Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nico Rosberg trava emoção

03 de Maio, 2016

Alemão está empolgado com as vitórias

Fotografia: AFP

A vitória no Grande Prémio da Rússia fez Nico Rosberg igualar uma marca alcançada por duas lendas da F1. Com sete triunfos consecutivos, numa série que já vem desde o GP do México de 2016, o alemão igualou Alberto Ascari e Michael Schumacher na estatística. Só Sebastian Vettel, com nove vitórias seguidas, tem série mais laureada na história do desporto.

O momento de Nico Rosberg é muito particular. Com as quatro vitórias logradas nesta época - Austrália, Bahrein, China e Rússia -, Nico alcançou os 100 por cento de aproveitamento e os 100 pontos na tabela na tabela do Mundial de Pilotos. O seu maior oponente na luta pelo título, Lewis Hamilton, está a 43 pontos.

O próprio Nico sabe que o desporto pode pregar peças e entende que a boa fase não vai ser eterna. Por isso, mais do que nunca, o piloto da Mercedes procura preparar-se para quando a sequência vitoriosa  acabar e o mau momento chegar.

“Começar o campeonato com quatro vitórias não é algo que pudesse esperar, mas é assim que tem sido. Estou muito feliz por isso. Foram quatro grandes corridas. Isso é bom, mas estou consciente de que isso não vai ser assim para sempre”, alertou.

O líder da época acrescentou que "o desporto é cheio de altos e baixos e os baixos vão chegar em algum momento". Nico Rosberg realçou que precisa de preparar-se "mentalmente" para manter a cabeça erguida e não se abater quando isso acontecer. Mas de momento está a gostar muito dessa fase.

Nico Rosberg não teve adversários no Grande Prémio da Rússia. O alemão foi beneficiado pelo problema que afectou Lewis Hamilton na classificação. Uma falha no sistema de reaproveitamento de energia da Mercedes fez com que o britânico falhasse no Q3.

A Ferrari, por sua vez, decepcionou. Sem Sebastian Vettel, fora da corrida desde a primeira volta, o melhor colocado da equipa de Maranello foi Kimi Raikkonen. O finlandês jamais foi capaz de chegar perto da Mercedes e isso foi uma surpresa para Nico.

"Isso, nos surpreendeu no fim de semana, porque sempre dissemos que a Ferrari estava perto, mas neste fim de semana não estiveram tão próximos. Estávamos bem longe e foi impressionante ver. De modo que temos de entender, já que não entendemos", comentou um incrédulo Rosberg.

O alemão concluiu que “Sóchi é uma pista única e com um asfalto muito singular, de modo que isso deve explicar muito".
"Tenho a certeza de que foi um desempenho impressionante do carro neste fim de semana”, concluiu.

PELA 2ª VEZ
McLaren-Honda pontua com a dupla


A McLaren conseguiu colocar os seus dois pilotos na zona de pontuação. pela segunda vez, depois da nova parceria com a Honda, no início do ano passado. A equipa inglesa levou Fernando Alonso e Jenson Button entre os pontuados no Grande Prémio da Rússia. Diferentemente do GP da Hungria, o traçado de Sochi apresenta grandes rectas, que prova  que a equipa melhorou significativamente nas últimas corridas.

Fernando Alonso largou da 14ª posição e terminou em sexto lugar. A estratégia na largada foi fundamental para alcançar mais alguns pontos na tabela de pontuação.
"É verdade que tivemos sorte, após à confusão da largada e ganhámos posições, mas isso também aconteceu em algumas situações no ano passado, e não éramos capazes de manter a nossa posição", disse o espanhol, que praticamente não teve a posição ameaçada.

Na conferência de imprensa, em Sochi, Fernando Alonso assegurou que tinham "ritmo para ficar ali e a confirmação foi a obtenção da quinta volta mais rápida da etapa". O carro continua a evoluir e definiram como objectivo na competição figurar regularmente na zona de pontuação, segundo o espanhol.

O companheiro de equipa, Jenson Button teve a vida mais dificultada. O inglês largou da 12ª posição da grelha e terminou em décimo lugar. Mesmo sem ter ganho posições na primeira volta, lutou freneticamente contra os carros da Toro Rosso, Haas e Force India.

"No final, recuperamos algumas posições e terminamos na zona de pontos, o que era nosso objectivo. Colocamos ambos os carros no top 10 e isso é óptimo para a equipa", comemorou o inglês.

Contrariamente ao Alonso, Jenson Button preferiu não fazer previsões.

"Vamos ver como vão ser as próximas corridas, mas estamos a crescer", realçou.

A próxima etapa do campeonato é um teste importante para a equipa: o Grande Prémio de Espanha é disputado na pista de Barcelona, a mais usada para testes na Fórmula 1. Com isso, a etapa costuma revelar a real posição de cada carro.