Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

O ano de pgina dourada

SILVA CACUTI - 30 de Dezembro, 2019

Equipa Nacional de andebol snior masculina conquistou os Jogos Africanos de Rabat (Marrocos) deste ano

Fotografia: Dombele Bernardo | Edies Novembro

O experimentado treinador esteve cerca de 10 anos à frente da selecção nacional sénior masculina e a nivelou com as melhores do continente.

Primeiramente, o treinador transformou a equipa num conjunto competitivo que ganhou gosto pelos pódios quer em Campeonatos Africanos das Nações, onde repetidas vezes traz o bronze, como nos torneios dos Jogos Africanos.

O toque de registo foi alcançado este ano nos Jogos Africanos, disputados em Rabat, Marrocos.  A equipa nem sequer era tida em conta pelo Comité Olímpico Angolano (COA), responsável pela participação angolana nos Jogos e quase foi riscada dentre os representantes angolanos, com a justificativa de que ante os parcos recursos valeria mais levar aqueles que tinham maiores probabilidades de vencer. O COA desconhecia o valor dos “Guerreiros”, como são também tratados carinhosamente.

Impulsionados pela Federação, que conhecia o seu real valor, os Guerreiros foram a Rabat e fizeram o inédito.  Venceram e escreveram com letras de ouro o texto com que responderam ao escárnio sofrido na véspera.

Em breve, seguem para a nova missão: o campeonato africano que tem Rades, Tunísia, como palco. Na Tunísia, os Guerreiros vão obedecer às orientações de Nelson Catito, que substituiu Filipe Cruz.

No que a clubes diz respeito, 2019 foi o ano do Interclube. A chegada de Jorge Gonçalves Nhoca à directoria desportiva e de Tânia Kinanga ao departamento de andebol, juntados à argúcia técnica da dupla José Pereira “Kidó”/William Almeida  de andebol alterou, para melhor, o quadro competitivo da equipa.

A vir de um terceiro lugar no campeonato nacional de 2018, os “polícias” ficaram arredados da Supertaça Francisco de Almeida. No campeonato provincial de Luanda mostraram as credenciais que traziam para a época, venceram e ganharam o gosto pelas vitórias. Ergueram igualmente os troféus do campeonato nacional e da Taça de Angola, tudo, à custa de vitórias sobre o 1º de Agosto, então dominador.

A equipa apostou no retorno à Taça dos Clubes Campeões e regressou medalhada com o bronze.

O domínio do Interclube estendeu-se aos “provinciais” em juvenis e nacionais em juniores.