Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Muandumba exalta nvel de organizao

Rosa Napoleo - 23 de Março, 2015

Gonalves Muandumba felicitou as atletas e a equipa tcnica pela tenacidade e bravura diante da Tunsia

Fotografia: M. Machangongo

O empenho da Federação Angolana de Andebol, na mobilização do torneio pré-olímpico, que qualificou o país pela sexta vez aos Jogos Olímpicos, desta vez do Rio de Janeiro em 2016, suscitou elogios da parte do ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba. Em declarações a imprensa no final do jogo decisivo, entre Angola e a Tunísia, Gonçalves Muandumba disse que tudo correu bem, resultado da diligência da Federação que conseguiu fazer uma boa organização em tempo de contenção.

“No ano em que nos deparamos com a necessidade de conter os gastos, a Federação do Andebol conseguiu mobilizar patrocínios que foram muito importantes para a realização com sucesso e alto nível de organização, como foi este torneio pré-olímpico”, disse. Gonçalves Muandumba agradeceu o empenho dos patrocinadores e as pessoas de boa fé, que ajudaram a tornar possível a realização deste evento desportivo continental.

“Devo agradecer (sem ferir os que não forem citados), aqueles que se disponibilizaram em apadrinhar a prova, como o Hotel Skina, Ango-Real, Indiama, a Pura, a Total, Sonangol, e muita gente de boa vontade, individual e colectivo, que se juntaram a este esforço para que se consumasse este desejo dos angolanos de estarem presentes nos Jogos Olímpicos”, agradeceu.

Em ambiente festivo, a satisfação pela vitória das pérolas angolanas e a sensação do dever cumprido, era visível no rosto do dirigente angolano, que felicitou o conjunto de atletas e o país. “As meninas estão de parabéns”, disse.Gonçalves Muandumba ressaltou que “foi uma grande festa e um excelente trabalho”. “Ganhámos à Tunísia ao mais alto nível por 26-23 e elas motivaram-se a mostrar de facto que ainda podemos representar com dignidade o nosso continente nos Jogos Olímpicos.

 Estamos todos de parabéns”, finalizou.Recorda-se que Angola  estreou-se  nos Jogos Olímpicos de Atlanta'96, seguido de Sidney'2000, Atenas'2004, Beijing'2008, Londres'2012 e agora Rio'2016. A meia-distância da selecção angolana de andebol, Azenaide Carlos, era uma mulher satisfeita no final do encontro, que qualificou Angola aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Em declarações ao Jornal dos Desportos, a atleta referiu que foi uma vitória sofrida que dedica primeiramente a Deus.

“Estou muito feliz, trabalhámos para esta vitória, demos o nosso melhor. Foi difícil alcançá-la, mas conseguimos ser superior diante da Tunísia que também é bastante forte. Dedico esta vitória a Deus e à minha família que sempre me apoiou”, disse. A meia distância do Petro de Luanda deu “graças a Deus” pela chuva que caiu a meio da segunda metade da partida. “A chuva não veio somente para atrapalhar, mas permitiu que repousássemos e ganhássemos ânimo para recomeçar a partida”, disse.

Azenaide Carlos esteve em destaque na competição e terminou o torneio como uma das melhores jogadoras em campo. Em três partidas, marcou... golos.O percurso de Angola no torneio começou com uma vitória diante do Senegal por 38-21, seguido de mais consagração ao suplantar a RDC por 38-26 e encerrou frente às campeãs de África, a Tunísia, por 26-23.

RESCALDO
Azenaide Carlos admite vitória sofrida


A meia-distância da selecção angolana de andebol, Azenaide Carlos, era uma mulher satisfeita no final do encontro, que qualificou Angola aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Em declarações ao Jornal dos Desportos, a atleta referiu que foi uma vitória sofrida que dedica primeiramente a Deus.
“Estou muito feliz, trabalhámos para esta vitória, demos o nosso melhor. Foi difícil alcançá-la, mas conseguimos ser superior diante da Tunísia que também é bastante forte. Dedico esta vitória a Deus e à minha família que sempre me apoiou”, disse.

A meia distância do Petro de Luanda deu “graças a Deus” pela chuva que caiu a meio da segunda metade da partida.“A chuva não veio somente para atrapalhar, mas permitiu que repousássemos e ganhássemos ânimo para recomeçar a partida”, disse a jogadora do Petro.  A meia distância Azenaide Carlos esteve em destaque na competição e terminou o torneio como uma das melhores jogadoras em campo. Em três partidas, marcou 14 golos.

O percurso de Angola no torneio começou com uma vitória diante da selecção de Senegal por 38-21, seguido de mais consagração ao suplantar a vice-campeã RDC por 38-26 e encerrou frente às campeãs de África, a Tunísia, por 26-23.

TRINADORES
Discernimento
ditou a vitória 

A vitória sobre a Tunísia, na última jornada do torneio pré-olímpico, que Luanda acolheu de 19 a 21 do corrente, foi consumada graças ao discernimento passado por João Florêncio às atletas, num momento crucial do jogo. A revelação foi feita pelo treinador da selecção nacional. João Florêncio assegurou que a selecção nacional estava ser “consumida” pela ansiedade e era necessário alterar a estratégia de motivação psicológica, a fim de obter a vitória que levasse a equipa aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016.

Com a passagem de discernimento às atletas, Angola foi uma equipa superior em relação à adversária. “As tunisinas tentavam manter o ritmo de jogo baixo, são mais experientes do que nós e começámos a falhar na concretização em função da ansiedade que o grupo vivia. Mas com o apoio do público e o discernimento que se foi passando, conseguimos adiantar-nos no marcador e conservar o domínio até o fim do encontro”, justificou.

TUNÍSIA
Paulo Pereira
valoriza equipa

O técnico da selecção da Tunísia, Paulo Pereira, afirmou que o objectivo foi atingido, apesar de terem falhado a qualificação para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. A equipa campeã africana perdeu diante de Angola por 23-26, em jogo da terceira e última jornada do torneio pré-olimpico, que se disputou em Luanda. Em declarações a imprensa, no final do encontro realizado no pavilhão da Cidadela, o técnico referiu que a meta era melhorar o quarto lugar obtido em 2008.

Paulo Pereira considerou negativa a paragem da partida por 36 minutos, motivada pela chuva torrencial que afectou a quadra, num momento em que a Tunísia dominava o jogo, conforme o treinador. Fortes ventos transportavam a água da chuva pelas laterais do recinto (no espaço aberto entre o tecto e as bancadas) para dentro do pavilhão e atingiu as bancadas e a quadra.

A chuva provocou a interrupção a 14 minutos do fim, com o marcador a registar a igualdade a 17 golos, após Angola ter recuperado de uma desvantagem que chegou a ser de três bolas.. Paulo disse que o facto de a Tunísia ter complicado ao máximo os intentos de Angola no seu reduto é significativo para o andebol africano. O técnico valorizou o empenho do seu conjunto, actual campeão de África.
Rosa Napoleão