Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Prolas prontas para o "Africano" de Brazzavile

Silva Cacuti - 01 de Dezembro, 2018

Angolanas viajaram optimistas e preparadas para um bom desempenho que permita regresso vitorioso ao pas

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

A selecção nacional de andebol sénior feminina, vulgarmente conhecidas por \"Pérolas\", está desde ontem em Brazzavile, República do Congo, onde vai assinalar a 20ª presença em campeonatos africanos da categoria. Angola começou a disputar a prova em 1981, de lá para cá, não falhou nenhuma edição.
A cidade de Brazzaville vai entrar para a história do andebol africano, não só por testemunhar a 13ª conquista de Angola, mas também, por ser o primeiro campeonato africano que inscreve um treinador que já foi campeão do mundo.
Além do cortejo de conquistas e estrelas que exibem, as Pérolas vão ser treinadas por Morten Soubak, que em 2013 conquistou o campeonato mundial, ao comando da selecção do Brasil. Soubak e suas pupilas, têm a missão de revalidar o título.
A estreia vai ser amanhã às 13h00, diante da Guiné. A selecção adversária é uma equipa \"desconhecida\", faz a sua segunda participação em provas do género, depois do último lugar na Argélia, em 2014.
Apesar de ainda \"verdes\",  as guineenses estão desde 28 do corrente em Brazzaville, perspectivam grandes ambições. Bantama Sow, ministro dos desportos guineense, ao despedir-se do grupo pediu para se baterem com dignidade, pela bandeira de seu país. \"Tem de ficar registado que o andebol guineense teve uma grande evolução e que já não somos os mesmos\", disse.
Em resposta, Djenaba, capitã da selecção, prometeu trabalhar para regressar à Conacry com uma medalha. A equipa teve um estágio pré competitivo em Brest, França. Falar é uma coisa e fazer é outra! Além de Angola que tem objectivos definidos, estão no grupo B, a anfitriã, a RDC de Cristianne Mwasesa e Marrocos, pelo que o sonho guineense pode não passar disso.
Na segunda jornada, na terça-feira, as pérolas defrontam a similar de Marrocos, outro jogo com gosto de aperitivo, dado o desnível competitivo entre angolanas e as adversárias. Na quarta-feira, há repouso geral,  Angola volta a competir na quinta-feira, diante da RDC. O jogo com a RDC, o grau de dificuldade pode crescer, mas não belisca o favoritismo angolano.
No dia 7, Angola fecha a fase de grupos diante da anfitriã, República do Congo, em partida em que o factor casa pode elevar, em grande medida, as dificuldades para o conjunto nacional. Pode ser o jogo para a decisão do 1º classificado.
No grupo A, jogam as equipas da Tunísia, Camarões, Costa do Marfim, Senegal e Argélia.