Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Neide e Cassule embarcam para Tquio

24 de Agosto, 2019

Neide Diassonema ( direita) e Cassule esto mais prximo dos Jogos Olmpicos

Fotografia: M.Machangongo | Edies Novembro

Depois da conquista das medalhas de bronze nos Jogos Africanos de Rabat, Marrocos, Neide Diassonema e Acácio Cassule embarcaram ontem para Tóquio, Japão, para participar do campeonato mundial de judo a ser disputado de 25 a 28 do corrente. Os dois representantes angolanos têm como objectivos somar pontos que garantam o passe de acesso aos Jogos Olímpicos a decorrer na mesma cidade em 2020.
Na hora de embarque, o presidente da Federação Angolana de Judo, Paulo Nzinga "Apoló", garantiu ao Jornal dos Desportos "a boa prestação" dos atletas, após a "exibição de excelência" nos Africanos de Rabat.
"Os atletas estão conscientes da responsabilidade que carregam aos ombros. Estão bem preparados dar o melhor de si no evento. Reconhecimentos que não vai ser fácil obter as vitórias, porquanto as outras potências também ambicionam os pontos. Vamos enfrentá-los de cabeça erguida. O Mundial é a penúltima competição de qualificação e precisamos de pontos", esclareceu.
Neide Diassonema disputa provas da categoria de -57 kg e Acácio Cassule, na de -73 kg. Os atletas qualificaram-se para o campeonato mundial, após conquistarem as medalhas de bronze nos Jogos Africanos de Rabat, Marrocos.
Recorde-se na edição anterior dos Jogos Africanos disputados em Brazzaville em 2015, Angola conquistou a medalha de bronze através de Nair Garcia, -60kg, e a de ouro por meio de António de Fátima "Faia". Nair Garcia não conseguiu repetir o feito em Rabat.

APOLÓ NO CONGRESSO
DA UNIÃO INTERNACIONAL

O presidente da Federação Angolana de Judo, Paulo Nzinga, vai participar do Congresso da União Internacional a ter lugar em Tóquio, Japão. O evento decorre em paralelo ao campeonato mundial da modalidade.
O dirigente angolano afirmou que leva na bagagem algumas propostas que visem beneficiar o judo nacional, nas quais sobressaem o modelo de gestão em execução no país e no continente.
"Pretendemos alterar alguns itens nas regras administrativas da modalidade no país e no continente. Vamos ouvir as opiniões dos representantes internacionais e discutir sobre vários assuntos, nos quais se sobressaem o aumento de sessões de formação de treinadores em África e fortalecimento nas relações com a União Internacional. O objectivo é engrandecer e melhorar a qualidade do judo", disse.