Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mercedes W07 "amedronta" em Barcelona

02 de Março, 2016

Vice -campeão liderou ontem a sessão da manhã em Espanha

Fotografia: AFP

A Mercedes está a muitos passos à frente da Ferrari ou de qualquer outra equipa na F1. Ontem, na abertura da segunda sessão de testes em Barcelona, além de ser infalível o novo W07 Hybrid, mostrou ser também imbatível em tempos de voltas.

Nico Rosberg anotou 1min23s022 com pneus macios, na primeira volta do novo carro prateado com os compostos "amarelos". A marca foi apenas 0s2 mais lenta que a estabelecida por Sebastian Vettel na semana passada, no mesmo circuito: 1min22s810.

O piloto da Ferrari alcançou o tempo com os pneus mais rápidos da F1, os ultra-macios. Na sessão matinal, Nico Rosberg completou 70 voltas, número que vai além da distância de um Grande Prémio de Espanha, que ronda 66 voltas. Para assustar os adversários, o W07 não apresentou qualquer problema.

TESTES DO DIA
Tudo começou com os 11 pilotos escalados em pista. Rio Haryanto foi o único que estava nas boxes a trabalhar com os engenheiros no novo MRT05 da Manor. Alonso cumpriu o cronograma estabelecido pela McLaren e alcançava tempos competitivos com pneus médios. Nico Rosberg seguia-o e acumulava quilometragem com o novo e extremamente confiável Mercedes. Em duas horas de sessão, Rosberg cravou 1min25s449 e subiu para o primeiro lugar da tabela.

Minutos depois foi a vez da Ferrari colocar-se na liderança de tempos, à semelhança da primeira série de testes colectivos na semana passada, quando Kimi Raikkonen cravou 1min24s907 com pneus médios. A Red Bull teve uma manhã ruim. Daniil Kvyat enfrentou problemas e quando restavam 50 minutos para o fim do primeiro período, tinha completado 22 voltas.

O piloto da Mercedes já acumulava 66 voltas, distância equivalente ao GP de Espanha. Com pneus macios, numa dessas voltas, Nico baixou o tempo para 1min23s022 na primeira volta. O tempo mostra a superioridade da Mercedes perante as rivais no início da época.

A título de comparação ainda que rasa, a marca de Rosberg era 2s4 mais rápida que a de Alonso, que anotou o melhor tempo também com pneus macios. No entanto, existe outro factor a ter em conta, que diz respeito ao nível de combustível usado por cada piloto ao longo da sessão.

Alonso era o quinto na tabela de tempos, atrás de Rosberg, Raikkonen, Valtteri Bottas, com uma Williams em aparente boa forma, e Verstappen desta vez com o Toro Rosso STR11 devidamente ‘vestido’. Na primeira vez do C35, Nasr completou apenas 32 voltas para avaliar as primeiras impressões do novo carro.