Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pepino é campeão da terceira idade

João Francisco - 01 de Janeiro, 2014

As duas medalhas de Ouro alcançadas pelo ciclista angolano mais representativo da terceira idade, Alberto Silva

Fotografia: Jornal dos Desportos

As duas medalhas de Ouro alcançadas pelo ciclista angolano mais representativo da terceira idade, Alberto Silva “Pepino”, 91 anos, nos Jogos Seniores de Cleveland (EUA), bem como a participação do campeão e vice-campeão de Angola, Igor Silva e Walter Silva, na 75ª Volta a Portugal em bicicleta, de 6 a 19 de Agosto, foram os factos mais relevante do ciclismo angolano em 2013.

 Depois de Pepino ter participado pela primeira vez, em 2009, aos 86 anos de idade, numa competição que reúne os antigos campeões mundiais, de dois em dois anos, nos Estados Unidos, Pepino conquistou as medalhas de ouro nos 20 e 40 quilómetros de estradas.

Mesmo depois de uma cirurgia que o impediu de estar presente na competição de 2012, Alberto Silva “Pepino”, considerado um ícone do desporto angolano e exemplo para a juventude, provou a Angola e ao Mundo que o desporto não tem idade nem fronteira.

VOLTA A PORTUGAL
Em 38 anos de independência de Angola, o país participou pela primeira vez em 2013 na Volta a Portugal em Bicicleta, uma competição com tradição mundial e secular.

Na 75ª Volta a Portugal/Liberty em bicicleta, o último filho de Alberto Silva “Pepino” e campeão nacional Igor Silva foi o único a chegar ao final da mais prestigiada competição portuguesa.  O angolano ocupou 110º lugar. Na segunda etapa da prova, Igor Silva provocou uma fuga durante 100 quilómetros.  Na oitava etapa, abandonou o percurso.

Em companhia de Walter Silva, os angolanos deixaram o “perfume” do futuro do ciclismo nacional.

VOLTA DO CACAU
Os ciclistas angolanos voltaram a passear toda a classe na IV edição da Volta do Cacau em São Tomé e Príncipe. Na competição do arquipélago, a delegação nacional venceu todas as provas com uma  exibição de luxo,  em que prevalenceu a hegemonia. Desde 2010, os angolanos tornaram a competição de cariz internacional,  fazem parte da galeria de campeões. Os clubes como Santos Futebol e Sport Luanda e Benfica são os mais representativos.

No ano que terminou, a Volta do Cacau serviu também para dar rodagem competitiva à selecção nacional de Esperanças , formada pelos ‘viveiros’ da Federação Angolana de Ciclismo, depois de cumprir a etapa inicial de formação na Escola David Ricardo, pioneira na detenção de novos talentos.

RESSURGIMENTO
DO  BENFICA DE LUANDA

O ressurgimento do Sport Luanda e Benfica no ciclismo angolano, que integra  ciclistas benguelenses como Igor Silva e Walter Silva, veio dar outro alento às competições internas. O Benfica de Luanda repetiu, em 2013, a proeza do ano passado ao vencer quase todas as competições internas  (do calendário oficial da Federação Angolana de Ciclismo (FACI) e da Associação Provincial de Ciclismo de Luanda). A Escola David Ricardo foi a sua principal ‘sombra’.

A equipa do Santos Futebol Clube (SFC) viveu dificuldades de índole financeira, que repercutiu nas competições internas e internacionais. A FACI esteve representada no IX Campeonato Africano de Ciclismo que decorreu de 1 a 5 de Novembro em Sharm El Sheik (Egipto) com um comissário na organização, apesar de não ter participado com uma equipa no evento.

NOVOS ÓRGÃOS
INTEGRAM  DIRECÇÃO

No capítulo organizacional, a Federação Angolana de Ciclismo (FACI) reforçou o elenco eleito para o quadriénio 2013-2017 liderado pelo deputado Diógenes de Oliveira, que já vai no seu terceiro mandato. Três vices-presidências (Administrativa, Cooperação e Markting , Desportiva e para o Ciclismo feminino) foram incorporadas para dar reposta aos novos desafios.