Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Paulo de Almeida considera objectivo atingido

Silva Cacuti - 15 de Agosto, 2019

Zimbabwe dominou a competio disputada em Luanda

Fotografia: Paulo Mulaza | edioesnovembro

A rara e inesquecível fotografia do Estádio dos Coqueiros, na tarde de terça-feira, lotado para testemunhar o encerramento da 10ª edição dos Jogos da Organização de Cooperação dos Chefes de Polícia da Região Austral de África (SARPCCO), disputados de 3 a 13 do corrente, em Luanda, foi um momento marcante que se juntou aos de convivência, obediência, submissão, sofrimento, respeito, honra e dignidade registados nas diversas quadras desportivas ao longo dos dias de competição.
Atletas afectos às corporações policiais de Angola, África do Sul, Moçambique, Zimbabwe, Botswana, e-Suatini, Namíbia e Zâmbia partilharam a vila olímpica instalada no Futungo II e provaram aspectos culturais da gastronomia, cultura e, obviamente, desporto de cada país. Desde o futebol, xadrez e atletismo, que se fizeram representar nas duas classes, ao netball, especialidade feminina; voleibol masculino e dardo, jogados só por homens, a camaradagem e a irmandade entre os polícias da região vincaram. Aliás, foi também um dos aspectos realçado por Paulo de Almeida, Comandante-Geral da Polícia Nacional, na sua abordagem sobre os jogos à imprensa.
Paulo de Almeida procedeu ao discurso de encerramento dos jogos.
\"Não estão em causa os prémios, mas a valorização da cultura, as profissões e a amizade. Fomos terceiros classificados na tabela geral de classificação e acredito que, na próxima edição, vamos fazer melhor\", disse.
O objectivo primário do evento foi alcançado. Os polícias da região mantiveram contactos e alargaram o ambiente de trabalho.
O próximo organizador dos Jogos, que deixam de ser bienais e passam a trienais, vai ser encontrado através de candidaturas a serem apresentadas durante a próxima reunião de ministros a decorrer em Harare, Zimbabwe.
Angola, com um total de 233 atletas, foi o país com maior representação, seguido pela África do Sul com 111. A delegação de e-Swatini com apenas oito integrantes foi a mais reduzida.
O Zimbabwe com 65 medalhas, das quais 20 em ouro, 24 de prata e 21 de bronze, dominou a tabela classificativa. A Namíbia arrecadou um total de 31 medalhas e ficou na segunda posição. Angola subiu ao pódio como terceiro classificado com 29 medalhas. O pecúlio angolano é composto por nove medalhas de ouro, sete de prata e 13 de bronze.