Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Novas modalidades em estudo

02 de Março, 2015

Modalidades como o beisebol lutam para conseguirem o estatuto de desportos olímpicos nos Jogos que a cidade de Tóquio vai albergar

Fotografia: AFP

O Comité Olímpico Internacional (COI) define apenas em 2016, com um ano de atraso em relação ao inicialmente previsto, os novos desportos a incluir no programa olímpico dos Jogos de 2020, em Tóquio, informou neste sábado o presidente da entidade, Thomas Bach.Bach disse, em conferência de imprensa, que a Comissão Executiva do COI, na reunião de três dias concluída sábado no Rio de Janeiro, aprovou um novo cronograma para definir as modalidades que são admitidas como olímpicas em Tóquio, o que adia em um ano a decisão, que deve ser tomada em Julho deste ano.

"Aprovamos um novo cronograma. Gostávamos de receber a proposta de Tóquio até Setembro para  podermos preparar-nos internamente e definir se incluímos novos desportos", afirmou.A Agenda Olímpica 2020 aprovada pelo COI em Dezembro de 2014 e que prevê novas regras sobre as candidaturas, permite que as cidades-sedes possam propor a inclusão de novas modalidades no evento.

Bach disse que a decisão final apenas é tomada na reunião que o Comité Executivo realiza no meio do próximo ano no Rio de Janeiro, pouco antes do início dos Jogos Olímpicos de 2016.Apesar de o Governo do Japão não ter manifestado preferências sobre as novas modalidades, é esperado que o país peça a inclusão do beisebol e do softbol, de grande popularidade entre os japoneses. Os dois desportos eram olímpicos até 2008, quando foram excluídos do programa dos Jogos de Pequim.

Algumas federações tentam convencer  Tóquio a apoiar outras modalidades, como o karatê, surf, bilhar e squash.As novas normas do COI estabelecem que os novos desportos a ser incluídos na agenda olímpica têm de ter grande popularidade entre os jovens, serem universais e oferecerem igualdade de género.

QATAR
Sobre o Mundial do Qatar, Thomas Bach afirmou  que ficou satisfeito em conhecer a recomendação da FIFA de realizar o Campeonato do Mundo do Qatar no fim de 2022 e não no início, quando o Mundial coincidia com os Jogos Olímpicos de Inverno."É uma decisão lógica. Concordamos com a FIFA que essa decisão é de interesse mútuo porque evita um choque entre os Jogos Olímpicos de Inverno e o Mundial", afirmou Bach no fim da reunião de três dias que a Comissão Executiva do COI realizou no Rio de Janeiro.

O dirigente fez referência à recomendação desta semana do grupo de trabalho da FIFA, que considerou como período mais viável para o Mundial do Qatar os meses de Novembro e Dezembro de 2022.A proposta, que ainda tem de ser aprovada pelo Comité Executivo da FIFA, conta com o apoio das confederações de futebol, dos atletas e das autoridades do Qatar.