Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pilotos com boas performances dentro e fora do país

Hélder Jeremias - 01 de Janeiro, 2014

O ano de 2013 foi profícuo para os desportos motorizados.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O destaque recai para a bem sucedida realização da primeira edição do campeonato nacional de velocidades, que fez disputar provas nas províncias da Huíla, Benguela, Namibe, Kwanza-Sul, Luanda e Huambo, nas categorias de automóveis 2000cc, “Open” 1500cc, protótipos e motociclismo com 600cc.

A Federação Angolana dos Desportos Motorizados, em parceria com alguns agentes desportivos, entre os quais a LS Sport, tem um saldo positivo nas organizações de eventos. Desde a tomada de posse em 2012, a classe conheceu grandes avanços do ponto de vista competitivo, assim como estruturação organizativa das equipas.

Na categoria de Radicais, o piloto ao serviço da LS Sport, Daniel Vidal foi o nome de destaque ao vencer a primeira edição do “Nacional de Velocidades”, depois de arrebatar o troféu no ano anterior.

Nos 1500cc, o corredor da COSAL, George Almeida continua a ser o mais rápido, ao passo que, nas motorizadas de 600cc, Helder Coelho “Vuty” ao serviço da TDA voltou a bater na concorrência o piloto do Team Huambo, Dinho Máquina.

Nas competições internacionais, o piloto Luís Sá Silva teve uma época regular no campeonato de GP3, não obstante algumas dificuldades inerentes à fase de adaptação na aguerrida competição em que despontam equipas de referência internacional. 

Marcada por alguns acidentes, o piloto defendeu as cores do Team Carling demonstrou, mais uma vez, estar ‘talhado’ para as grandes competições, nunca baixou a cabeça perante as adversidades o que encanta os técnicos.

RICARDO TEIXEIRA
E DUARTE FERREIRA

Depois de ter ficado parado durante o ano de 2013, por dificuldades financeiras, o piloto angolano Ricardo Teixeira está esperançado em voltar a representar o país nos mais elevados patamares do automobilismo internacional.

O também piloto de testes de Fórmula 1 não esconde o seu desalento por ter ficado parado, apesar de ter participado em duas provas de GP 2, para suprir a ausência do piloto de uma das equipas. Nas provas, Ricardo Teixeira obteve bons resultados.

“Foi difícil ter ficado parado durante o ano, mas isso faz parte da vida de um corredor, porque as coisas nem sempre correm como esperamos.
No entanto, estou pronto para outros desafios, desde que as oportunidades apareçam”, disse o piloto ao Jornal dos Desportos. Duarte Ferreira espera voltar a competir ao mais alto nível. O piloto aproveita a ausência das pistas para aprimorar a condição física nas competições de ciclismo nos Estados Unidos.