Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mundial abre hoje em Moscovo

10 de Agosto, 2013

Usain Bolt é a principal figura do campeonato mundial que começa hoje na capital da Rússia

Fotografia: AFP

A cidade de Moscovo acolhe a partir de hoje, até ao dia 18 do corrente, o campeonato mundial de atletismo. As principais estrelas das pistas vão brilhar em busca de recordes e outras vão despedir-se do público que as acompanhou ao logo de suas carreiras. A festa está lançada para que Usain Bolt, Yelena Isinbayeva, Fabiana Murer e outros atletas galvanizem o público.

O principal nome do atletismo é o jamaicano Usain Bolt, de 29 anos de idade, que pode igualar o americano Carl Lewis no “ranking” de medalhistas históricos dos mundiais de atletismo, caso conquiste em Moscovo as três medalhas de ouro que prometeu.

Grande favorito dos 100 metros, 200 metros e na estafeta de 4x100 metros com a Jamaica, Usain Bolt chegaria a oito títulos mundiais, alcançando Carl Lewis e empatando também com o americano em número de medalhas, 10 cada um.

A saltadora Fabiana Murer, veterana de 32 anos, é a principal esperança de medalhas para o Brasil. No mundial de 2011, na Coreia do Sul, conseguiu um resultado histórico ao conquistar a primeira medalha de ouro para o país. Mesmo após fracassar nos Jogos de Londres de 2012, Fabiana Murer está na Rússia com a missão de voltar a liderar a delegação brasileira. A saltadora fez a sua melhor marca no ano (4,73 metros) no mês passado, no Troféu Brasil, o que representa o quarto melhor salto do Mundo em 2013.

O mundial de Moscovo pode marcar a despedida de uma das estrelas do atletismo mundial, a russa Yelena Isinbayeva, uma veterana de 31 anos, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2004 e de 2008 e nos mundiais de 2005 e de 2007.

Em entrevista à imprensa, a brasileira Fabiana Murer disse que seria “estranho” competir sem a adversária nas próximas provas.

“Desde que comecei a competir em alto nível, ele sempre esteve”, disse Fabiana Murer, uma das adversárias de Yelena Isinbayeva e que chegou a dividir os treinos com a russa em Fórmia, na Itália.

LEI RUSSA
ANTI-GAYS

A nova lei russa que proíbe a apologia à homossexualidade está a atrair ampla condenação internacional, mas o ministro dos Desportos local e o principal dirigente mundial do atletismo disseram que não há risco de que isso interfira no mundial de Atletismo que começa hoje em Moscovo.

O presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, já criticou a nova lei, e o escritor britânico Stephen Fry comparou o ambiente dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em 2014, ao clima anti-semita que envolveu os Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936.

Vitali Mutko pediu em conferência de imprensa para que os ânimos se acalmassem, pois “além dessa lei a Rússia tem uma Constituição que garante uma vida privada a todos os cidadãos”.

O governante russo esclareceu que a “Lei não se destina a privar as pessoas de qualquer religião, raça ou orientação sexual, mas sim de proibir a promoção de relações não tradicionais dentro da nova geração”.

“Todos os atletas e organizações devem ficar tranquilos, os seus direitos serão protegidos (...), mas é claro que é preciso respeitar as leis do país onde se está”, reforçou.

O presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), Lamine Diack, também disse considerar “que não há problema algum”.

“Há uma lei que existe, tem de ser respeitada. Estamos aqui para o mundial e não temos nenhum problema e não estou nada preocupado”, disse o senegalês de 80 anos.