Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Organizao faz balano positivo

12 de Dezembro, 2014

O Africano de Saurimo teve ndices altos de organizao e os angolanos deram cartas nas duas classes

Fotografia: Jornal dos Desportos

O coordenador do campeonato africano de xadrez, Tito Martins, afirmou quarta-feira que a prova correu com excelência sem qualquer situação anormal.

O Campeonato Africano de Xadrez, em juniores, em ambos os sexos, decorreu de 2 a 9 de Dezembro, na cidade de Saurimo, na Lunda Sul.

O responsável, falava durante a cerimónia de encerramento, numa das unidades hoteleira da província, disse que a escolha da cidade de Saurimo para  albergar o campeonato africano de juniores da modalidade foi a mais acertada em função das condições encontradas.

O também vice-presidente da Federação Angolana de Xadrez (FAX) agradeceu à governadora Cândida Narciso a forma como o campeonato africano foi recebido na Lunda Sul, que teve Angola como campeã nas duas classe, por intermédio de Esperança Caxita (feminino) e David Silva (masculino).

“Quero transmitir a todo povo da província da Lunda Sul os agradecimentos da Federação por tornar Saurimo a cidade do xadrez africano “, agradeceu.

Tito Martins solicitou à governadora  para  continuar a apoiar as iniciativas desportivas, não só no xadrez, como também outras modalidades.

TÉCNICO
ARGELINO

O seleccionador da Argélia em xadrez, Yahiaovi Krimov, afirmou na cidade de Saurimo, província da Lunda Sul, que os xadrezistas angolanos têm todo um talento para conseguirem a categoria de Grande Mestre.

O também chefe da caravana da Argélia ao campeonato africano de juniores, em ambos os sexos, disse que os angolanos mostraram que estão a apostar na formação e seus resultados já estão a surtir efeitos.

“Argélia fez tudo para conseguir a primeira posição na competição, mas Angola soube  impor-se e conseguiu conquistar o africano nas duas categoria, por Esperança Caxita e David Silva”, salientou o técnico na cerimónia de encerramento do evento.

O responsável da Argélia frisou,  pelo nível que os xadrezistas jovens de Angola demonstraram durante o certame, em pouco tempo África pode ter mais um ou dois grandes mestres, que sejam angolanos.


XADREZISTA NEUSA DE CASTRO
Moçambicana satisfeita com o “africano”


A jogadora moçambicana Neusa Aridas de Castro manifestou-se satisfeita com os níveis competitivos registados durante o Campeonato Africano de Juniores, em masculino e feminino, disputado de 2 a 9 de Dezembro, na cidade de Saurimo, província da Lunda Sul.

Comparativamente à edição anterior, disputada na Argélia (ocupou a última posição), a moçambicano disse que melhorou muito a sua prestação nesta prova.

“Nesta competição disputada em Angola, onde ocupei a sétima posição, com 4,5 pontos, entre 17 concorrentes, tive uma evolução considerável porque me empenhei muito para atingir esta posição. É pena porque perdi dois jogos por falta de comparência devido ao atraso registado na chegada aqui, na cidade de Saurimo. A organização não aceitou remarcar as partidas face aos regulamentos. Podia ser melhor, mas não estou desanimada” , esclareceu em declarações à Angop, no final da prova realizada no Instituto Médio Politécnico.

Quanto ao último lugar no campeonato da Argélia, realçou que estava mal preparada, face ao engajamento que teve com os estudos para ingressar na universidade.

De 19 anos de idade, a jogadora nascida na Cidade de Maputo, capital de Moçambique, nesta edição triunfou quatro vezes, perdeu duas vezes no “tabuleiro”, um empate e averbou duas faltas de comparência.

Considerou a partida que realizou com a angolana Esperança Caxita (bi-campeã africana) a mais difícil, numa competição que contou com a presença de dez países, designadamente Angola, Argélia, Egipto, Malawi, Moçambique, Namíbia, São Tomé e Príncipe, Swazilândia, Uganda e Zâmbia.

“Fiquei muito triste com o desfecho final deste jogo porque cometi um erro já na ponta final. Fiquei muito nervosa porque tinha à volta muita gente. Senti-me  pressionada porque muitos angolanos estavam interessados na vitória da sua compatriota que precisava de ganhar para revalidar o título continental”,  justificou.

Considerou normal a presença de espectadores, já que em xadrez não é proibida a presença de assistentes, mas de forma silenciosa. “Felicito a Esperança Caxita porque foi a jogadora mais eficaz neste campeonato e com um elo de 1.754 pontos, superior ao meu de 1.479 pontos. Ganhou com toda a justiça a prova”, reconheceu.

Neusa de Castro iniciou a prática do desporto ciência em 2008 na escola e consequentemente a disputar  torneios regionais de acesso ao campeonato nacional daquele país do Oceano Índico, tendo já conquistado uma edição.

Fruto da sua dedicação ao xadrez, a jogadora, que também é estudante universitária, teve o direito de competir nas olimpíadas, disputadas na Turquia.

Os três primeiros lugares do “Africano” de juniores feminino foram ocupados por jogadoras angolanas, designadamente Esperança Caxita (campeã), com 7,5 pontos, os mesmos que Maria Domingos, mas superada nos jogos entre si e da Luzia Pires (11 anos de idade) que totalizou 06. A moçambicana somou 4,5 em sétimo lugar.