Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Norte-americano faz história em Budapeste

31 de Julho, 2017

Num só dia nadador norte-americano arrecadou medalhas de ouro nos 50, 100 e 4x100 metros livres

Fotografia: CHRISTOPHE SIMON / AFP

O nadador Caeleb Dressel fez história ao tornar-se o primeiro a conseguir três medalhas de ouro num só dia dos campeonatos do mundo, que estão a decorrer em Budapeste, Hungria. O norte-americano começou por dominar os 50 metros livres, que completou em 21,15 segundos, à frente do brasileiro Bruno Fratus e do britânico Benjamin Proud.

Depois, nos 100 metros mariposa, Dressel ganhou o ouro com uma marca de 49,86, a quatro centésimos do recorde mundial, pertencente a Michael Phelps desde 2009, terminando à frente do húngaro Kristof Milak, segundo, e com o campeão olímpico Joseph Schooling e o britânico James Guy a dividirem o bronze.

O terceiro ouro, que selou o feito inédito do norte-americano de 20 anos, veio na estafeta mista 4x100 metros livre, em que Dressel, Nathan Adrian, Mallory Commerford e Simone Manuel fixaram um novo recorde mundial, no tempo de 3.23,05 minutos, provas que tiveram lugar no sábado nos mundiais de Budapeste .

A equipa holandesa terminou em segundo, num tempo que também teria chegado para bater o anterior recorde mundial, e o Canadá completou o pódio.

Dressel, de 20 anos e bicampeão olímpico nos Jogos do Rio\'2016, em estafetas, soma até agora cinco triunfos nos Mundiais e é apontado como próxima grande estrela norte-americana da natação.

Os Estados Unidos somaram um quarto ouro do dia no sábado com Katie Ledecky, que mais uma vez voltou a dominar a concorrência e alcançou o 14.º ouro em Mundiais, feito inédito na natação feminina.

Nos 800 metros livre, a norte-americana de 20 anos completou a prova em 8.12,68 minutos, oito segundos abaixo do recorde mundial que a própria estabeleceu no Rio\'2016, mas suficiente para o quinto ouro, e sexta medalha, em Budapeste, desta feita à frente da chinesa Li Bingjie e da norte-americana Leah Smith.

Durante a meia-final dos 50 metros livre, a sueca Sarah Sjostrom fixou o recorde mundial em 23,67 segundos e bateu uma marca com oito anos. Nos 50 metros mariposa, Sjostrom estabeleceu um novo recorde da competição ao vencer o ouro na final, revalidando o título conquistado em 2015 e juntando-o aos 100 metros mariposa, que também venceu em Budapeste.

Na final, a sueca foi a única a nadar abaixo dos 25 segundos (24,60), terminando à frente da holandesa Ranomi Kromowidjojo, segunda, e da egípcia Farida Osman, que deu ao seu país a primeira medalha em Mundiais de natação.

Nos 200 metros costas, a última final do dia, a Duna Arena estava repleta de apoiantes da húngara Katinka Hosszu, mas desta vez a dama de ferro teve de se contentar com o segundo lugar, atrás da australiana Emily Seebohm.

Ainda assim, Hosszu somou a 12.ª medalha em Mundiais, tendo terminado à frente da norte-americana Kathleen Baker, que somou a oitava medalha consecutiva dos Estados Unidos nesta prova, em que não falham o pódio desde 2003.