Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

No sou um idiota

28 de Junho, 2016

Jack Miller conquistou a primeira vitria na MotoGP

Fotografia: AFP

Contra todas às expectativas, o sorriso mais feliz do pódio do Grande Prémio da Holanda de MotoGP foi o de Jack Miller. Mergulhado em lágrimas, as palavras soltas confundiam a felicidade. Pela primeira vez na carreira, foi dono do lugar de honra do pódio. Mil razões contribuíram para tamanha alegria. Está no segundo ano da MotoGP, numa equipa não de fábrica e saltou da Moto3 para MotoGP sem passar na categoria intermediária.

Perante o olhar de milhares de espectadores, Jack Miller mal tinha voz para se fazer ouvir. No íntimo, as críticas por saltar a Moto2 tomavam-lhe conta. Quando o ar teve respaldo nos pulmões, as primeiras palavras foram as de lembrança.
"Muitas pessoas falaram mal de nós e criticaram que esse projecto não ia funcionar. Espero que tenhamos mostrado que estavam errados", disse.

O vencedor do GP da Holanda'2016 ressaltou as motivações psicológicas e profissionais: "Não sei o que sentir no momento, mas podemos pilotar essa moto. Não sou um idiota".Ciente da responsabilidade assumida com a Marc VDS, equipa apoiada por Estrella Galícia 0,0, Miller dirigiu palavras de confiança: "Obrigado a Honda por arriscar-se comigo. Não consigo falar. É incrível".

Com a resposta dada aos críticos, que o atacaram por evitar a Moto2, Jack Miller promete fazer mais e melhor sempre que houver oportunidade. No circuito de Drenthe, Miller fez uma corrida impecável e marcada por forte chuva. O australiano conservou-se bem ao ponto de evitar a queda como Andrea Dovizioso e Valentino Rossi.Seguro na última volta, Miller decidiu atacar Marc Márquez para vencer e não encontrou  resistência das mais fortes. O piloto da Marc VDS acelerou e cortou a meta com 1s991 de vantagem sobre o da Honda Repsol. A vitória encerra um jejum de dez anos sem vitórias das equipas satélites. A última ocorreu no circuito de Estoril, em 2006, com Toni Elias.


Marc Márquez celebra vantagem


Marc Márquez não foi o primeiro a ver a bandeira quadriculada em Assen, mas saiu do Grande Prémio da Holanda como um vencedor. Entre os postulantes ao título, o número 93 foi o que se deu melhor no Circuito van Drenthe, já que completou a disputa em segundo, contra um décimo posto de Jorge Lorenzo e um abandono de Valentino Rossi.

A corrida foi marcada pela chuva. A prova começou com piso molhado e precisou de ser interrompida após 14 voltas, por causa do excesso de água na pista. Na relargada, o piso molhado voltou a estar em evidência com muitas quedas consecutivas.Ciente do que estava em jogo, Márquez lançou mão da sua versão 2.0 e optou pela cautela. Após a corrida, o espanhol contou ter ouvido da equipa “umas 40 vezes”: “Por favor, termine a corrida”. E foi isso que fez.

“Honestamente, sinto como se fosse uma vitória. Neste tipo de corrida, pode ganhar ou perder muitos pontos para o campeonato. A minha mentalidade era sair e terminar a corrida. Sei que Valentino era mais rápido no piso seco, mas a mentalidade era essa, pois a minha equipa disse-me talvez umas 40 vezes nesta manhã: ‘Por favor, termine a corrida. Por favor, termine a corrida”, disse.
A estratégia para "sair vivo" da pista foi tomada, quando evitou cometer os erros dos adversários.

“Estava a forçar, mas na segunda corrida, quando vi que Valentino estava a forçar bastante, pensei: ‘Ok, não estou no mesmo nível dele’, mas quando o vi caído, olhei para a pit -board e vi ‘Miller +0’. Honestamente, a primeira memória foi Silverstone, na terceira fila. Aí, pensei que era hora de controlar, também porque Jorge Lorenzo estava muito atrás”, brincou. Após ser superado pelo australiano, deu-se por satisfeito pelo segundo lugar e apenas passou a controlar a margem em relação ao terceiro classificado, de acordo com Márquez.

“Quando Jack passou-me na última curva, fiquei atrás dele por 1, 2s, apenas a concentrar-me no terceiro adversário, que naquele momento era Pol Espargaró. Estava a controlar aquela distância, pois o segundo lugar era o bastante”, resumiu.Com o resultado, Marc Márquez ampliou de dez para 24 pontos a sua vantagem em relação à Lorenzo. Terceiro, Rossi tem agora 42 pontos a menos que o número 93.

“Foi uma corrida importante, pois era o momento de perder ou ganhar muitos pontos. Ganhamos”, ponderou. “Tivemos sorte, porque a mentalidade ajudou-nos bastante; não estava preocupado com outros pilotos, apenas a fazer a minha corrida, a sentir a minha moto, o meu limite”, concluiu.

MOTOGP
Segundo lugar satisfaz Márquez

Marc Márquez perdeu a liderança do GP da Holanda, no domingo, na recta final, no entanto, o segundo lugar é visto com bons olhos pelo piloto espanhol. Num dia que viu um de seus maiores rivais, Valentino Rossi, ir ao chão quando liderava a prova, o piloto da Honda enalteceu a importância de somar mais 20 pontos que amplia a vantagem na liderança do campeonato mundial. O jovem piloto holandês Miller foi o grande vencedor da prova.