Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Muachissengue aponta solues

21 de Janeiro, 2019

Fotografia: Edies Novembro

O capitão da Selecção Nacional de andebol, Giovani Muachissengue, defende oportunidades para mais jogos internacionais, como forma de Angola encarar com mais optimismo a participação em provas mundiais. Promete trabalhar para merecer confiança do treinador, em outras ocasiões,  refere que o país tem jovens jogadores talentosos que podem elevar o andebol masculino angolano a outro nível. Após à quarta participação no Campeonato do Mundo, o jogador do 1º de Agosto refere que a prestação foi negativa, mas serviu para o aprendizado.

A Selecção Nacional cumpriu o último jogo do Campeonato Mundial. Que ilações tira desta presença angolana na prova?

Giovani Muachissengue - \"Bem, o balanço é sempre negativo, porque não concretizamos as nossa ambições, o mais importante foi termos jogado com selecções  boas, para podermos conhecer as nossas debilidades\".

Então não foi tudo negativo…

GM- \"Se olharmos para a nossa realidade, nosso campeonato, há algo positivo, não foi tudo mau. Realmente, aprendemos mais com os outros e acho, que a nossa  selecção precisa de mais jogos do género, só assim, chegamos ao nível dos outros\".

Fazem falta também a participação em competições de nível intermédio. Contribuiriam com algo as provas africanas de clubes?

GM- \"Sim, aumentaria sempre o nível das equipas Angolanas. Para competirmos com os grandes da Europa, temos de passar primeiro, pelas equipas africana do alto nível, sem sobra de dúvidas e há muito tempo que nenhuma equipa angolana marca presença nestas provas\".

O aumento do número de jogos para a nossa selecção, é então, a chave para mudar este quadro de resultados internacionais?

GM- \"Claro, olha a nossa selecção precisa de mais jogos competitivos de grandes selecções e equipas. Só assim, vamos melhorar os níveis de qualidade e jogar de igual para igual. Deixa-me  dizer, que no nosso estágio na Polónia fizemos 3 jogos de controlo, que é pouco para as nossas ambições. Acho, que devemos participar em mais torneios amigáveis, sei lá, criar algo com esta selecção para que  possa crescer. Temos muitos jogadores jovens e talentosos que garantem esse crescimento\".

Completa a quarta participação no mundial, 35 ano de idade, cerca de 15 anos de carreira, ao mais alto nível, que futuro. Pensa abandonar a selecção?
GM- \"Bem o futuro a Deus pertence… Não pretendo abandonar  tão cedo, se o treinador seleccionar-me, nas próxima ocasião, eu venho. Se não, ok, o caminho é para frente\".