Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mercedes está "de mente aberta"

14 de Junho, 2015

Fotografia: AFP

No entanto, a aalemã alertou que o aumento na potência dos propulsores implicará em um severo aumento dos custos para as equipas.
Ferrari, Renault, fornecedora da Red Bull e Toro Rosso, e Honda, parceira da McLaren, já demonstraram serem favoráveis ao desenvolvimento das unidades de potência e ao regresso dos barulhentos propulsores V8.

Inclusive, Christian Horner, chefe da equipe austríaca, avisou que a fabricante francesa poder deixar a categoria caso o regulamento se mantenha no actual formato.

Director de corridas da McLaren, Eric Boullier declarou ter conversado com o chefe da Mercedes, Toto Wolff, e o presidente não-executivo, Niki Lauda, e que ambos estariam dispostos a ouvir as reivindicações das outras equipas.

"Nós estamos de mente aberta sobre a situação", indicou Wolff ao site inglês Autosport. "Entendemos que a Renault e a Honda estão numa posição difícil. As discussões devem ser realizadas", acrescentou.

Na última temporada, Ferrari e Renault buscaram a mudança, que já encontrava a resistência da Mercedes. A pressão resultou na liberação para o desenvolvimento dos motores para este ano, mas com a proibição para 2016. Agora, as unidades de potência devem ser homologadas até o dia 28 de Fevereiro do ano que vem.

Para que aconteça a abertura da regra dos motores, a Mercedes tem que concordar com a ideia, já que a alteração no regulamento precisa da aprovação unânime das equipas participantes do Mundial de Fórmula 1.

O problema é que a equipa alemã teme um elevado aumento de custos como consequência da nova legislação.

"A redução de custos é um tema quente no momento e na temporada de desenvolvimento, provavelmente, represente dois dígitos de milhões de (euros) custo adicional", explicou o chefe da equipa que domina o actual cenário da principal categoria do automobilismo.