Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ncleo do Bi em dificuldades

Srgio V. Dias, No Cuito - 01 de Março, 2015

Ncleo Provincial do Desporto Paralmpico do Bi procura apoio institucional junto do MINJUD

Fotografia: Jos Soares

O Núcleo Provincial do Desporto Paralímpico do Bié confronta-se com várias dificuldades, sobretudo no que se refere a  finanças. O organismo procura contornar a situação e procura apoio institucional junto da direcção local do Ministério da Juventude e Desporto (MINJUD), disse ao Jornal dos Desportos  Manuel José Chimuco.

O secretário-geral do organismo que superintende o desporto paralímpico informou, nesse particular, que o Núcleo do Bié elaborou um cronograma de acções para 2015, quantificados em quatro milhões e 676 mil e 500 kwanzas, para fazer face às várias competições.

Apesar da elaboração desse cronograma de acções, Manuel Chimuco assegurou não haver disponibilidade do Governo do Bié para apoiar, na plenitude, com o valor previsto no mesmo, com vista à participação dos atletas bienos nas várias provas de 2015.

Manuel Chimuco explicou que o valor  visa  cobrir as despesas com transporte e alimentação das caravanas da Província do Bié nas várias provas calendarizadas para este ano.

Realce  sentido para a já disputada “Taça José Sayovo”, os campeonatos nacionais de corta-mato, atletismo em pista, assim como os de basquetebol em cadeira de rodas e um outro regional, que o Bié deve organizar nos próximos tempos.

Independentemente dessas competições há a destacar, ainda, a Taça Lwini, a São Silvestre, o campeonato nacional de futebol com muletas, assim como o intercâmbio desportivo e a criação de núcleos do desporto paralímpico nos municípios do Bié.

Lembre-se que além da sua capital, o Cuito, o Bié conta  com os municípios do Cunhinga, Catabola, Camacupa, Cuemba, Chitembo, Chinguar, Andulo e Nharea.

COMPETIÇÕES
Tal como aconteceu em 2014, Manuel José Chimuco espera que no corrente ano os atletas do Bié tenham uma presença maciça nas várias provas agendadas para a época, quer as de carácter nacional quer nas internacionais.

Entre as várias competições em que o Bié se fez presente o ano passado com atletas paralímpicos, destacam-se a Taça José Sayovo, Taça Lwini em basquetebol e atletismo, bem como a corrida de São Silvestre.

Nesse sentido, o secretário-geral do Núcleo Provincial do Desporto Paralímpico do Bié disse esperar  uma presença significativa dos atletas da região em competições internacionais.

Para esta temporada, constam do calendário do Comité Paralímpico Angolano (CPA) várias competições e estágios competitivos internacionais, de acordo com Manuel José Chimuco.

Entre outras actividades está previsto um "meeting" de atletismo em pista e estágio dessa mesma disciplina em São Paulo, Brasil, assim como os campeonatos do mundo para cegos IBSA e de pista, em Seul e no Qatar.

No calendário de provas do CPA consta, também, a realização da X edição dos Jogos Africanos, em Brazzaville, no Congo, estágios pré-competitivos de basquetebol em cadeira de rodas em Joanesburgo, África do Sul, e um intramuros, marcado para a Província do Cuanza Sul.


Na forja
Espaço para socialização dos deficientes


O secretário-geral do Núcleo Provincial do Desporto Paralímpico do Bié, Manuel José Chimuco, sublinhou que esta área revela-se hoje no contexto nacional como um espaço importante na educação, socialização e formação integral da pessoa com deficiência.

Na óptica do responsável do órgão que superintende o desporto paralímpico bieno, “este é, também, um espaço que permite o resgate de valores cívico e morais no seio dos jovens”, sobretudo daqueles que se confrontam com problemas de deficiência física.

Nesse sentido, Manuel José Chimuco refere que a partir do desporto paralímpico pode-se, paralelamente, reduzir ou acabar com as assimetrias e desvios de comportamento menos dignos de muitos jovens portadores de deficiência física.

O interlocutor do Jornal dos Desportos lembra, por outro lado, que um dos grandes objectivos do órgão de que é secretário-geral na província passa por promover a prática desportiva no seio da pessoa acometida com deficiência física.

Outros dos objectivos, lembrou, passam por contribuir para uma boa gestão dos tempos livres dessas pessoas, bem assim como desenvolver competências dos praticantes, partindo do ponto de vista dos tipos de exercícios físicos.

O Núcleo do Bié controla 40 agentes na área do desporto paralímpico, sendo um técnico de atletismo, dois de basquetebol em cadeiras de rodas, uma classificadora, um mecânico, doze atletas e três guias na modalidade de atletismo.

A este lote juntam-se os 20 atletas de basquetebol em cadeira de rodas, cinco dos quais do sexo feminino.
SVD, NO CUITO


Temporada
Núcleo tem esboçado
o cronograma de acções


 Manuel José Chimuco assegurou que o Núcleo Provincial dos Desportos Paralímpico do Bié elaborou um cronograma de acções para 2015, quantificados em quatro milhões, 676 mil e 500 kwanzas.

O  cronograma abrange as várias competições em que participam atletas paralímpicos do Bié, incluindo a já disputada “Taça José Sayovo”, em que os atletas da província João Feliciano e Alberto Lussasse estiveram em grande plano.

Ambos conquistaram os primeiros lugares do certame, que visou saudar o Dia Nacional do Desporto em Angola,  a 23 de Janeiro, desfilando pelas classes T11 (deficiente visual) e T46 (amputado dos membros superiores), respectivamente.
SVD, NO CUITO.