Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nandocas e Erikson jogam Open Future

lvaro Alexandre - 11 de Julho, 2018

Angolanos elevam performances competitivas em Portugal

Fotografia: Jaimagens/Fotgrafo

Fernando André “Nandocas” e Eduardo Morais “Erikson”  preparam-se nos campos do Hotel Tryp Colina de Castelo Branco para disputarem no dia 20 do corrente o Open Future da Cidade do Porto, em Portugal. Os tenistas angolanos estão a cuidar do torneio com rigor.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o  treinador Plínio Pedro assegurou que \"os treinos decorrem a bom ritmo e com grande intensidade\".
\"Estão a aperfeiçoar o jogo no piso rápido e no lento para melhorar as competências competitivas. Nandocas  e Erikson prometem exibições excelentes no Porto\", disse.
No dia 27 do mês transacto,  Fernando André e Eduardo Morais  disputaram o Open Future de Castelo Branco. Até ao momento, os tenistas angolanos participaram em cinco torneios e os resultados foram satisfatórios.  Em alguns dos eventos, foram eliminados nos quartos de finais, segundo o técnico Plínio Pedro.
Nandocas e Erikson, duas promessas do ténis angolano, estão desde Abril a frequentar  um estágio em duas prestigiadas academias de ténis de Portugal: a de Beloura Tennis Academy, em Cascais, e a de Felner Tennis Academy, em Caldas da Rainha.
Além de um plano de treino rigoroso, o estágio de Nandocas  e Erikson inclui também a participação em vários torneios. Os dois beneficiam de um pacote de sete eventos da ITF na categoria “Future” em que os vencedores ganham  prémios que variam entre os cinco a dez mil dólares norte-americanos. Os atletas estão a competir ao mais alto nível e podem ganhar pontos para a ATP e subir no ranking mundial, segundo Plínio Pedro.
Em Portugal, os tenistas angolanos lutam por bolsa para os Estados Unidos da América, onde vão dar sequência à formação desportiva. A boa forma desportiva é o único caminho para se chegar às terras do tio Sam.

PATROCINADOR
Fernando André e Eduardo Morais estão em Portugal com o objectivo de obterem o visto para a rota de ingresso à lista da Associação de Atletas Profissionais (ATP). Os dois jovens encontram-se em terras europeias, desde Abril, e os custos de permanência começam a escassear.
\"O stock financeiro existente está abaixo da capacidade de resposta, o que resta suporta o projecto até Outubro. Nesse preciso momento, estou com muitas limitações. Não descortino as soluções imediatas para dar resposta às próximas etapas\", manifestou-se preocupado Plínio Pedro.
Na qualidade de mentor do investimento, Plínio Pedro solicita apoios a todos os empresários movidos pelo desporto para salvar o futuro dos jovens.
\"Infelizmente, os tenistas estão sem patrocínios para atingirem o objectivo:  fazer parte da família ATP. Chegou o momento de ajudar os nossos melhores tenistas. A classe empresarial nacional e, principalmente, os amigos do ténis de campo são chamados  nessa fase tão conturbada da modalidade, pois, queremos as pessoas para ajudarem os nossos atletas\", incitou.