Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petro de Luanda aposta no andebol

Silva Cacuti - 27 de Novembro, 2014

Rumores colocam algumas das principais peças da equipa tricolor no rival 1º de Agosto como Magda Cazanga e Iracelma Silva

Fotografia: Jornal dos Desportos

O andebol sénior feminino vai merecer todas as prioridades do elenco directivo do Petro de Luanda e vai entrar em todas as competições com o objectivo de vencer, durante o quadriénio 2015-2018, período em que o futebol e basquetebol do clube não vão entrar nas suas competições como candidatos aos respectivos títulos.

“Em relação ao andebol o nosso objectivo é vencer todas as competições que vamos participar, nomeadamente o campeonato nacional, Taça de Angola, Babacar Fall, Taça das Taças, Supertaça Francisco de Almeida e campeonato provincial”, disse. O presidente do clube petrolífero disse haver uma estratégia para abordagem às atletas influentes, que estão em fim de contrato e prevê a contratação de alguns reforços para que Vivaldo Eduardo, treinador principal leve a cabo a ambição do clube.

Rumores colocam algumas das principais peças da equipa tricolor no rival 1º de Agosto. Magda Cazanga e Iracelma Silva são os nomes apontados como eventuais reforços da equipa de Victor Chikoulaev. O Progresso  Sambizanga é também outro interessado no “espólio”, mas Tomás Faria tranquiliza os adeptos e diz que aguarda pela chegada das atletas petrolíferas que integram a Selecção Nacional que está em Portugal  a cumprir estágio para “acertar as coisas”.

O andebol é das modalidades afectadas pela crise financeira do clube, com alguns prémios em atraso, mas a direcção petrolífera prometeu que a liquidação do passivo com o andebol e outras modalidades já estava accionada e que provavelmente nesta semana estava concluída. O andebol sénior feminino do Petro de Luanda não ganha o campeonato nacional há dois anos,  nesta época perdeu o título de campeão africano que há duas dezenas de anos mantinha.

Campeão dos campeões no futebol, que é a sua primeira modalidade na hierarquização estabelecida no seu Plano de Desenvolvimento Integrado,  o Petro de Luanda recorre à terceira modalidade, depois do basquetebol, para que seja o principal rosto do clube.

PROJECTO
Técnico Vivaldo Eduardo aceita desafio

O estatuto que o andebol feminino no Petro de Luanda ganhou com a condição de ser das poucas em que o clube entra para vencer competições, a par da ginástica, longe de ser um quebra- cabeças para o treinador da equipa, é encarado como um desafio materializável. Vivaldo Eduardo confia no plantel que dispõe, em que há uma significante fatia saída da formação, só pede que a direcção do emblema tricolor lhe permita “alguns reforços”, como disse na conferência de imprensa convocada pela direcção do clube, para balancear a época finda.

“Para nós é mais fácil assumir que vamos lutar pelos títulos, um pouco pela mística do Petro,  também porque é isso que temos feito ao longo de vários anos”, começou. Vivaldo Eduardo está consciente das alterações ocorridas no mercado da modalidade, onde há muita agressividade nas transferências de atletas e surge uma terceira força, o Progresso, que se quer firmar no andebol angolano. “É verdade que a realidade que a realidade neste momento é muito diferente do que foi o ciclo olímpico anterior, mas somos treinadores de andebol para qualquer realidade”, mostrou prontidão.

O treinador petrolífera ainda desconhece as atletas com que vai contar na próxima época, já que há um núcleo de atletas que estão em final de contrato e a direcção do clube ainda não as abordou para a renovação, facto que alimenta rumores de destinos incertos para algumas delas.
“Felizmente potenciamos a nossa formação e sentimos que temos condições para continuar a competir e com alguns reforços, manter as nossas conquistas”, comentou.  Silva Cacuti

AFRICANA
Equipa pode
falhar prova

Depois de sete anos consecutivos de presença em todas as provas africanas, o Petro de Luanda pode falhar em 2015, a edição da Taça das Taças Africanas, caso a prova não se dispute em Angola, admitiu Tomás Faria, líder da direcção tricolor. O responsável explicou que “a equipa tem participado da Taça das Taças Africana pelo facto de ser uma prova que se disputa na mesma cidade que em regra acolhe a Supertaça continental Babacar Fall”.

“Ocorre que este ano o vencedor do campeonato africano é angolano, tal como o vencedor da Taça das Taças, facto que permite que a Supertaça Babacar Fal seja disputada em Angola. Se eventualmente a Taça das Taças não for realizada aqui, poderemos não participar”, disse, quando balanceava a época desportiva em conferência de imprensa.

Depois de um largo domínio da Taça dos Campeões e da Supertaça Babacar Fall, o Petro de Luanda começou em 2008 a participar na Taça das Taças e desde então é também vencedor. Na presente época a equipa perdeu para o 1º de Agosto o título africano de clubes campeões.
S.C