Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nasr faz história como estreante

16 de Março, 2015

Depois de viver uma semana de impasse com o imbróglio judicial envolvendo o holandês Giedo van der Garde Nasr fez uma prova irrepreensível

Fotografia: AFP

O Grande Prémio da Austrália, primeiro da temporada 2015 da Fórmula Um, não teve nenhum brasileiro no pódio, mas nem precisou para ser histórico para o país. Tudo por causa do surpreendente resultado de Felipe Nasr, que colocou o seu nome na história ao chegar na quinta posição em Melbourne.Depois de viver uma semana de impasse, sem saber se estreava Sauber, com o imbróglio judicial a envolver o holandês Giedo van der Garde, Nasr fez uma prova irrepreensível e garantiu o melhor resultado de um piloto brasileiro na sua primeira aparição numa corrida de Fórmula Um.

Antes do quinto lugar do piloto da Sauber, a melhor marca de um novato do Brasil pertencia a Wilsinho Fittipaldi, que, no GP da Espanha de 1972, colocou a sua Brabham no sétimo lugar, e a Chico Serra, que conseguiu o mesmo resultado na Copersucar no GP dos Estados Unidos de 1981. Nem mesmo os três brasileiros que chegaram ao topo da Fórmula Um conseguiram passar primeira impressão tão boa quando Nasr. Ayrton Senna, por exemplo, estreou na categoria com a Toleman e nem sequer completou o GP do Brasil de 1984, abandonando na oitava volta.

Nelson Piquet, por sua vez, fez a sua estreia na Ensign e também teve um problema no motor, que o tirou do GP da Alemanha de 1978. Já Emerson Fittipaldi foi quem conseguiu o melhor resultado, deputando na oitava posição do GP da Inglaterra de 1970, ainda que só os seis primeiros pontuassem."Nem eu esperava que fosse assim. Estou muito feliz, não dá para esconder. Segurar a emoção ali no fim, foi difícil.", disse o brasileiro, em entrevista à TV Globo após a corrida. "É difícil acreditar, mas foi um alívio, depois de tudo que a gente passou na última semana, foi inacreditável."Fora isso, com a quarta posição de Felipe Massa, da Williams, o Brasil voltou a ter dois brasileiros nas cinco primeiras posições de uma prova depois de seis anos. A última vez que isso aconteceu foi no GP da Grã-Bretanha de 2009, com Ruben Barrichello em terceiro e Massa em quarto.

Ferrari
Sebastian Vettel destaca trabalho do grupo


Terceiro colocado no GP da Austrália, Sebastian Vettel destacou o trabalho fenomenal da Ferrari na preparação para a temporada 2015, mas reconheceu que falta muito para poder bater os pilotos da Mercedes.A estreia de Sebastian Vettel pela Ferrari não foi brilhante como a de Kimi Räikkönen ou a de Fernando Alonso, que venceram na primeira vez que correram com o carro vermelho. Entretanto, já foi boa o bastante para deixar orgulhoso o tetracampeão mundial de F1.

Ontem, Vettel terminou o GP da Austrália na terceira posição. Ele largou em quarto lugar e perseguiu Felipe Massa até a entradas das boxes, quando deu o bote enquanto o brasileiro ficou preso por alguns preciosos segundos atrás de Daniel Ricciardo. No pódio, o alemão comemorou e até arriscou um italiano para agradar os fãs.Falando na língua dos "tifosi" ao ser entrevistado por Arnold Schwarzenegger, escolheu bem as palavras: "Bella macchina".

Em inglês, desenvolveu um pouco mais a respeito do resultado conquistado."É uma grande honra. Estou muito feliz. Um óptimo começo de temporada para nós. A gente já tinha tido um óptimo inverno e agora tem uma grande corrida. A equipa fez um trabalho fenomenal, e podemos ficar muito orgulhosos deste resultado", ressaltou."Temos muito trabalho para bater estes dois caras e a Mercedes, mas tenho certeza que vamos", completou Vettel, apontando para Lewis Hamilton e Nico Rosberg.A próxima corrida do Mundial de F1 é daqui a duas semanas, na Malásia.

Decisão
Williams evita estreia de Susie


Sem poder contar com Valtteri Bottas no GP da Austrália, depois que o finlandês foi vetado pelos médicos devido a uma lesão nas costas, a Williams reconhece que não pretende promover a estreia de Susie Wolff na Fórmula Um na próxima etapa, na Malásia, caso o piloto titular não possa correr.De acordo com o director técnico da equipa, Pat Symonds, Susie, que assumiu a vaga que era de Felipe Nasr ano passado, é apenas a piloto de testes, e não a reserva. A última mulher a disputar o mundial foi Giovanna Amati que tentou se classificar para três provas em 1992, sem sucesso.

"Não temos um reserva e estamos a pensar em alguns planos", admitiu o engenheiro. "Ela não é nosso piloto reserva na verdade, é piloto de testes. Em relação a Valtteri, temos bons indicativos dos médicos. Acho que nunca vi um piloto tão desapontado quanto ele quando conversámos antes da prova."O clima de desapontamento na Williams também tem a ver com a performance da equipa, abaixo do esperado. A expectativa era  ser a segunda força do mundial, mas o GP da Austrália mostrou que a Ferrari tem um ritmo ligeiramente melhor.

"Temos trabalho pela frente, a Ferrari é mais rápida que nós", admitiu Symonds, que explicou a estratégia de Felipe Massa. "Foi uma corrida muito difícil taticamente, sentimentos pela maneira como Vettel estava atrás de nós que ele deveria ser muito rápido, tivemos de evitar que ele parasse antes e voltasse na frente, então entramos mais cedo e vimos que ele passou a andar muito rápido."Massa vinha em terceiro quando fez a sua troca de pneus, mas pegou tráfego na sua volta de saída das boxes e perdeu a posição para Vettel quando o alemão fez seu "pit stop".