Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Motores voltam a roncar em Mnaco

Altino Vieira Dias - 25 de Maio, 2019

Depois das vitrias nas anteriores corridas Mercedes vai com todas as armas carregadas para o GP de Mnaco

Fotografia: AFP

As Flechas de Prata vão para o Mónaco em “rios de lágrimas”. A morte do lendário piloto austríaco Niki Lauda ainda está bem patente na memória de todos os elementos da equipa. O austríaco ocupava o cargo de “chefão” da Mercedes, afinal o encómio e as homenagens feitos pelos pilotos e equipas de Fórmula 1 são merecidos, já que Monte Carlo terá ausência do vencedor das corridas de 1975 e 1976.

Niki Lauda foi campeão de 1075, 1977 e 1984 e  é único piloto que conseguiu vencer campeonatos nas equipas mais tradicionais da Fórmula 1, a Ferrari (1975 e 1976) e a McLaren (1984). Este austríaco é considerado por muitos como o melhor piloto da década 70, reconhecido no universo do automobilismo, seja pelo seu talento excepcional como piloto, seja pela sua determinação como entendedor de matéria de Fórmula 1. Lauda é um mito do automobilismo mundial. Ele tem uma historia de sucessos que incluem 25 vitórias, 24 poles e 52 pódios. Teve colegas e adversários muito competitivos, entre eles Clay Regazzoni, Alain Prost e James Hunt.  

Depois de Espanha, o ruído dos motores voltam à ribalta no Mónaco. Monte Carlo é considerado um dos circuitos mais tradicionais, mais difíceis de pilotar, com maior “glamour” e um dos com maior audiência na grelha do campeonato de Fórmula 1. É  paixão, classe, proezas atléticas e estimula grandeza. Daniel Ricciardo, ao volante de um Red Bull Renault, em 2018, venceu o último GP de Mónaco, mas o  maior vencedor deste GP foi o piloto Ayrton Senna, com seis vitórias  1987,1989, 1990, 1991, 1992 e 1993 todas pela McLaren.

A Mercedes vai com todas as armas carregadas para o GP de Mónaco. Não foi por acaso que dominaram os treinos livres de sexta-feira, dando mais um indicador de que podem somar a sexta vitória consecutiva do campeonato ou a sexta dobradinha consecutiva. Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, da Mercedes, foram os grandes protagonistas dos treinos livres, não dando nenhuma hipótese aos pilotos da Ferrari (Sebastian Vettel e Charles Leclerc), nem aos da Red Bull Racing Honda (Max Verstappen e Pierre Gasly).   

Ainda não se sabe quem será o vencedor do Grande Prémio de Mónaco, mas tudo volta a indicar que poderemos ter uma corrida como a realizada nas ruas de Baku, no Azerbaijão, devido às características similares dos dois. Ambos, são circuitos citadinos e muito propensos a acidentes e  inúmeras entradas de “Safety Car”.Domingo, todos os olhos estarão fixados bem de fronte às telas à espera de que o Grande Prémio seja bem competitivo e emocionante de lutas acirradas entre os pilotos e as equipas, embora se saiba que as ultrapassagens em Monte Carlo são difíceis mas não impossíveis. Então, a ver vamos...