Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Paris é quarta cidade a confirmar candidatura

25 de Junho, 2015

Paris confirmou na terça-feira a candidatura para sediar os JO de 2024

Fotografia: AFP

A cidade de Paris, confirmou nesta terça-feira a candidatura para sediar a Olimpíada de 2024, vai tentar  levar os Jogos de volta à capital francesa, exactamente 100 anos depois da última vez que o recebeu. Para isso, no entanto, vai competir com Roma, Boston e Hamburgo, os outros três locais também anunciaram que estão na disputa. A expectativa é que Budapeste se junte ao grupo.

A candidatura de Paris estava já a ser trabalhada nos últimos meses pelo que só se esperava  a confirmação, mas isso aconteceu nesta terça-feira, num evento na sede do Comité Olímpico Francês (CNOSF). A capital do país sediou duas edições dos Jogos Olímpicos, primeiro em 1900 e depois em 1924.

"Nós acreditamos que esta candidatura e o nosso objectivo para sediar os Jogos de 2024 vão empolgar, unir e entusiasmar o povo de Paris, toda a nossa nação e os amantes do desporto olímpico e paralímpico ao redor de todo o mundo", declarou o chefe da candidatura, Bernard Lapasset.

Paris tenta voltar a sediar o evento depois de 100 anos e de alguns insucessos, tendo perdido as eleições de 1992, 2008 e 2012. Nestas duas últimas ocasiões, os dirigentes franceses foram muito criticados por uma suposta arrogância e por isso, optaram por uma abordagem mais cuidadosa e humilde, a  deixar os governantes como incentivadores e garantir que os obstáculos políticos fossem ultrapassados antes de confirmar a candidatura.

"Enquanto avançamos com a nossa candidatura, foi muito agradável ver hoje (terça) que nós já temos o total apoio da cidade, dos governos regional e nacional, assim como do CNOSF e do movimento do desporto francês”, disse Lapasset. “É maravilhoso também receber um significante apoio público e um suporte real dos atletas."

O lançamento da candidatura coincidiu com o Dia Olímpico anual, que celebra a criação do Comité Olímpico Internacional (COI) em 23 de Junho de 1894, justamente na cidade de Paris. A cidade já confirmou uma segunda cerimónia de apresentação do pleito para o dia 14 de Julho, na Bastilha, com a participação do presidente francês François Hollande e algumas das principais figuras políticas e do desporto do país. Depois, vai ter até 17 de Setembro para enviar o projecto ao COI, que  vai anunciar o escolhido em 2017.

Inicialmente, o orçamento previsto pela organização é de três mil milhões de euros, com custo operacional de 3,2 mil milhões de euros. O custo da candidatura foi estimado em 60 milhões de euros.

De acordo com Lapasset, de 60 por cento a 80 por cento dos locais para eventos já foram construídos, o que indica que a infra-estrutura existente é a base do projecto. O Stade de France, uma nova pista de ciclismo nas redondezas de Paris, o complexo de ténis de Roland Garros e diversos marcos parisienses devem ser usados. As principais construções previstas são um centro de imprensa, um parque aquático e a vila olímpica.

O presidente do CNOSF, Denis Masseglia, disse que Paris “promete um conceito praticável e confiável para os Jogos”. A prefeita da cidade, Anne Hidalgo, comentou que “Paris está a mirar um futuro emocionante e corajoso, mantendo-se fiel à sua tradição rica em desporto e cultura e vai desenhar um projecto integrador com todos os talentos da cidade, os seus subúrbios e com os jovens a terem o seu papel”.

BREVE
Justiça propõe prisão para Karabatic

O melhor andebolista mundial da actualidade, o franco -croata Nikola Karabatic, viu segunda-feira o Ministério Público francês propor três anos de prisão, com pena suspensa e multa de 20 mil euros para o jogador do Barcelona, um dos 16 indiciados de estar envolvido numa manipulação de resultados na Liga do seu país em 2012, quando representava o Montpellier. Karabatic, duas vezes vencedor do prémio de melhor jogador do Mundo, em 2007 e em 2014, é acusado de ter apostado contra o seu clube na altura.

VAGA OLÍMPICA
Brasil deve pagar
dívida à FIBA até Agosto


A Federação Internacional de Basquetebol (FIBA), definiu um posicionamento, quanto à concessão de uma vaga directa para o Brasil nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Depois de protelar a decisão, a entidade anunciou, que o país não vai  depender do Pré-Olímpico para garantir um lugar na disputa pela “história no desporto”, por sediar o evento.

Porém, para receber o convite, a Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB) vai ter de quitar uma dívida de 1,4 milhões de dólares à FIBA, referente ao convite para o Mundial de Espanha em 2014, até o dia 31 de Julho. A decisão foi tomada, após reunião do Comité Executivo da FIBA, na última semana.

Sem saber se ia depender da Copa América para classificar-se para o Rio 2016, o técnico Ruben Magnano teve de atrasar o planeamento da selecção masculina, que vai ter pela frente o Pan-Americano de Toronto antes da disputa do FIBA Américas - o Pré-Olímpico da modalidade - em Monterrey, no México, entre os dias 25 de Agosto e 6 de Setembro. “No fim das contas, o atraso prejudica o basquetebol do Brasil porque não nos permite trabalhar com uma programação certa”, lamentou o treinador na última semana.

Na selecção feminina, o técnico Luiz Augusto Zanon também foi prejudicado com a falta de uma resposta da entidade máxima do desporto da bola ao cesto. A Copa América feminina vai ser realizada em Edmonton, no Canadá, entre 9 e 16 de Agosto. No ano passado, a equipa verde -amarela não conseguiu uma vaga no Mundial, mas participou como convidada. Para concorrer ao convite, o Brasil e as demais selecções tiveram de pagar uma taxa de 500 mil dólares à FIBA.