Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Patrimnio do Sport Lubango est legalizado

Gaudncio Hamelay, Lubango - 02 de Março, 2019

O dirigente mostrou-se regozijado por exibir hoje infra-estruturas que comeam a exaltar a imagem da cidade de Lubango.

Fotografia: Jornal dos Desportos

 Desde Novembro de 2018, as infra-estruturas do Sport Lubango e Benfica estão registadas na Conservatória do Registo Predial e as matrizes prediais no Ministério das Finanças. A legalidade dos bens patrimoniais coloca o clube huilano em condições de negociar com as diferentes instituições financeiras.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o presidente de direcção da agremiação, Jacks da Conceição, manifestou a disponibilidade de contactar as instituições interessadas em investir no clube.
\"Conseguimos as matrizes prediais de todas as infra-estruturas. Agora, são pertences do Sport Lubango e Benfica o campo de futebol 11 de Novembro, pavilhão gimnodesportivo e a sede social\", descreveu.
Com a legalização das infra-estruturas, o próximo passo é alterar a designação de Benfica Petróleo do Lubango para Sport Lubango e Benfica, conforme foi aprovado em Assembleia Geral. O requerimento vai ser entregue às entidades notariais em breve, conforme garantiu Jacks da Conceição.
O dirigente mostrou-se regozijado por exibir hoje infra-estruturas que começam a exaltar a imagem da cidade de Lubango. Com a conclusão da reparação da sede social e do pavilhão gimnodesportivo, o clube vai investir na busca de mais patrocinadores para os desportos de sala e de estrada.
\"Tínhamos uma sede social que filtrava água. Hoje, está novinha em folha e já acomodamos bem os nossos visitantes. Podemos dizer que estamos realizados nesse capítulo\", disse.
Na exaltação do trabalho, Jacks da Conceição destacou a reconstrução do campo relvado com água e iluminação, aumento de número de autocarro (de um para dois) e elevar as obras a 70 por cento.
\"Para quem não encontrou campo para a prática de futebol e acréscimo de meios rolantes, sentimo-nos um pouco realizado. O homem é egocêntrico e nem sempre se sente satisfeito com o que faz. Não devemos estar acomodados com isso. Queremos fazer crescer o património para que se desenvolva cada vez mais\", disse.