Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petro ambiciona ttulo

Gauncio Hamelay no Lubango - 27 de Julho, 2019

Fotografia: Agostinho Narcso | EDIES NOVEMBRO

A ânsia de erguer os troféus atribuídos aos primeiros classificados dos campeonato nacionais de pista,  em seniores masculino e feminino, predomina no seio dos atletas do núcleo do Petro de Luanda,  residentes na província da Huíla. Depois de longos meses de preparação, a equipa desembarcou em Luanda com o espírito de campeão.

Quatro atletas de Lubango juntam-se ao grupo do Petro de Luanda e vão disputar hoje, na pista do Estádio dos Coqueiros, as provas de velocidade e de meio fundo. Fernando Cambinda, Zacarias Jaime, Manuel Chivela e Augusto Capenda correm as provas de 400m, 800m, 1500m e 5000 metros.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, o treinador do núcleo do Petro de Luanda na cidade de Cristo-Rei, Gabriel Manuel, assegurou que "os atletas estão bem preparados para se sagrarem campeões nacionais, pois, o núcleo está há bastante tempo sem ganhar o troféu principal". Do lote enviado à prova, a responsabilidade de consagração está entregue a Fernando Cambinda  e Manuel Chivela.

"Estão preparados a disputar os lugares do pódio com qualquer adversário. Os indicadores constatados durante a preparação garantem os lugares cimeiros. Corrigiu-se e foram melhorados os aspectos negativos", garantiu.

  NACIONAL DE PISTA
1º de Agosto "corre" lesionado


Com um grupo reduzido, o núcleo do 1º de Agosto na Huila deslocou-se a Luanda com objectivo de disputar os troféus das especialidades de meio-fundo. A missão está atribuída a Lucélia Beno, Manuel António e Sabonete Século, todos com históricos de lesões. A tripla disputa as provas de 800 e 1500 metros.

"Acreditamos que vão fazer uma boa prestação. Sabonete é um atleta júnior e uma promessa do atletismo nacional. O adolescente faz a estreia numa competição nacional sénior. Atravessa uma  boa forma desportiva, está motivado a subir ao pódio e vai deixar orgulhoso o 1º de Agosto\", prometeu o treinador da agremiação militar, Lázaro João.Revelou que durante o ciclo preparatório tiveram várias contrariedades na colectividade. As lesões resultantes do péssimo estado das pistas improvisadas de terra batida estão superadas a 80 por cento. Manuel António não se encontra na sua melhor forma desportiva, assim como Lucélia Beno.

O treinador apela às entidades do governo local a definirem políticas  que visem a promoção e o desenvolvimento do atletismo. A Huila, justifica, "é o celeiro do atletismo nacional"."Trabalhámos nessas pistas, por falta de outras. Não há mais. É um problema que existe há décadas e não podemos chorar  por aquilo que não temos. Todo o cuidado é pouco, quando se trabalha nela. Diante de dificuldades, privilegiamos o patriotismo em defesa do atletismo nacional", comentou.

Lázaro João reconhece que os embaraços afectam todos os desportos praticados na Huila. "O importante é a determinação das pessoas e juntos lutaremos para superar as dificuldades. As modalidades estão firmes", afirmou.Para a conquista do título, Lázaro João definiu o 1º de Agosto, Interclube e Petro de Luanda, por essa ordem, os únicos clubes que granjeiam performances competitivas para o pódio do nacional de pista. 

OBJECTIVO
Treinador militar pede marcas pessoais

O treinador do núcleo de atletismo do 1º de Agosto na Huíla, Lázaro João, augura as melhores marcas pessoais dos militares na 38ª edição do campeonato nacional de pista da categoria sénior, que se disputa hoje e amanhã no Estádio dos Coqueiros, em Luanda.O especialista militar sustenta que as melhores marcas determinam a qualidade do atletismo em África.
"O atletismo em África é o melhor do mundo, sobretudo, nas corridas de fundo e meio fundo. Pretendemos melhorar as marcas pessoais de cada atleta", destacou.Lázaro João apela aos treinadores nacionais a trabalharem para “marcas significantes e não, somente, na obtenção do primeiro lugar" dos eventos desportivos."Só assim vamos ombrear com o atletismo de outras partes de África, em especial na nossa zona VI", justificou.