Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Nuno critica escolha de atletas

Álvaro Alexandre - 30 de Dezembro, 2014

Nuno Lampas defende mais igualdade no tratamento da Federação às equipas participantes do campeonato nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

O capitão da equipa Lampas, Nuno Pereira, manifestou ontem o seu desagrado com os critérios de selecção de atletas para representar o país no Campeonato do Mundo de pesca desportiva, que se realiza anualmente. O dirigente afirmou que “o tratamento dado às equipas pela Federação Angolana de Pesca Desportiva é desigual” e os regulamentos carecem de actualização para satisfazer a vontade de todos membros da comunidade da pesca desportiva.

“Chegou o momento da Federação Angolana de Pesca Desportiva retribuir todo o esforço desta comunidade. Digo de boca cheia que as equipas feitas para representar Angola no Brasil foram formadas com base num regulamento não convincente”, reclamou.

Nuno Pereira assegurou “os resultados alcançados na pesca desportiva não foram exclusivamente produzidos por equipas julgadas (erradamente) de elitistas”.
A verdade é que a selecção B, capitaneada por Rogério Matos, sagrou-se a campeã mundial de pesca desportiva realizada no Estado brasileiro de Vitória de Espírito Santo.

INVESTIMENTOS
MODESTOS

Em jeito de balanço do ano que termina amanhã, Nuno Pereira disse que as limitações financeiras não permitiram à equipa Lampas alcançar grandes resultados. O pouco recurso disponível permitiu alcançar o sexto lugar no campeonato nacional e a participação consecutiva no Campeonato Mo mundo de pesca desportiva realizado na cidade costa-riquenha de Quepos. Os planos ambiciosos tiveram de ser engavetados.

O Lampas é patrocinada por uma empresa petrolífera e a crise mundial no ramo obrigou o congelamento de recursos financeiros. Perante o cenário de crise, parte da verba recebida foi para a reparação de motores e aquisição de novos aparelhos electrónicos de navegação.
Nuno Pereira ressaltou que pretendem ter uma embarcação com todas as condições técnicas para concorrer a uma das vagas de acesso ao Campeonato do Mundo de pesca desportiva em 2016, em Quepos.

Face à limitação de recursos técnicos e financeiros, o Lampas teve um arranque de época tímido. Nuno Pereira afirmou “o início foi fraco por desânimo pessoal”. A situação reflectiu-se na ausência do Torneio Billfish Challenge organizado pelo Clube Náutico Militar. “Em quatro edições, ficamos em segundo e terceiro lugares, mas não participámos”, lamentou.

O pescador do Lampas disse ironicamente: “O quadro vai inverter em 2015, depois de passarmos no Ndombe Grande”.
O comandante dos Lampas, conjunto filiado ao Clube Naval de Luanda, afirmou que a formação feminina conseguiu superar a força masculina durante a época desportiva.

“A única equipa na prova valorizou a competição. Sem dúvidas, a Doce Vela”, disse.
Outras equipas mereceram elogios de Nuno Pereira. “O Team Akwalunga obteve bons resultados, mesmo como estreantes; Team Release, por consolidar a regularidade no topo e o Team Náutico que a cada ano, consolida o seu estatuto de equipa de topo”, frisou