Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pilotos huilanos clamam apoios

Gaudêncio Hamelay - Lubango - 18 de Março, 2016

Huila enfrentam dificuldades financeiras

Fotografia: Jornal dos Desportos

Os pilotos da província da Huila enfrentam dificuldades financeiras para competir nas provas da Federação Angolana dos Desportos Motorizados (FADM) agendadas para a presente época desportiva. O alerta foi dado por Fiório de Sousa, do Team Auto-Gasosa Racing.

O jovem piloto assegura que a situação económica e financeira do país afectou drasticamente os potenciais patrocinadores e a ausência de apoios vai reflectir-se na fraca participação da Huíla na competição.

Preocupado com a conjuntura, Fiório de Sousa asseverou que apenas dois pilotos locais provavelmente podem representar as terras altas da Chela na Classe A (carros de 1600cc) na segunda quinzena do corrente mês no Namibe. Trata-se de Rúben Oliveira e Olgarte Dissel.

Com a crise instalada, os familiares e algumas pessoas singulares deixaram de sustentar as participações de Fiório de Sousa nas competições nacionais e locais. Os últimos apoios foram dados em 2014. Em 2015, contou com apoio da empresa cervejeira N'Gola.

"Foi com essa grande ajuda que participei em 2015 dos 200 Kms em automobilismo da Huíla, a maior competição do calendário da FADM. Agora, em 2016, tudo acabou", disse.

Uma lâmpada de esperança nasce no fundo do túnel. A empresa N'Gola já manifestou a disponibilidade de apoiar Fiório de Sousa, mas recusa-se em adiantar o valor real de verbas a patrocinar. A situação cria "desesperança" no jovem piloto huilano, que pretende definir a sua situação de participação das provas nacionais.

Em jeito de apelo, Fiório de Sousa implorou às equipas que têm possibilidade de patrocínio e de apoio a ajudar outros pilotos carentes. "Se pudessem ajudar os colegas, a Huíla pode ser mais bem representada; sozinho não se faz corrida e não há competição", solicitou.

O desporto automóvel depende de importações em qualquer parte do mundo, segundo Fiório de Sousa. Em Angola, importa-se os pneus, combustíveis, peças de reposição e, inclusive, engenheiros para a manutenção das viaturas, depois de determinado tempo de uso.

Para evitar a seca, Fiório de Sousa traçou como objectivo a participação apenas nos 200 Kms em automobilismo da Huila com intuito de conquistar o título e devolver o orgulho ao público huilano.