Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Novos donos planeiam tecto de gastos

20 de Dezembro, 2016

No entanto, a companhia anunciou que recebeu a liberação da ACM e que pode completar a aquisição da Fórmula 1.

Fotografia: AFP

A Liberty Media, nova dona da Fórmula 1, está a pensar estabelecer um tecto de gastos no campeonato. A informação é do jornal inglês The Telegraph. A notícia cita uma fonte sénior sem nome, e familiarizada com os planos de custo da Liberty.

"Não faz sentido ter equipas a gastar quase 400 milhões de dólares. O dinheiro não está a fazer nada de bem para os fãs. É apenas perdido em competição tecnológica. Isso, não foi impulsionado pela lógica e criou uma sociedade de duas classes em termos do que é gasto pelas equipas. Você deve dar uma oportunidade de ganhar a um azarado”, disse.

Várias medidas de limitação de orçamento foram analisadas pela F1 durante a maior parte da década passada. Um plano de 2009 para  introduzir um limite de 40 milhões de libras provocou ameaças de saída de Ferrari e da Red Bull, entre outras equipas, antes de ser arquivado.

A proposta de introduzir um limite de custos para 2015 caiu, quando as equipas que compõem o Grupo Estratégico da F1 expressaram a sua crença, de que não era possível cumprir o prometido. Mais recentemente, um limite de preços acordado de 12 milhões de dólares, por época, para motores vendidos para as equipas privadas foi descartado devido a um veto da Ferrari.

O Telegraph relata que a Liberty está ciente de que precisa de negociar com as equipas para obter apoio a esta nova medida, e cita uma fonte da empresa. "A coisa mais importante que temos de mudar é a cultura. Nesse momento, ninguém confia em ninguém", disse.

LIBERTY RECEBE
SINAL VERDE

A aquisição da Fórmula 1, pela Liberty Media, enfrentou uma investigação da Autoridade de Concorrência e Mercados da Grã-Bretanha (ACM) ,com a possibilidade de violação de leis anti -truste. No entanto, a companhia anunciou que recebeu a liberação da ACM e que pode completar a aquisição da Fórmula 1.