Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nada está perdido

Silva Cacuti - 27 de Outubro, 2013

Angolanos foram incapazes de superar ontem a forte selecção da Nigéria

Fotografia: Santos Pedro

O objectivo traçado pelo seleccionador nacional Raul Adriano, que passava por uma vitória sobre a Nigéria, na ronda inaugural, esfumaram-se. A selecção nacional consentiu derrota por 39-42, no jogo que marcou a abertura do IV Campeonato Africano de Basquetebol em cadeira de rodas, que desde ontem decorre em Luanda.

Ao intervalo, a vantagem no marcador era da equipa forasteira, por 17-20. Os nigerianos foram os primeiros a acertar com a bola no aro da tabela defendida por Angola, na segunda jogada, depois do primeiro ataque sem êxito de Angola.

A jogar sob forte aplauso da sua claque, a equipa angolana assumiu o jogo e recuperou da desvantagem ao marcador. À passagem do quinto minuto, o placard registava igualdade a cinco pontos.

A Selecção Nacional cometia sucessivos erros defensivos e no ataque a coisa não era diferente. A Nigéria fez alinhar, debaixo da sexta, o gigante Okigrazi e tirou partido da sua condição física. Com esta actuação, a Nigéria subiu no placard, marcou lances livres e lançamentos de campo. Angola respondia com falhanços, até que, ao intervalo, os nigerianos tinham construído uma vantagem de três pontos: 20-17.

O arranque do segundo tempo trouxe uma selecção desconcentrada, defensivamente, e inoperante ao ataque. Fruto da sua má actuação, a claque calou-se e os nigerianos faziam a festa. O marcador chegou a registar 21-30 para os visitantes. A ver todo o seu esforço a ser atirado ao chão, os jogadores da Selecção Nacional encetaram a recuperação, subjugaram a Nigéria e chegaram a ter a vantagem de 36-35, mas, logo, a Nigéria, após um desconto de tempo do seu treinador, melhorou o seu jogo e matou a ascensão angolana.

O resultado final muito diz sobre o equilíbrio registado na quadra de jogos. Os nigerianos assumiram novamente a dianteira. A 39 segundos do final, com o marcador em 39-41, a Selecção Nacional tem posse de bola, que foi mal aproveitada, e ditou a derrota.

“Nunca pensei que havíamos de ganhar, porque Angola joga em casa”, disse Adoki, técnico da Nigéria, no final. “Começamos a perder, não é o que queríamos, falhámos no ataque, o nosso lançador não esteve bem e pensamos aparecer melhor amanhã (hoje)”, disse o técnico angolano, Raul Adriano.

Hoje, a selecção nacional defronta a similar da Argélia, que foi vitoriosa ontem, ao passear a classe diante dos Marrocos por 65-31.


FICHA TÉCNICA
ANGOLA 4- António Martins (.),  5- Adilson João (), 6- Pedro António (.),  7- Cananito Alexandre (5), 8- Alberto Dembe (. ), 9- Alcino Panzo (2), 10- Celestino Ngumbi ( 5), 11- Américo Chicomo (10 ), 12- Antônio Baltazar (2), 13- Manuel Jamba (11), 14- Alberto Gaspar (4), 15- Eduardo Sampaio (.)
Treinador: Raul Adriano

NIGÉRIA 4-Shittu (2), 5- Akinde (), 6- Lawal (2), 7- Ibrahim ( 16), 8- Audu (2), 9- Ogunbona (4 ), 10-  Okigrazi (4 ), 11- Apetayo (2), 12- Bailey (), 13- Ogunyemi (.), 14- Okungbowa (10), 15- Aderayo (.).
Treinador: Adoki O.T.

Marcha de marcador:
7-8, 17-20, 29-34 e 39-42


JOGOS PARALIMPICOS

CPA e BP Angola
assinam acordo


A Selecção Nacional, que vai aos próximos Jogos Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, Brasil, tem assegurados apoios para a sua preparação, na ordem de 300 mil dólares por ano, fruto da continuidade do contrato de parceria entre o Comité Paralímpico Angolano (CPA) e a petrolífera inglesa British Petroleum (BP). As duas partes rubricaram ontem, na sede do CPA, um contrato que mantém a continuidade dos apoios cedidos por aquela empresa, à margem da abertura da IV edição do Campeonato Africano de Basquetebol em cadeira de rodas.

Pela Empresa inglesa assinou o documento Martin Morris, presidente regional da BP Angola, ao passo que Leonel da Rocha Pinto, presidente do CPA, rubricou o documento pela parte angolana.

“Estou muito satisfeito por assinar este acordo; já patrocinámos a participação angolana nos Jogos Paralímpicos de 2012, em Londres, e queremos continuar com este apoio, disse.

Martin Morris acrescentou: “Em 2012, demos ao CPA 300 mil dólares norte-americanos e este ano vamos continuar com o mesmo valor”. Leonel da Rocha Pinto disse ser “uma parceria salutar e a sua renovação demonstra que tem dado resultados positivos para a empresa”.

Recordar que Angola esteve representada em três Jogos Paralímpicos, designadamente, de Atenas’2004; Beijing’2008 e Londres’2012. Nessas participações, Angola conseguiu um total de oito medalhas, das quais quatro de ouro, três de prata e uma de bronze, todas através de José Sayovo Armando.
SILVA CACUTI