Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Paulo Silva ergue Taça de Angola

23 de Setembro, 2014

Participaram da prova 12 atiradores em representação de clubes das províncias de Cuanza Sul, Luanda, Benguela e Huíla.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O atirador do 1º de Agosto, Paulo Silva conquistou no último domingo, na cidade do Lubango, província da Huíla, a Taça de Angola de tiro aos pratos. O atleta huílano quebrou 115 pratos em 125 possíveis. A prova decorreu no campo de tiro com o seu nome, enquadrou-se na quinta etapa do Campeonato Nacional, com as seguintes posições dos atiradores do Interclube: Gastão Elias com 110 e Mário Ribeiro Cacongo com 109 pratos quebrados.

Ausente da edição passada da Taça de Angola, Paulo Silva mostrou-se radiante com o seu desempenho, por se tratar da segunda maior prova do calendário nacional Em reacção à conquista, o atirador justificou que desde a instalação do campo de tiro no Lubango, há quatro anos, a sua preparação tem sido mais fácil e eficaz. Por isso “os resultados aparecem naturalmente”.

Paulo Silva afirmou que a modalidade de tiro na Huíla está a crescer e que a capital huílana tornou-se no melhor sítio de tiro do país. A justificação da sua afirmação reside na presença constante de “muitos atletas” naquela parcela do país. “O campo de tiro do Lubango galvaniza muitos atletas a visitarem esta região”, disse. Participaram da prova 12 atiradores em representação de clubes das províncias de Cuanza Sul, Luanda, Benguela e Huíla.

BREVE
China estabelece máximo mundial no tiro

A China estabeleceu ontem um novo recorde mundial na modalidade olímpica feminina de tiro de pistola de ar comprimido a dez metros, durante os Jogos Asiáticos, em Incheon, Coreia do Sul. A selecção chinesa, formada por Yi Siling, Wu Liuxi e Zhang Binbin, alcançou um resultado combinado de 1.253,8 pontos. A anterior marca, 1.253,7 pontos, pertencia a outra selecção chinesa e tinha sido alcançada em 2013, em Teerão.

Nesta prova dos Jogos Asiáticos, a China chegou a ser desqualificada devido a irregularidades na arma de Zhang Binbin, mas um recurso da delegação chinesa recolocou a equipa em prova e homologou o resultado.