Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nacionais de juniores adiados para Outubro

Álvaro Alexandre - 20 de Agosto, 2015

Jovens desputam em Outubro na Huíla

Fotografia: José Cola

O Comité organizador anunciou ontem, em Luanda, o adiamento dos Campeonatos Nacionais Individuais de juniores, em ambos sexos, que deveriam decorrer a partida de hoje até ao dia 26 do corrente mês, na cidade do Lubango, província da Huíla. As Festas da Cidade do Lubango, que decorrem durante todo mês de Agosto, é o motivo do adiamento das provas selectivas para os Africanos de juniores, marcados para Dezembro, nas Ilhas Seicheles, segundo o secretário permanente da Federação Angolana de Xadrez (FAX), Manuel Pedro.

"Estamos a enfrentar um grave problema para acomodarmos os  jovens xadrezistas disponíveis para disputar os campeonatos nacionais de juniores. No presente momento, a cidade do Lubango não tem unidades hoteleiras acomodar os atletas. As mesmas estão totalmente ocupadas e estão a prestar serviço às delegações convidadas para as festividades da Nossa Senhora do Monte", clarificou.

O membro da organização assegurou que as competições foram reprogramadas para uma outra data. "Como alternativa, decidimos agendar os campeonatos para a primeira quinzena de Outubro e na mesma cidade. A competição vai contar com mais de 70 participantes e as delegações representam as províncias de Luanda, Benguela, Uíge, Cunene, Cuanza Sul, Malange, Namibe e os anfitriões", garantiu.

Manuel Pedro reforçou que a Huíla vai acolher os nacionais selectivos para os Africanos das Ilhas Seicheles. Em Dezembro, Angola tem a oportunidade de ter a primeira Grande Mestre. Este objectivo pode tornar-se realidade desde que se aposte com seriedade na Mestre Internacional Esperança Caxita, bicampeã africana de juniores. "Angola tem responsabilidades acrescidas no continente. O xadrez jovem está sob olhar atento do mundo. O país é detentor de títulos das duas classes. A única opção é criarmos as condições para permitir a conservação hegemonia", concluiu. 
ÁLVARO ALEXANDRE