Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ojjeh abandona McLaren

16 de Janeiro, 2014

Ojjeh abandona McLaren

Fotografia: AFP

O empresário Mansour Ojjeh, detentor de 25 por cento das acções do Grupo McLaren, passou por uma cirurgia para realizar um transplante de pulmão, deixa as suas funções temporariamente. Durante o período de recuperação, o seu irmão Aziz fica com a  responsabilidade  do cargo  de director do grupo.

“Mansour Ojjeh está num período de descanso e recuperação depois de sua recente operação. Assim, por enquanto, o irmão de Mansour, Aziz Ojjeh, concordou, com apoio total de Mansour, em  juntar-se  ao conselho da McLaren de    forma temporária até que Mansour esteja completamente recuperado”, disse um assessor da McLaren em entrevista ao repórter Joe Saward.

Além de Mansour Ojjeh, os outros donos dos direitos do Grupo McLaren são Ron Dennis, que também detém 25%, e o grupo de investimentos Mumtalakat, que é dono de 50%. Actualmente com 61 anos, Mansour convivia há quatro anos com uma fibrose pulmonar  idiopática. Operado no início de Novembro, o franco-árabe passa bem após a cirurgia, mas precisa de tempo para repousar.

BREVE
Schumacher pode sair do coma


Os médicos podem nos próximos dias retirar o alemão Michael Schumacher do coma induzido, após o grave acidente de ski sofrido a 29 de Dezembro nos Alpes franceses. O chefe das urgências da clínica Asklepios de Hamburgo, Heinz Peter Moecke, em declarações ao “Bild”, considera positiva essa decisão: “Quanto antes termine o coma induzido, mais rapidamente são recuperadas as funções normais do corpo, como a respiração”.

Fernando Alonso define objectivo

Fernando Alonso mostrou-se ambicioso para a nova época de Fórmula 1. O piloto espanhol prometeu lutar pelos primeiros lugares do pódio. «Temos sempre de melhorar, fazer as coisas o melhor possível. O único limite que temos de definir é tentar atingir a perfeição. Vai ser um ano muito difícil devido às alterações das regras e não podemos falhar em nada», disse o piloto num evento publicitário, em declarações reproduzidas no diário «As».
Alonso disse ainda não poder garantir o título porque «no desporto não se faz promessas» mas realçou a «vontade» de vencer.

FIA EMBOLSA
11 MILHÔES


A FIA prepara-se uma vez mais para encaixar quase 15 milhões de dólares (mais de 10,9 milhões de euros)  com as inscrições das equipas de F1 para 2014. Para a próxima temporada, o valor fixo a pagar é de 508 mil dólares, ao qual somam-se 5080 dólares por cada ponto conquistado no ano anterior - a campeã de Construtores em título, Red Bull-Renault, paga 1080 dólares extra por ponto. Assim, a começar pela equipa de Milton Keynes, que conquistou também o título de Pilotos, com Sebastian Vettel, e terminou com 596 pontos, a conta fica logo nos 4,13 milhões de dólares (3,01 milhões de euros).

Na classificação seguem-se a Mercedes, que paga  1,70 milhões de euros para se inscrever, correspondentes aos 360 pontos de 2013, e a  Ferrari, que completa o pódio, entrega  1,68 milhões de euros (354 pontos).Lotus Renault (1,54 milhões de euros, pelos 315 pontos), McLaren-Mercedes (823,912 euros, por 122 pontos), Force India-Mercedes (656,893 euros, 77 pontos), Sauber-Ferrari (582,770 euros, 57 pontos),  Toro Rosso-Ferrari (493,718 euros, 33 pontos)  e Williams-Renault (389,822 euros, 5 pontos) completa a lista das equipas que conseguiram pontos em 2013.

Marussia-Cosworth e Caterham-Renault, as duas últimas de 2013, terminaram a temporada sem ter conquistado qualquer ponto, pagam o valor fixo, ou seja, 371,116 euros cada.