Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Multiuso da Sr. do Monte em degradao

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 21 de Novembro, 2019

Nesta poca de chuva, que cai com frequncia nas terras altas da Chela, o perigo eminente para os atletas de diversas modalidades que utilizam aquele recinto desportivo

Fotografia: ARIMATEIA BAPTISTA | EDIES NOVEMBRO

A demora que se observa na intervenção e reabilitação do pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte, que está a ficar degradado, preocupa os dirigentes, técnicos, bem como atletas de taekwondó, participantes há dias no campeonato nacional da modalidade decorrido na cidade do Lubango.
Construído de raiz no âmbito da realização do Afrobasket-2007, que Angola organizou em três províncias (Luanda, Huíla e Benguela), o pavilhão aos poucos vai se degradando sob olhar das autoridades de direito, principalmente do Ministério da Juventude e Desportos, proprietário da infra-estrutura.
Nesta época de chuva, que cai com frequência nas terras altas da Chela, o perigo é eminente para os atletas de diversas modalidades que utilizam aquele recinto desportivo para torneios, campeonatos provinciais e nacionais, com receio de um dia o tecto ou qualquer um do material utilizado na construção desabar, por penetrar água nas paredes e janelas.
O atleta do Sport Lubango e Benfica, Mário Tchipalanga, participou há dias nos nacionais de taekwondó em sénior masculino e feminino disputado no pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte, viu o seu combate a ser interrompido pela organização no segundo round.
Durante o combate que efectuou diante do adversário Gabriel Pereira, da equipa do Jaimel de Luanda, na categoria dos -58 kg, foram interrompidos por mais de 45 minutos, devido a chuva que caia com intensidade, cuja água filtrava em tudo o que é canto do recinto de competição.
Mário Tchipalanga admite, que a situação da chuva vivida no pavilhão criou muitos constrangimentos à organização do certame e principalmente aos atletas, que competiam na altura.
“Me senti mal, porque tiveram que interromper a competição por mais de 30 minutos. Assim, tivemos que remover os tapetes do dojo de um lugar para outro, mas mesmo assim, não conseguíamos competir, porque o lugar onde nos posicionávamos também estava a molhar. Aquilo foi triste, porque foram mais de 30 minutos que não conseguíamos resolver”, lamentou.
O taekwandistas do Sport Lubango e Benfica contou que tiveram que tirar alguns reboques para limpar o dojo e mesmo assim, não secou. Face a isso, acrescentou, “tivemos que esperar porque o clima naquela tarde de sábado, não era favorável. Assim foi complicado. Atrasou-se a competição e só conseguimos realizar o combate, depois de muito tempo de espera”, lamentou.
Afirmou que o pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte, há muito reclama por uma intervenção urgente, porque começa a sofrer alterações e já não possui condições propícias, para se praticar desporto principalmente quando cai chuva.
“Infelizmente o pavilhão multiuso da Nª Sr.ª do Monte, já não oferece condições para acolher eventos provinciais e nacionais ou seja internacionais, principalmente quando chove. Está degradado. Em todos os cantos há buracos e fissuras nas paredes. No tecto sempre sai água. Isto é complicado perdermos uma infra-estrutura dessa, porque simplesmente não conseguem fazer manutenção”, referiu.
O atleta Mário Tchipalanga apelou ao ministério da Juventude e Desportos a aproveitar as infra-estruturas desportivas existentes no país, sobretudo os pavilhões construídos por altura do Afrobasket, CAN-andebol e os estádios de futebol, que custaram muito caro aos cofres do Estado.
Em declaração ao Jornal dos Desportos, salientou que é através da prática desportiva que o Estado consegue tirar muitos jovens das más práticas nocivas a sociedade e assim teremos uma Angola saudável. “Por isso, defendo a recuperação urgente do pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte”, apelou Mário Tchipalanga.
Gabriel Pereira, atleta também da categoria dos -58 kg, da equipa do Jaimel de Luanda, reafirmou que a água que penetrou no recinto de jogo do pavilhão, devido a chuva que caiu ao longo do combate, atrapalhou de certa maneira porque tiveram que remover a posição do dojo.
“Influenciou bastante no tempo e no nosso rendimento. Quando chove este pavilhão não está em condições de albergar competições provinciais, nacionais e internacionais. Por isso, deve se reestruturar melhor e urgentemente as partes por onde filtra água principalmente no tecto e nas janelas com o risco de perdermos essa infra-estrutura”, alertou.
Gabriel Pereira contou que a água da chuva penetrou através do tecto, por ser uma das partes que está mais danificada.
Neste contexto, implorou ao ministério da Juventude e Desportos como gestor da infra-estruturas a procurar melhorar o pavilhão da Nossa Senhora do Monte. “O ministério da Juventude e Desportos deve procurar fazer uma reabilitação completa do pavilhão porque além da parte de cima e janelas que penetra água, temos as casas de banhos sem condições para o seu uso. Os lavabos estão entupidas, só para citar estas”, deplorou.
O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Angolana de Taekwondó, Faustino Quissongo, durante a disputa dos nacionais da modalidade, encontrou dificuldades quando choveu, o que constitui surpresa a filtração das águas. “Foi uma grande surpresa, de como é que o pavilhão multiuso de Nª Sr.ª do Monte cai tanta água, até ao ponto de nós criarmos o plano B ou meios alternativos, para o recomeço da actividade, uma vez que tivemos uma paragem de 40 minutos. Isto desgasta a equipa de arbitragem e os próprios atletas em competição. tal situação criou muitos transtornos a organização”, reconheceu.
O dirigente federativo pede intervenção urgente do ministério da Juventude e Desportos, para prestar atenção na reabilitação do pavilhão multiuso da Nª Sr.ª do Monte, que aos poucos se vai degradando.
No entanto, aquando da visita da ministra da Juventude e Desportos pela segunda vez a província da Huíla, no passado mês de Agosto, onde visitou as infra-estruturas desportivas, havia se manifestado preocupada com o avançado estado de degradação, que se encontra o pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte.
Na altura da visita efectuada no mês de Agosto, a ministra Ana Paula do Sacramento Neto reconheceu, que o pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte estava muito danificado e para sua reabilitação precisava-se ver primeiro com os técnicos da instituição que dirige.
“Agora com o pavilhão multiuso de Nossa Senhora do Monte, já tem obras profundas. Está muito danificado e nós precisamos de ver isso com os técnicos. Temos que introduzir aí laboratório de engenharia de Angola, para ver como é que nós poderemos recuperar”, dizia a ministra.
Ana Paula do Sacramento Neto referiu, na altura da visita, que para o caso particular do pavilhão multiuso da Nossa Senhora do Monte, encontrou-se uma solução, mas tudo tem que ser com base na tecnologia. “E nós, enquanto os técnicos não nos derem um relatório sobre o que se deve fazer, nem se quer podemos falar em meios financeiros”, contou.
Contudo, a infraestrutura construída de raiz no âmbito da realização do Afrobasket-2008, carece de uma intervenção urgente, um pouco mais delicada e a fundo, pois tudo está deteriorar-se.
O material utilizado por altura na construção do pavilhão, sobretudo contraplacados, requerem uma substituição nas paredes por uma ordinária de betão, pois está a descascar porque as paredes foram feitas com material descartável e quando chove penetra água em tudo o que é canto.