Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Piloto Lewis Hamilton domina treino

25 de Julho, 2015

Líder do campeonato mundial mantém os níveis de confiança

Fotografia: AFP

Hoje realiza-se as qualificativas para o Grande Prémio da Hungria, que se realiza amanhã, e as emoções já mexem o circuito de Hungaroring. Após quase três semanas de interrupção, a Fórmula 1 voltou a montar a sua estrutura para a disputa do décimo Grande Prémio da época. Na manhã de ontem, em Budapeste, na Hungria, o britânico Lewis Hamilton cravou o melhor tempo do primeiro treino livre com a marca de 1min25s141 registada já nos instantes finais.

A sessão ficou marcada com o acidente do mexicano Sergio Pérez. A cerca de 30 minutos para o final da actividade, o piloto da Force India capotou após o seu carro ter a suspensão traseira quebrada.

Apesar do susto, no meio do clima melancólico que a categoria vive, depois da morte de Jules Bianchi, o mexicano não sofreu ferimentos e o treino foi retomado após a retirada da bandeira vermelha.

Como é da praxe, o maior perseguidor de Hamilton foi o seu companheiro de Mercedes, o alemão Nico Rosberg, que fez a sua melhor volta em 1min25s250, à frente do finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, dono do terceiro tempo mais eficiente, com 1min25s812.

Os dois pilotos da Red Bull completaram o grupo dos cinco melhores, com o australiano Daniel Ricciardo em quarto e o russo Danii Kvyat em quinto.
Ainda a fazer ajustes nos carros, a Williams pouco andou em Hungaroring e não mostrou o seu verdadeiro potencial para o final de semana. O brasileiro Felipe Massa preferiu não voltar à pista após a bandeira vermelha e anotou apenas o 14º tempo, cinco posições abaixo do parceiro na equipa britânica, o finlandês Valtteri Bottas.

De contrato renovado, Felipe Nasr levou a Sauber à 15ª posição, um posto à frente do sueco Marcus Ericsson, companheiro na equipa suíça.
A McLaren, dos campeões Fernando Alonso e Jenson Button, foi para a pista com o sexto motor da época, porém a equipa não vai ser punida pela Fórmula 1, que mexeu no regulamento para evitar novas sanções à equipa britânica. Mesmo assim, o espanhol e o inglês terminaram apenas no 11º e 12º lugares.

Sergio Pérez deixou o treino após o capotamento, mas mesmo assim manteve o oitavo lugar, atrás do alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, e da Toro Rosso do espanhol Carlos Sainz.

PÉREZ ESCAPA ILESO
Sergio Pérez escapou ontem ileso do acidente sério que sofreu no primeiro treino livre em Hungaroring. O mexicano escapou na saída da curva 11, bateu na zebra e, com a quebra da suspensão traseira direita, bateu no guard-rail interno e capotou.

"Foi um acidente feio e foi realmente uma falta de sorte", disse Pérez conseguiu sair sozinho de dentro do carro sem maiores problemas. O piloto da Force India ainda foi ao centro médico da pista húngara, mas nada foi constatado.

"Foi um acidente feio e uma falta de sorte", afirmou Pérez aos jornalistas na pista.

O mexicano esclareceu que "a pista estava muito suja" e ao posicionar-se no lado errado do traçado fez um ângulo ruim que o levou a capotar.

"Foi um acidente estranho. Estava no controlo o tempo todo e, agora, temos de verificar tudo e analisar os detalhes", acrescentou.

A Force India ainda não informou as causas exactas do acidente, mas sugestões iniciais apontam mesmo para uma quebra da suspensão no momento em que o carro bateu nas zebras.


DÍVIDA
Equipa Lotus
enfrenta Pirelli


A equipa Lotus passou por uma situação no mínimo incomum durante a primeira sessão de treinos livres para o GP da Hungria: com dívidas à fornecedora de pneus, a Pirelli, a equipa ficou sem equipamento disponível e só pôde dar uma volta com um dos seus pilotos.

A situação foi particularmente frustrante para o britânico Jolyon Palmer, piloto de testes, que participaria apenas da primeira sessão e acabou sem, ao menos, tempo marcado.

A Lotus atravessa uma série de problemas com os parceiros e está a negociar os seus débitos na justiça. No caso dos pneus, a Pirelli recusou libertá-los antes de receber o pagamento. O problema não era de fluxo de caixa, mas, sim, de complicações na transferência do dinheiro, o que foi resolvido apenas 50 minutos antes do início da sessão, de acordo com o chefe da equipa, Federico Gastaldi. O próprio argentino ajudou os mecânicos a retirar os pneus com os italianos.

Depois de andar muito pouco no primeiro treino, as actividades da Lotus voltaram ao normal na segunda sessão.