Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Perestrelo projecta GP Senhora do Mote

Helder Jeremias - 08 de Agosto, 2016

Jorge Perestrelo tem como meta para a presente edição do campeonato Nacional de Fosso Olímpico resgatar o troféu perdido para o seu colega de equipa Paulo Silva

Fotografia: Nuno Flash

O atirador ao serviço do 1º de Agosto, Jorge Perestrelo, tem em agenda a realização de um micro-ciclo preparatório com vista à disputa do Grande Prémio "Nossa Senhora do Monte" que o  fosso olímpico do Clube de Tiro  e Pescas do Lubango vai albergar de 26 a 28 do presente,  em alusão as festas da cidade.

Referenciado entre os atiradores mais precisos da praça nacional, Jorge Perestelo teve uma prestação muito aquém das suas reais capacidades na disputa do Grande Prémio Zeca França, com palco no campo do Regimento de Defesa Antiaérea, no âmbito das comemorações alusivas ao 39º aniversário do 1º de Agosto, em função da fraca visibilidade devido à falta de relva na parte frontal do fosso, tendo se quedado na décima primeira posição com 99 pontos.

Apesar das circunstâncias terem resultado na drástica redução dos seus índices de produção, o atirador nunca virou costas à luta, tendo ficado entre os três primeiros mais precisos na primeira etapa, em que nas três pranchadas teve o somatório de  19, 18, 17, o que perfez o total de 54 disparos precisos, altura em que o atirador da Força Aérea Nacional, Paulo Alves detinha o melhor registo, com 66 pratos quebrados.

Jorge Perestrelo começou a ser condicionado com maior intensidade na segunda etapa, em virtude dos raios solares incidirem verticalmente sobre a zona em que o alvo era projectado, de modo a que nas duas pranchadas não foi além dos 36 disparos certeiros, subdivididos em 18 unidades cada, somatório que elevou no cômputo geral para a safra de 90 pontos.

O atirador da Força Aérea Nacional, Paulo Alves, gozou de algum favoritismo, uma vez que está melhor familiarizado com a estrutura do campo que acolheu o certame, mas, á semelhança de todos concorrentes, reconheceu a "necessidade" do implante de relva na parte dianteira do campo do Cantinton para que cenário idêntico não volte a colocar em causa o desempenho dos homens das espingardas.

Jorge Perestelo lamentou, em declarações ao Jornal dos Desportos, o facto de não poder ter brindado a primeira homenagem ao atirador Zeca França com uma classificação mais dilatada em termos numéricos, mas sente-se regozijado pelo trabalho levado a cabo pela direcção do clube militar para que a efeméride fosse festejada com um evento à sua dimensão.

Familiarizado com o campo de tiro do Clube de Tiro e pescas do Lubango, Jorge Perestrelo acredita que voltará das terras Altas da Chela com um troféu entre os demais adereços na sua bagagem, mas está ciente de que tal proeza só poderá se materializar caso cumprir à risca o seu programa de preparação técnica, psicológica e física.

Na qualidade de um dos atiradores com mais títulos e representações na selecção nacional, Jorge Perestelo tem como meta para a presente edição do campeonato Nacional de Fosso Olímpico, resgatar o troféu perdido para o seu colega de equipa, Paulo Silva, de maneira que possa merecer o voto de confiança do órgão reitor para representar as cores nacionais nas competições internacionais.

O atirador aproveitou para expressar a sua alegria em virtude da presença de Angola na maior competição desportiva à escala planetário, ou seja, os Jogos Olímpicos, por intermédio do campeão nacional de fosso olímpico, Paulo Silva, pois, em sua óptica, "é uma demonstração clarividente de que a modalidade continua a dar um substancial contributo pela dignidade do país no contexto das nações".


Francisco Gastão acredita no futuro da modalidade

O atirador do Interclube, Francisco Gastão, perspectiva momentos áureos para a modalidade  no contesto nacional e internacional em função do surgimento de infra-estruturas de elevada qualidade e o projecto de inserção de novos atletas que os principais clubes estão a gizar no âmbito da massificação.

Em declarações ao Jornal dos desportos durante a disputa da quinta jornada do campeonato nacional, organizada pelo 1º de Agosto no fosso Olímpico da Força Aérea nacional, para comemorar o 39º aniversário, Francisco Gastão mostrou-se regozijado por fazer parte do evento em tributo ao malogrado atirador Zeca França, ao lado de quem conquistou vários troféus e partilhou momentos de alegria, apesar da sua avançada idade.

A evidenciar excelente forma desportiva, Francisco Gastão obteve a terceira melhor média de disparos precisos, isto é, 99 pratos, subdivididos em cinco pranchadas (20, 18, 21, 20, 20) não obstante a fraca visibilidade que afectou todos os concorrentes, ao passo que o segundo colocado, Filipe Falcão, seu colega de equipa, também obteve 90 pontos em igual número de pranchadas 18, 19, 19,20, 23).

Francisco Gastão reconhece que os custos que a modalidade exige impossibilita que pessoas com talento possam enveredar por uma carreira desportiva, por isso apoia o trabalho que as direcções dos clubes estão a levar a cabo no sentido de permitir que o tiro se torne mais expressivo a médio prazo, numa altura em que as províncias de Benguela e Huila, para além de Luanda, se têm destacado no capítulo da massificação.

Depois do terceiro lugar individual e ajudar o Interclube a vencer a prova em homenagem a Zeca França, a conquista do Grande Prémio Nossa Senhora do Monte está na agenda do dia, por isso, tal como os demais atiradores que ambicionam a conquista do cobiçado troféu que todos os anos junta a nata de atiradores nas terras da Serra da Leba.

O atirador sabe que a conquista do Campeonato Nacional passa por uma prestação ao mais alto nível, na medida em que todas equipas contam com atletas de elevado prestígio e os principais candidatos concretizam  médios muito próximos, mas garante estar na prova para os mais nobres objectivos, que passam pelos lugares mais prestigiantes em qualquer prova que estiver inserido.

"Representar o clube com esmero é o objectivo que nos leva a competir, sempre, é claro, com os olhos postos na conquista do título nacional. Só com muito trabalho poderemos concretizar esta meta porque a competição é renhida, tendo em conta os grandes valores que estão envolvidos nela", reconheceu Francisco Gastão.
HJ


FEMININO
Julieta Gabriela almeja subida
de rendimento


A melhoria do penúltimo lugar da tabela classificativa na primeira edição do grande Prémio Zeca França é o objectivo primordial da atiradora ao serviço do 1º de Agosto, Julieta Gabriela, para a sua presença na sexta jornada do Campeonato nacional de Fosso olímpico, que a cidade do Lubango vai albergar nos dias 27 e 28 deste mês.

A novata atiradora está satisfeita com os resultados que está a obter no seu segundo ano de competição diante de atiradores com um longo percurso na modalidade das espingardas, tendo recebido grandes elogios por parte dos especialistas devido à sua atitude e técnica no manuseio dos fuzis.

A jovem atiradora tem trabalhado ao lado da sua colega de equipa mais experimentada, Erica Andrade e a outra nova aposta do género feminino do 1º de Agosto, Janaina Andrade, em projecção de uma classe de mulheres para ajudar a suprir o reduzido número de mulheres capazes de representar Angola dentro e fora do país. Julieta Gabriela obteve, 28 pontos nas cinco pranchadas, com parciais de 7, 6, 4, 3, 8, mas esta média poderá ser superada por números mais expressivos, tendo em conta que todos atiradores viram as respectivas médias decrescerem de forma acentuada devido à falta de contras no campo da FAN.

"Estou motivada em continuar a trabalhar neste meu segundo ano, pois tenho recebido apoio dos meus colegas e direcção da equipa para que as dificuldades possam ser superadas. Foi uma prova interessante e julgo que poderei alcançar resultados mais satisfatórios nos eventos que teremos pela frente", augurou Julieta Gabriela.
Helder Jeremias