Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pirelli promove estreia do novo pneu

19 de Maio, 2015

Pneus macios da Pirelli pela primeira vez

Fotografia: AFP

Dos quatro compostos de pista seca, fabricados pela Pirelli para o Mundial de F1, o único inteiramente novo para a temporada 2015 é o supermacio. Pode vir a ser usado pela primeira vez,  nesta semana no GP de Mónaco.

Os novos pneus supermacios da Pirelli, podem ser usados pela primeira vez na temporada 2015, neste fim de semana, em Mónaco, na sexta etapa do Mundial de F1. De acordo com a fabricante italiana, vão representar uma “vantagem notável de desempenho”. Dos quatro compostos de pista seca desenvolvidos pela marca para a F1, o único que é novo em 2015 é justamente o supermacio, com maior resistência.

 A combinação para o GP de Mónaco e as duas etapas seguintes do campeonato, no Canadá e na Áustria, é a mesma: supermacios e macios. Os compostos identificados pela cor vermelha devem ser mais usados, daqui para a frente.

“Mónaco é frequentemente tratado como um circuito, em que ultrapassar é impossível, mas vimos no passado como a estratégia de pneus levou a mudanças de posição, incluindo ultrapassagens na pista”, disse Paul Hembery, director -desportivo da Pirelli.

  “Em particular, o modo como os pilotos usam o novo pneu supermacio, com sua vantagem notável de desempenho, pode vir a ser crucial”, ressaltou.

 “Há alguns aspectos pouco usuais de Mónaco, incluindo a própria programação dos treinos, o que apenas acrescenta à fama de imprevisibilidade dessa corrida e as inevitáveis comparações com uma roleta russa. Mas, como sempre é o caso, a preparação correcta e a colecta de dados dos pneus durante os treinos vai colocar todos os pilotos em uma posição forte, para maximizar o potencial na corrida e na crucial sessão de classificação”, concluiu.

 A expectativa da Pirelli é que, a diferença entre os compostos macios e supermacios seja de 1s. Assim, como nos últimos anos, com o baixo desgaste nas ruas do Principado, a estratégia ideal deve ser de apenas uma parada.


REVELAÇÃO
Massa espera "pior corrida do ano" no Mónaco


Um espera a pior prova do ano. O outro, a melhor dos próximos meses. A expectativa dos brasileiros para a sexta etapa do Mundial de Fórmula 1, que vai ser disputada no Mónaco, não podia ser diferente. Felipe Massa revelou ao UOL Esporte que espera sofrer devido às características da pista – ainda  há quem pense o contrário dentro da própria equipa.

“Tomara  eu esteja errado, mas acho que será a pior prova. Talvez os engenheiros pensem que as dificuldades serão menores. Mas eu acho que Mónaco deve ser a pior pista para a gente, pensando na maneira como nosso carro funcionou na maioria das corridas até agora e lembrando as dificuldades que tivemos ano passado – e o carro desde ano não é tão diferente de 2014."

Na última temporada, a Williams teve um final de semana apagado no Mónaco e Massa terminou  em sétimo. Porém, o rendimento que o carro demonstrou no trecho mais lento do palco da última prova, disputada em Espanha, animou os profissionais da equipa.

“Os engenheiros acham que não será tão difícil porque o carro  comportou-se  bem em Barcelona no último sector – que é o mais parecido com Mónaco. Vamos ver quem tem  razão. Tomara que sejam eles”.

Massa espera que as dificuldades terminem após o Mónaco. O brasileiro, que deve contar com um extenso pacote de mudanças na Williams a partir da etapa seguinte, no Canadá, lembra que as características das pistas que vêm a seguir são favoráveis ao seu carro. E crê, inclusive, que possa  almejar resultados melhores do que a equipa está a  ter até agora – os melhores foram quartos lugares tanto do brasileiro, quanto de seu companheiro, Valtteri Bottas. “Depois de Mónaco, há muitas pistas muito boas para a gente e acredito que nosso carro possa ter resultados até melhores do que vem tendo até agora”.

Entretanto, depois de sofrer nas últimas provas com a falta de pressão aerodinâmica e a consequente queda no rendimento e aumento no consumo de pneus de sua Sauber, Felipe Nasr acredita que as características da pista de Mónaco podem ajudar a equipa a mascarar as deficiências do carro.

Em Espanha, o brasileiro explicou que corre “praticamente com o mesmo carro da primeira prova”, enquanto os demais melhoraram. Porém, o traçado distinto do Principado pode mudar o cenário, pelo menos temporariamente.

"Mónaco talvez possa ser a nossa melhor corrida até o carro fôr actualizado, o que deve acontecer só na Bélgica, em Agosto. Isso, porque nosso carro tem um potencial maior nas curvas de baixa velocidade. E Montreal talvez, pelas longas rectas e curvas de baixa velocidade também, pode ser uma pista boa para o carro”, acredita.

Os treinos livres para o GP de Mónaco começam na quinta-feira. Após cinco etapas, Hamilton lidera com 20 pontos de vantagem para Rosberg.


  CONSTATAÇÃO
Arai admite falhas


Arai, chefe de competições da Honda, entende que a fabricante japonesa não deve ter muita alternativa nas próximas semanas a não ser gastar as fichas de desenvolvimento a que tem direito.

O engenheiro admitiu faltar potência às unidades nipónicas.
Arai, entretanto, entende que a fabricante precisa de escolher com cuidado o momento para começar a fazer uso das fichas. “Não temos um plano completo ainda sobre como usar as fichas, quando e em que áreas”, admitiu o engenheiro.

"Nós já confirmamos quais são as áreas mais eficazes e estamos a traçar um plano para aplicar corrida a corrida, as fichas que temos", completou. O chefe de competições da Honda, Yasuhisa Ara, acredita que há certas áreas específicas em que a fabricante não vai ter alternativa e vai ser obrigada a gastar as fichas de desenvolvimento de motor na F1, a fim de proporcionar à McLaren uma maior competitividade.

Como fornecedora nova, a marca japonesa tem direito somente a nove fichas, contra 32 das concorrentes Renault, Mercedes e Ferrari.
O recurso visa proporcionar actualizações, nas unidades de potência, ao longo da temporada.