Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Muandumba elogia hegemonia

01 de Novembro, 2015

O governante referiu que tal título obriga os clubes a trabalharem cada vez mais de forma organizada e profissional para que o domínio se mantenha em África

Fotografia: Paulo Mulaza

O ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, elogiou sexta-feira última, a forma como o andebol feminino a nível de clubes tem conquistado cada vez mais o seu espaço no continente africano.

Em declarações ao canal desportivo da Rádio Nacional de Angola (Rádio 5), no final da partida que consagrou o 1º de Agosto como campeão africano de clubes ao vencer na final o Petro de Luanda, por 23-21, em prova disputada em Nador, Marrocos, Gonçalves Muandumba parabenizou as duas equipas angolanas por terem chegado à final mais uma vez, o que vem mostrar o investimento que tem sido feito pelos mesmos, sobretudo no sector feminino.

" Estamos todos de parabéns por mais uma vez Angola estar no grande palco dos clubes e jogar a final, isso é motivo de orgulho. O andebol feminino mais uma vez mostrou a sua evolução no continente africano, mostra que o desporto angolano está em pé", afirmou.

O governante referiu que tal título obriga os clubes a trabalharem cada vez mais de forma organizada e profissional, no sentido de se criar a cultura de vitória em todos os escalões.

O Petro de Luanda, em 37 edições, conquistou 19, enquanto as " militares" do 1º de Agosto levam para casa o segundo troféu consecutivo da taça dos clubes campeões.

Contrariamente às edições anteriores, este ano esteve ausente o Progresso do Sambizanga, que não se inscreveu na prova continental.

MINISTRO DA DEFESA
FELICITA 1º DE AGOSTO

o ministro da Defesa Nacional, General João Lourenço, felicitou sexta-feira, o Clube Desportivo 1º de Agosto, pela conquista da 37ª  edição da Taça de África dos Clubes Campeões Africanos de Andebol, prova disputada na cidade de Nador, Marrocos. Para o Ministro “a conquista do bi-campeonato africano pelas bravas guerreiras só foi possível porque as mesmas mostraram-se intensamente zelosas das suas responsabilidades, numa perfeita simbiose de firmeza de propósito e nobreza de carácter”.

“Trata-se de uma vitória de todos os nossos associados e aficionados que acompanharam com fé inabalável a competição, para que esta conquista fosse um facto, o que nos enche a alma de indizível alegria”, referiu o ministro João Lourenço.