que levaram o treinador Manuel Sousa \"Necas\" a pedir a demissão? Houve interferência no seu trabalho?
Não creio que seja por interferência. Demos as condições de trabalho ao treinador e nunca interferimos no seu trabalho. Simplesmente, o treinador apresentou uma carta a dizer que o seu ciclo no clube tinha terminado na gestão dos destinos da equipa técnica e não só, mesmo a nível do clube, na generalidade. Não tivemos outra alternativa, senão arranjar outra equipa técnica. O treinador Hélder Domingos vai ficar no destino da equipa até o final da época. O campeonato está no fim e não podíamos fazer grandes alterações. Ainda assim, aproveitamos a presença do professor Alberto Babo para integrar a equipa técnica, dada à sua experiência.

Está descartado o regresso do professor Alberto Babo no comando principal da equipa?
Não temos qualquer hipótese do professor Babo regressar à equipa principal, quer agora quer depois. O treinador é mais útil como director técnico e coordenador de todo o basquetebol do Interclube, do que treinador principal da nossa equipa.

Com esta saída, o treinador Necas rompe na totalidade o seu vínculo com o clube ou a direcção pondera colocá-lo na outra área, tendo em conta o longo tempo ligado à agremiação?
Gostaríamos de tê-lo no clube. Já esteve na equipa principal, duas ou três vezes, e noutros escalões do nosso clube. Foi campeão africano com a nossa equipa feminina. Tem estado com a nossa equipa de júnior. Infelizmente, no seu pedido, pede a desvinculação total do clube. Só ele sabe as razões que lhe levaram a tomar essa decisão. Enquanto gestores, não tivemos outra solução a não ser atender ao seu pedido. As razões só ele conhece.

A direcção não suspeita de alguma coisa?
Notamos algumas imprecisões na carta que nos foi remetida, embora muito vagamente nos tenha dado indicadores de algumas coisas que lhe deixavam intranquilo enquanto treinador da nossa equipa. Preferimos apegar-nos aos aspectos positivos. Saiu do clube porque quis. Só temos de respeitar a sua decisão.

Os ordenados e os prémios de jogos do treinador estão todos em dia?
Sim, estão todos em dia. Temos apenas um prémio de jogo por pagar e o salário do mês corrente. Felizmente, não temos dívidas de salários com ninguém.

Que implicações tem a saída de Manuel Sousa nos objectivos do Interclube nessa recta final do campeonato?   
Os nossos objectivos continuam intactos. Temos um projecto. Os projectos são dirigidos por qualquer pessoa, tanto podia ser o professor Necas, Babo e, agora, Hélder Domingos. A postura de cada treinador é que leva o projecto a bom porto ou não.  Isso só podemos aferir no final do campeonato.

Qual é o orçamento do basquetebol?
Os nossos orçamentos são os razoáveis possíveis. Procuramos não exceder muito os salários e, fundamentalmente, as luvas. Por isso, podemos considerá-los razoáveis. É verdade que não pagamos muito em relação aos três primeiros clubes do país, mas pagamos melhor do que os que vem atrás de nós.

O Interclube tem os salários mais estáveis do mercado?
Penso que sim. Não entramos em euforia. O Interclube, mesmo a contratar jogadores estrangeiros, não entra em euforias. Pagamos sempre de acordo com os nossos orçamentos. Não vamos à conquista de títulos a qualquer preço. Entendemos que, para alem do basquetebol, temos outras modalidades. O pouco recurso à nossa disposição tem de ser gerido de consciência dentro das regras e normas e em respeito sempre dos limites da nossa própria publicidade. Não gostaríamos de ver o atleta trabalhar, chegar no final do mês e não receber o seu ordenado; ou chegar no final da época e o clube dever-lhe dez meses de atraso por não tiver a capacidade financeira. O Interclube não promete o que não pode pagar.

Qual é a situação actual do internacional angolano Fidel Cabita?
O atleta alegou que esteve lesionado, foi submetido a alguns exames e foi a África do Sul, onde foi operado. Voltou ao país, fez a recuperação e realizou alguns jogos. Foi convocado para a selecção nacional e afastado na última triagem. Apresentou-se ao clube e invocou que estava doente até agora. Portanto, está em fim de contrato. Em Junho, termina o contrato e não vamos renovar. Na conversa mantida com o atleta, mostrou-se indisponível para continuar na nossa agremiação. Nesse momento, temos um compromisso moral de ir até ao final do campeonato. Vamos pagar todos os seus salários e desejar boa sorte na carreira do Fidel Cabita.

Além de Fidel Cabita, vai haver outras saídas de atletas do plantel?
Vamos mantê-los. A maioria dos contratos terminam em 2019 e outros em 2020. Por isso, não temos nenhum jogador, que interessa ao clube, com o contrato até o final da presente época.

O treinador Carlos Diniz fez duras críticas ao recinto do Interclube, em relação à qualidade do pavilhão dos Bombeiros por causa das cabeceiras da tabela que limitam os jogadores no ponto de vista do treinador. O que tem a dizer?
Cada pessoa tem o direito de dizer o que lhe vem à cabeça e na alma. O professor Carlos Diniz não é um especialista nem tem a competência de avaliar se o campo tem ou não requisitos apropriados para a prática de basquetebol. No caso dos campos oficiais sob a égide da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), compete a essa instituição dizer quais são os campos habilitados para a prática de desporto no início de cada época. E tem mais. Se a Federação quiser ser rigorosa em termos de avaliações de campos, só vamos ter dois campos para a prática de basquetebol: os pavilhões do Kilamba e a Cidadela Desportiva. O pavilhão do Rio Seco (Victorino Cunha) não oferece as condições para a prática de basquetebol. Carlos Diniz é um mau perdedor. Esta época, ganhámos três vezes ao ASA no Arena do Kilamba.

EM FEMININO
“Temos uma formação
de qualidade elevada”


Qual é a real situação do plantel feminino?
O plantel está quase fechado. Já contamos com a integração da Nadir Manuel há mais de dois meses. Teve a licença de maternidade. Nesse momento, faz trabalho de recuperação física com um preparador físico contratado pelo clube. O treinador Apolinário Paquete vai lançar-lhe, agora, para fazer alguns jogos no \'provincial\' de Luanda. A intenção é observar a reacção. Queremos que apareça bem no \'nacional\' ou na fase de grupo da Liga dos Clubes Campeões, a principal aposta do clube. Perdemos a Taça de Clubes no ano passado e tudo faremos para resgatá-la.

Quais são as principais contratações?
Já temos o contrato fechado com a internacional congolesa, a extremo-poste Poly Pongó. Nesse momento está em França a jogar os play-off  com a sua equipa. Temos também fechado o contrato com a Robyn Paque, que já esteve connosco, e a internacional angolana Italee Lucas. Estamos a montar um grupo forte de forma a resgatar todos os troféus perdidos na época passada.

Para quando a integração das atletas que actuam no estrangeiro?
Em princípio, têm a chegada prevista para o final do mês corrente. A Supertaça feminina acontece no dia 15 de Junho e o campeonato nacional começa a 22 do mesmo mês com um novo modelo.

Falou em novo modelo. Há muitos custos para o clube?
A Federação vai ensaiar o novo modelo e vamos ver se haverá a capacidade financeira para suportá-lo. O Interclube está a equacioná-lo. Temos três equipas. Além do Interclube-A, temos o Interclube-B e o Inter de Benguela. Quanto à equipa das acácias rubras, a FAB prontificou em custear as despesas das viagens, alimentação e hospedagem.  Vamos ver até onde se cumpre o compromisso.

A formação é a base de qualquer clube. Como está o Interclube?
A nossa formação é das melhores do país. Temos uma formação de qualidade elevada, não só na equipa principal, mas também nos nossos núcleos espalhados na capital do país. Se forem ao município de Viana, vão encontrar núcleos de iniciados e cadetes; no distrito do Rangel, temos núcleos. É só verem nas participações dos campeonatos nacionais. O Interclube é sempre das melhores equipas de formação. Por essa razão, vem troféus à nossa galeria todos os anos, quer em Luanda quer em Benguela.

Há acompanhamento dos núcleos?
Sou o coordenador directo dos núcleos espalhados pelo país. Já abrimos um novo núcleo para o basquetebol feminino na província da Huíla. A nossa estratégia é ter basquetebol feminino nas províncias. Na actual crise financeira, mesmo com poucos recursos, conseguimos abrir núcleos para basquetebol feminino ao contrário daqueles com muitos recursos que nós.

PAVILHÂO
Interclube abandona Arena do Kilamba

A direcção do Interclube decidiu retirar a equipa sénior masculina do pavilhão multiusos do Kilamba. A informação é do vice-presidente para o basquetebol, Miguel António Camulogi, quando falava em conferência de imprensa na sede do clube. O vice-presidente para o basquetebol da equipa adstrita à Polícia Nacional disse que, no princípio, o Interclube aceitou o convite da Federação Angolana de Basquetebol em jogar no Arena, de forma a servir de balão de ensaio para as outras edições do campeonato nacional. Após mais de três meses, feitas as contas, o Interclube não ganha nada. As receitas esperadas estão a redundar em perdas. \"Pelo contrário, a equipa só gasta. Não vou cobrar vinte pessoas para ver jogos. Aliás, nunca tivemos cem ou mais pessoas a verem os jogos do Interclube, mesmo a defrontar o Petro de Luanda ou 1º de Agosto\", justificou. Miguel António Camulogi sustentou que \"o Arena do Kilamba está sempre sem público e distante dos principais centros urbanos ligados ao basquetebol\". Outras grandes questões \"são a segurança, a hora do fim dos jogos e a falta de transportes públicos\". \"Nós, Interclube, estamos a perder dinheiro. No Arena do Kilamba não há bilheteira. No nosso campo, conseguimos fazer algum valor. Por essa razão, vamos realizar a nossa fase final do campeonato nacional no nosso pavilhão\", disse.
JDAS

SUB-16
Petro de Luanda conquista
torneio de abertura 2018

O Petro de Luanda conquistou o torneio de abertura da categoria Sub-16. No evento sob a égide da Associação Provincial de Basquetebol, os petrolíferos derrotaram na final o 1º de Agosto por 54-50 no campo do Eixo viário. A final foi assistida por um número considerável de espectadores. O Petro de Luanda e o 1º de Agosto chegaram à final, depois de liderarem as suas séries na fase inicial da competição. Os petrolíferos defrontaram no grupo A o ASA, Interclube-B, Desportivo da Banca e Vila Clotilde. Na série B, o 1º de Agosto jogou com Interclube-A, Ferroviário de Luanda, Escola de Kilamba, Formigas do Cazenga, Sport Libolo e Benfica e Progresso Sambizanga. O torneio foi disputado no sistema de todos contra todos a três voltas e apurou as duas primeiras equipas de cada série que jogaram as meias-finais. Na série A, o Petro de Luanda ocupou a primeira posição com 10 pontos, seguido do Ferroviário de Luanda (8). Na série B, o 1º de Agosto ocupou a primeira posição com oito pontos, seguido do Desportivo da Banca (5).                    

BASQUETEBOL
Libolo e ASA avançam
para as meias-finais


As vitórias do Atlético Sport Aviação sobre o Interclube por 95-88 e do Sport Libolo e Benfica sobre a Marinha de Guerra por 96-70 foram os destaques dos quartos-de-final da Unitel Basket 2017-2018. As duas equipas recorreram à negra para avançarem às meias-finais. Os jogos foram disputados no sistema de play-off a melhor de três. Os aviadores foram superiores no segundo e terceiro jogos realizado nos pavilhões do Kilamba e Bombeiros. Ganhou por 75-50 e 95-88. Os polícias venceram o primeiro jogo por 94-86 nos Bombeiros. Noutra eliminatória, o Sport Libolo e Benfica superou a Marinha de Guerra por 96-70, no terceiro jogo disputado no pavilhão Dream Space, em Viana. Os rapazes de Raul Duarte venceram os marinheiros no primeiro jogo por  110-94 e perderam na casa dos marinheiros por 97-84. No último sábado, o benfiquistas vergaram os pupilos de Walter Costa por 96-70 e garantiram a passagem para as meias-finais do Unitel-Basket. Com o triunfo, o ASA vai disputar a meia-final, a melhor de cinco partidas,  com o 1º de Agosto, que deixou pelo caminho a Academia Helmarc.  O Sport Libolo e Benfica mede forças com Petro de Luanda, que eliminou a Universidade Lusíada. As partidas estão agendadas para o dia 16 do corrente.   
JDAS