Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Motores voltam a roncar em Monza

Altino Vieira Dias - 01 de Setembro, 2018

Vettel o principal candidato vitria apesar de a equipa da Mercedes ter vencido os ltimos Grandes Prmios de Monza

Fotografia: AFP

Depois do Grande Prémio da Bélgica realizado no Circuito de “Spa”, os motores voltam a roncar na Itália, no circuito de Monza. Em “Spa”, Lewis Hamilton mostrou mais uma vez porque é um dos fãs de ‘rei do piso molhado’, Ayrton Senna, e arrancou a posição da \"pole\", que parecia estar nas mãos dos pilotos da Ferrari, Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen, dando-lhes uma aula magna de como se conquista em piso com água.
Alguns amantes da Fórmula 1 alegam que “a chuva é o que separa os meninos dos adultos” e parece que el niño Vettel não sabe nadar em ondas gigantes. Mas  os Ferraris conseguiram dar a volta por cima com a tão esperada vitória de Vettel, seguindo-se-lhe Hamilton e Verstappen
Monza é sinónimo de bom gosto, paixão, classe, proezas automobilísticas, acção etc, etc. É o mais emocionante e um dos mais rápidos circuitos, o mais espectacular, o mais electrizante. Esta é a corrida de casa para os Ferraris.
É muito especial quando você assiste ao vivo ou na televisão a passagem de um Ferrari na frente das arquibancadas e ter toda a torcida em pé, agitando as bandeiras vermelhas e pulando. Isto faz sentir a diferença de outros grandes prémios.
O circuito de Monza estimula grandeza e é sem sombra de dúvidas  a catedral do automobilismo. A diferença do Grande Prémio de Monza e a das corridas de Moto GP é que o delírio dos fãs de Valentino Rossi é em todos os grandes prémios; já Monza, é um ambiente único ao longo do campeonato de Fórmula 1.
Monza já viu três pilotos da casa a vencer o seu Grande Prémio: Giuseppe Farina, Alberto Ascari e Ludovico Scarfiotti. Contudo, o maior vencedor deste circuito é o alemão Michael Schumacher com 5 vitórias pela equipa Ferrari.
Os ‘tiffosis’ continuam com sentimento nostálgico dos bons tempos que viveram com o piloto alemão. De realçar, que o estado de saúde de \'Schumi\', de 49 anos de idade, 7 vezes campeão, continua a ser uma grande incógnita, desde o maldito acidente nos Alpes franceses em 2013, que lhe tirou a mobilidade.
Vários pilotos já venceram o Grande Premio de Monza com motores e equipas diferentes, entre eles estão o inglês Stirling Moss, (pelas equipas Vanwall, Cooper Clímax e Maserati), o brasileiro Nelson Piquet (Williams Honda, Brabham BMW e Brabham Ford), o francês Alain Prost (Renault, McLaren Tag e McLaren Honda), o alemão  Sebastian Vettel (Toro Rosso e Red Bull).
Este último poderá conseguir o feito de Stirling Moss, que é nada mais nada menos que o único piloto a ter conseguido vencer três corridas em equipas diferentes.
No ano passado, Vettel fez uma brincadeira com Hamilton, alegando que a Ferrari estava mais próxima da Mercedes e que ele não se importava se o inglês fosse ou não ao pódio, desde que a dobradinha fosse da Ferrari, porque isto era um sonho da equipa.
Mas no final da corrida, só ficou mesmo pelo sonho, pois Hamilton venceu-a para tristeza dos ‘tiffosis’. Mas, hoje por hoje, este sonho poderá tornar-se realidade. Não de uma dobradinha, mas sim de uma vitória de um dos Ferraris.
No entnato, velocidade de ponta e capacidade não lhes falta. A última vitória de um piloto da Ferrari foi em 2010 com o espanhol Fernando Alonso. Este, que irá arrumar o capacete com o fim da temporada no Grande Prémio de Abu Dhabi no circuito de Yas Marina, no dia 25 de Novembro de 2018.
Vettel é o principal candidato à vitória. Mas, não nos podemos esquecer que a Mercedes é a equipa que venceu os últimos Grandes Prémios de Monza e que Hamilton é o piloto no activo com mais vitórias e deseja igualar Schumi com 5 vitórias. De realçar que, nos últimos anos, Monza teve a seguinte ordem de vitórias: Michael Schumacher 2006; Fernando Alonso 2007 e 2010; Sebastian Vettel 2008, 2011 e 2013; Rubens Barrichello 2009; Lewis Hamilton 2012, 2014 e 2015 e Nico  Rosberg 2016 O desejo de qualquer ferrarista, é ver sempre os “vermelhinhos rampantes” nos lugares mais altos do pódio. Então, no domingo, vamos assistir o Grande Prémio de Itália, que se disputa em Monza, localizado no norte de Milão. Com 53 voltas, 11 voltas, um percurso de 5,793 km e zonas de DRS, os amantes do mundo da auto-velocidade nas pistas terão  a oportunidade de ver lutas acirradas, entre os pilotos da grelha e mudanças de lugar no fecho da corrida, que se disputará à luz do dia.
Há perspectivas de uma prova renhida, já que Monza é dos circuitos mais rápidos da Fórmula 1 e que permite ultrapassagens, o que em teoria dá vantagem à Ferrari, que é a equipa com mais vitórias no circuito.